Tamanho do texto

Filha de Flávia Alessandra e Marcos Paulo, Giulia Costa optou por usar o sobrenome do padrasto Otaviano Costa, como nome artístico

Aos 16 anos, Giulia Costa está decidida a seguir na carreira de atriz. E não foi por falta de exemplos na família que a adolescente entrou para o mundo da televisão. Filha de Flávia Alessandra e Marcos Paulo, morto em 2012, a jovem conta ainda com a influência do padrasto Otaviano Costa, de quem não se desgruda.

LEIA MAIS: Flávia Alessandra posta foto ao lado da filha e impressiona com semelhança

Giulia Costa e Otaviano Costa
Reprodução/Instagram
Giulia Costa e Otaviano Costa


Para dar os primeiros passos na carreira artística, Giulia Costa , que estreou na televisão em 2015 com sua participação em " Malhação ", deu o que falar no público ao optar pelo sobrenome do padrasto, e não o de seu falecido pai, na escolha do nome artístico. A questão sempre incomodou a atriz, que desabafou sobre o assunto durante uma entrevista à revista Caras. 

LEIA MAIS:  Flávia Alessandra curte férias ostentação com Otaviano Costa; veja as fotos

"Todo mundo fala que eu adotei o sobrenome do Otaviano Costa . Mas as duas famílias têm o Costa. Flávia também é Costa. Simões seria um nome mais masculino, e Costa, feminino. Ainda tem Martins", justifica a filha de Flávia Alessandra e Marcos Paulo .


Críticas

Durante o desabafo, a atriz revelou que foi vítima de duras críticas por não ter escolhido o sobrenome do pai. "As pessoas começaram a me crucificar por causa disso, mas minha mãe só não usa o Costa porque o nome artístico dela é Flávia Alessandra, pronto, falei!", afirmou.

LEIA MAIS:  Giulia Costa, a jovem atriz que conquistou o público

No início da carreira, a adolescente de 16 anos falou ainda sobre a exposição da vida pessoal dos famosos na mídia e confessou que ainda não se acostumou com o assédio da imprensa. "Saiu um flagra com um amigo uma vez, logo depois que terminei o namoro. [com o ator Breno Leone]. Minha ficha caiu no dia que inventaram que eu estava namorando com esse menino. Fotógrafos me perseguindo? Uau! Daí, consultei: ‘Mãe, o que eu faço agora?’ Não sei se fiquei com medo, mas não conseguia entender o que tinha acontecido. Estava acostumada quando nos fotografavam nas ruas, mas com Flávia, Otaviano ou Marcos Paulo. Comigo, não fazia ideia que aconteceria", conta Giulia Costa.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.