Queen: receita milionária aponta alta popularidade da banda no século 21
Marcelo de Assis
Queen: receita milionária aponta alta popularidade da banda no século 21

Um dos maiores grupos de rock de todos os tempos, o Queen , ainda mantém uma grande popularidade no século 21 , graças à uma série de fatores comerciais e artísticos que mostram que seu apelo como banda continua tão forte quanto o inicio de suas atividades na indústria musical, em 1970.

Um arquivo fiscal da Queen Productions Ltd. , empresa sediado no Reino Unido de propriedade dos membros originais remanescentes da banda, além dos representantes legais do espólio do eterno vocalista Freddie Mercury (1946-1991) que foi obtido pela Music Business Worldwide revelou que o lendário grupo britânico ainda está ganhando muito dinheiro, apesar de seu último trabalho de estúdio com Mercury, Innuendo , ter sido lançado apenas em 1991.

O referido documento revela que as receitas da banda geradas por direitos autorais sobre sua obra fonográfica gerou cerca de US$ 53,5 milhões (mais de R$ 289 milhões no câmbio atual) referentes ao ano fiscal de 2020 – 12 meses até o final de setembro daquele ano.

Em uma época onde o streaming é o formato padrão de consumo de música, todo esse montante financeiro conquistado pelo Queen teve um fator determinante: a exibição da cinebiografia Bohemian Rhapsody , vencedora do Oscar , lançada globalmente em outubro de 2018.

Até hoje, o sucesso do filme deve ser considerado determinante para que a música do Queen continue o mesmo sucesso que marcou o planeta entre as décadas de 1970 e 1990.

Ainda que a cinebiografia tenha impulsionado o catálogo do Queen nas plataformas digitais, devemos sempre lembrar que grande parte dos assinantes de plataformas como Spotify , Apple Music e Deezer é o público jovem. Então, essa geração passa a consumir a obra da banda, colaborando profundamente para uma perpetuação do apelo artístico do grupo.

Queen: receita milionária aponta alta popularidade da banda no século 21
Foto: Universal Music

E, consequentemente, os shows do Queen continuam sendo grandes concertos, com um público renovado, quase 50 anos após as primeiras apresentações de Freddie Mercury, Brian May, John Deacon e Roger Taylor . Considere também a entrada do jovem Adam Lambert, com uma carreira solo estabelecida, que apresentou todo esse conteúdo ao seus fãs.

Atualmente, o Queen ocupa a 44ª colocação na lista dos artistas mais ouvidos do mundo no Spotify , com 40,3 milhões de ouvintes.

Discografia do Queen também pode ter valor bilionário no mercado

Queen: receita milionária aponta alta popularidade da banda no século 21
Foto: EMI

Há muita especulação sobre o valor total de todo o catálogo do Queen, em uma época que grandes nomes da música mundial estão negociando seus espólios discográficos com outras empresas, mas tudo leva a acreditar que esteja valendo mais de US$ 1 bilhão (algo em torno de R$ 5 bilhões no câmbio atual).

A discografia da banda é controlada pela Disney Music Group na América do Norte e. para o resto do mundo, esse material é licenciado para a Universal Music Group como distribuidor e parceiro de gravadora.

Estima-se que o Queen vendeu quase 300 milhões de discos em todo mundo. A banda entrou para o Hall da Fama do Rock em 2001.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários