Tamanho do texto

A disputa de ator coadjuvante pode se revelar decisiva para a escolha do melhor filme no Oscar. Entenda as razões

De todas as categorias de atuação no Oscar, a mais indefinida é a de ator coadjuvante. Sim, Sylvester Stallone é o favorito por sua comovente atuação como Rocky Balboa em “Creed: Nascido para Lutar”, mas a maneira como a categoria se delineou no curso da temporada alimenta dúvidas até o momento que a atriz Patricia Arquette anunciar o nome do vencedor.

O ator Sylvester Stallone está bem perto de fazer história no Oscar. Será?
Divulgação
O ator Sylvester Stallone está bem perto de fazer história no Oscar. Será?

Concorrem ao Oscar Christian Bale (“A Grande Aposta”), Tom Hardy (“O Regresso”), Mark Ruffalo (“Spotlight – Segredos Revelados”) e Mark Rylance (“Ponte dos Espiões”), além de Stallone, claro.

Trata-se da categoria de atuação mais distinta da lista do sindicato dos atores (SAG, na sigla em inglês), que consagrou Idris Elba por “Beasts of No Nation” como o melhor coadjuvante do ano. Nas outras categorias, todos os vencedores do SAG estão concorrendo e ostentam o favoritismo no Oscar. São eles Leonardo DiCaprio (ator), Brie Larson (atriz) e Alicia Vikander (Atriz coadjuvante).

Não obstante esse aspecto, Stallone prevaleceu no Globo de Ouro e no Critic´s Choice Awards, enquanto que Mark Rylance triunfou no Bafta, realizado no início do mês. A grande incógnita repousa sobre o fato de que Rylance, mesmo sem ter ganho o SAG, estava entre os indicados. Stallone não. O mesmo se verificou no Bafta, que não contemplou Sly com uma nomeação.

Essas circunstâncias importam porque o SAG e o Bafta, diferentemente do Critic´s Choice e do Globo de Ouro, são tão prêmios da indústria quanto o Oscar. Isso pode significar que não há apoio suficiente a Stallone para converter sua indicação ao Oscar em vitória, apesar de todo o hype em cima de sua presença entre os concorrentes.

Tanto que é justamente a categoria com menos consenso. Seja entre os matemáticos, que preveem chances de 27% de vitória para Stallone contra 23% de Rylance, como para apostadores em Vegas, Londres e demais sites de apostas que se polarizam entre os dois concorrentes.

Há, ainda, um potencial elemento surpresa na categoria. A disputa pelo Oscar de melhor filme pode desequilibrar a disputa. É fato que Stallone é o único concorrente cujo filme não está nomeado na principal categoria do Oscar. O problema ainda não é esse. Tido como favorito durante boa parte da corrida pelo Oscar, “Spotlight – Segredos Revelados” perdeu força na corrida, mas ainda tem o apoio do SAG que o premiou como melhor elenco e nem sequer indicou “O Regresso” ao prêmio da categoria. Uma eventual inclinação da academia em premiar “Spotlight – Segredos Revelados” pode beneficiar Mark Ruffalo, já indicado em outras duas oportunidades.

Mark Ruffalo em cena de
Divulgação
Mark Ruffalo em cena de "Spotlight": Elemento surpresa

Este não é um desfecho tão improvável quanto parece. Em um Oscar que promete ser bastante pulverizado, a categoria de ator coadjuvante pode ser a chave da equação para decifrar qual filme, afinal, será consagrado o melhor da safra de 2015. A atenuante para toda essa política de compensação é que todos os concorrentes da categoria defendem trabalhos bons o suficiente para o Oscar. No final das contas, pode-se até não fazer justiça histórica com um ou outro ator, mas certamente não haverá nenhuma injustiça.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.