Tamanho do texto

Recheado de participações, filme vale pelas piadas com celebridades que vão desde Ariana Grande a Kiefer Sutherland

Pode um filme de comédia ter ótimas piadas e ser ruim? “Zoolander 2”, que estreia nesta quinta-feira (3) nos cinemas brasileiros, chega para provar que sim; é possível um filme cheio de bons momentos ser dolorosamente ruim.

Cena do filme
Divulgação
Cena do filme "Zoolander 2": Boas piadas não necessariamente resultam em um bom filme

Zoolander , para quem não se lembra, é um personagem que Ben Stiller criou, assim  de improviso, durante uma apresentação para o VH1 Fashion Awards. Deu tão certo que a Paramount aprovou um filme para o personagem. Derek Zoolander (Stiller) é um supermodelo que sintetiza toda a futilidade e superficialidade do mundo da moda. Estamos, é claro, no fértil terreno em que a sátira encontra a paródia. Lançado em 2001, na esteira dos atentados ao World Trade Center, “Zoolander” não cativou as bilheterias, mas fez sucesso moderado junto à crítica. Com o tempo, o filme foi sendo redescoberto e virou, como dizem, um gosto adquirido.

“Zoolander 2” passou a ser questão de tempo.

No filme, novamente dirigido por Ben Stiller, a partir do argumento desenvolvido por ele e o mesmo Justin Theroux (da série “The Leftovers”) do original, Zoolander está retirado do mundo fashion. Chamado de volta e na expectativa de reconquistar a guarda de seu filho, ele acaba topando participar de um desfile em Roma. A trama recicla a fórmula do original e propõe uma brincadeira com o messias da moda. O sangue de Zoolander, afinal, tem poder.

Não é segredo nenhum para quem conhece o filme original e já pousou os olhos nos trailers do novo, que as participações especiais são o grande atrativo do filme. Elas são muitas e muito divertidas.

De Benedict Cumberbatch , como um modelo andrógino, a Justin Bieber sendo assassinado logo na primeira cena, passando por Sting e uma ótima brincadeira misturando a fama de baladeiro sexual do cantor com “Star Wars”, “Zoolander 2” é um parque de diversões de referências pop.

Penélope Cruz faz uma sexy agente da Interpol que recruta Zoolander
Divulgação
Penélope Cruz faz uma sexy agente da Interpol que recruta Zoolander

Se por um lado, a sucessão de esquetes proporcionam alguns bons momentos, no todo o filme é muito mal costurado. Não há a genialidade sutil da desconstrução das fachadas do universo da moda, há apenas o barulho.

Mesmo assim, Stiller conseguiu atrair figurões deste universo para fazer pontas no filme. Desde Anna Wintour , a editora da Vogue com fama de megera, ao bambambã Valentino , passando por Marc Jacobs e os irmãos Wang . Paradoxalmente, é a presença desses ícones da moda, hostilizados à base da galhofa, que afere algum valor crítico ao pouco que “Zoolander 2” oferece a seu público em termos de narrativa.