Tamanho do texto

No twitter, o ator de "30 Rock" se posicionou contra o republicano e está fazendo contagem regressiva para o fim do mandato de Donald Trump

Apesar de ser um apresentador de televisão, a relação de Donald Trump , o novo presidente dos Estados Unidos, com os artistas e profissionais do entretenimento não anda muito boa. Depois de uma turbulenta corrida eleitoral, com diversos artistas do país realizando campanhas contra a sua eleição e uma onda de protestos que tomaram os Estados Unidos após a divulgação do resultado, Donald Trump parece estar em uma guerra fria com um dos atores mais polêmicos de Hollywood. Recentemente, Alec Baldwin disparou diversos comentários em seu Twitter  atacando o atual presidente gerando uma constante troca de farpas entre ambos que chamou atenção da imprensa internacional.

Alec Baldwin está atacando incisivamente o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no Twitter
Reprodução
Alec Baldwin está atacando incisivamente o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no Twitter


Leia mais:  Famosos do Brasil e do mundo repercutem vitória de Donald Trump

Tudo começou com Alec Baldwin satirizando Trump nos esquetes clássicos do programa estadunidense “Saturday Night Live”. Da pele laranja à peruca mal posicionada passando pelos trejeitos do presidente, o ator resgata as polêmicas de Trump para trazer a tona no programa de forma humorística, o que não agradou nada o empresário. Trump demonstrou seu desapontamento em sua rede social no final de novembro: “Vi alguns momentos do 'Saturday Night Live' ontem à noite. Foi um show totalmente parcial e tendencioso, nem um pouco engraçado. Que tal dar um espaço igual para nós?”, escreveu no Twitter.

Entretanto, a resposta de Baldwin foi incisiva lembrando que em programas de comédia não há direito de resposta. “Donald Trump, você quer direito de resposta? A eleição acabou. Não há mais direito de resposta. Agora, você tenta ser presidente, e as pessoas vão dar suas respostas. É isso o que acontece”, retrucou o ator. Baldwin ainda criticou o programa de governo do presidente, logo em seguida: “Você sabe o que eu faria se fosse eleito presidente? Tentaria melhorar a vida do MAIOR NÚMERO DE AMERICANOS POSSÍVEIS. Tentaria melhorar nossa reputação no exterior, incluindo lutar pela liberdade, não só por petróleo. Faria todos os esforços possíveis para criar empregos. Uma maneira de fazer os EUA serem grandes novamente é colocá-los para trabalhar. Também diria coisas que encorajassem as pessoas, não que causassem medo e dúvidas. Eu poderia continuar. Mas, se você precisar de novos conselhos, me liga. Estarei no 'SNL'”, disparou.

Leia mais:  Repórter da GloboNews se irrita com Donald Trump e solta palavrão ao vivo

Alec Baldwin satirizando Donald Trump
Reprodução
Alec Baldwin satirizando Donald Trump

O conflito só intensificou e Donald Trump, no início de dezembro, escreveu: “Acabei de tentar assistir ao Saturday Night Live – impossível! Totalmente tendencioso, sem graça e a representação de Baldwin não pode ficar pior. Triste.”. A fixação do ator por Trump, entretanto, continuou. Alec Baldwin respondeu na mesma moeda questionando sobre a renda do presidente: “Libere a suas declarações de imposto e eu paro. Ha.”, escreveu em seu Twitter, referente a uma prática comum nos Estados Unidos – de candidatos divulgarem suas declarações de imposto de renda durante a corrida eleitoral – que Trump não seguiu. Baldwin continuou a ataca-lo e ainda fez três tweets seguidos criticando o atual presidente. “Não estamos longe do dia em que o candidato mais injuriado da nossa história se tornará presidente. Não desejado pela maioria dos eleitores. Um homem que projetou um pouco além de uma fanfarronice vazia e uma retórica sintética sobre suas qualificações e planos, mas no dia da posse começa a contagem regressiva para o dia que ele for embora. E ele irá embora. 20 de Janeiro. A contagem começa”, escreveu.

A guerra declarada contra Trump foi só um começo para que Alec Baldwin disparasse a falar sobre a política dos Estados Unidos, um assunto que já apresentava interesse no passado. O ator já chegou a apresentar sua candidatura à prefeitura de Nova York em 2013 e nunca escondeu o seu apoio aos democratas, tendo inclusive endossado as candidaturas de Barack Obama durante os seus dois anos de mandato. Questionado pelo New York Times sobre a oposição incisiva declarada a Donald Trump, o ator respondeu: “Não odeio ele, eu quero que ele aproveite sua vida. Só não quero que ele seja presidente dos Estados Unidos – o mais rápido possível”.  Diferentemente do confronto do século passado, esta guerra fria se concentra entre republicano e democrata no próprio Estados Unidos com um desfecho que não tem data para acabar mas, ao que parece, se concentrará exclusivamente às redes sociais e à televisão, livrando, felizmente, os habitantes do país de quaisquer bombas.


“Eu quero me apresentar na posse de Trump.
Eu quero cantar HIGHWAY TO HELL”, escreveu o ator.

Leia mais:  Artistas se manifestam contra Donald Trump em festival de música

Controversas

Alec Baldwin, que ganha US$ 1.400 por cada atuação como Donald Trump no humorístico, já foi alvo de diversas polêmicas no passado. Além do comportamento violento em relação ao assédio dos paparazzis, o ator também já foi protagonista de um polêmico caso envolvendo sua antiga esposa Kim Basinger e sua filha, Ireland. Durante o turbulento divórcio, o ator chegou a deixar uma mensagem para a família chamando a criança que, até então tinha 11 anos de idade, de “porquinha insensível” e alegando que ela não tinha “cérebro nem a decência de um ser humano”, como revelou o Daily Mail na época. Além disso, o ator também foi acusado de homofóbico em episódio em 2014, chamando um dos paparazzis que o cercavam de “viado”, aos gritos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas