Tamanho do texto

Filha de Flávia Alessandra e Marcos Paulo, Giulia Costa optou por usar o sobrenome do padrasto Otaviano Costa, como nome artístico

Aos 16 anos, Giulia Costa está decidida a seguir na carreira de atriz. E não foi por falta de exemplos na família que a adolescente entrou para o mundo da televisão. Filha de Flávia Alessandra e Marcos Paulo, morto em 2012, a jovem conta ainda com a influência do padrasto Otaviano Costa, de quem não se desgruda.

LEIA MAIS: Flávia Alessandra posta foto ao lado da filha e impressiona com semelhança

Giulia Costa e Otaviano Costa
Reprodução/Instagram
Giulia Costa e Otaviano Costa


Para dar os primeiros passos na carreira artística, Giulia Costa , que estreou na televisão em 2015 com sua participação em " Malhação ", deu o que falar no público ao optar pelo sobrenome do padrasto, e não o de seu falecido pai, na escolha do nome artístico. A questão sempre incomodou a atriz, que desabafou sobre o assunto durante uma entrevista à revista Caras. 

LEIA MAIS:  Flávia Alessandra curte férias ostentação com Otaviano Costa; veja as fotos

"Todo mundo fala que eu adotei o sobrenome do Otaviano Costa . Mas as duas famílias têm o Costa. Flávia também é Costa. Simões seria um nome mais masculino, e Costa, feminino. Ainda tem Martins", justifica a filha de Flávia Alessandra e Marcos Paulo .


Críticas

Durante o desabafo, a atriz revelou que foi vítima de duras críticas por não ter escolhido o sobrenome do pai. "As pessoas começaram a me crucificar por causa disso, mas minha mãe só não usa o Costa porque o nome artístico dela é Flávia Alessandra, pronto, falei!", afirmou.

LEIA MAIS:  Giulia Costa, a jovem atriz que conquistou o público

No início da carreira, a adolescente de 16 anos falou ainda sobre a exposição da vida pessoal dos famosos na mídia e confessou que ainda não se acostumou com o assédio da imprensa. "Saiu um flagra com um amigo uma vez, logo depois que terminei o namoro. [com o ator Breno Leone]. Minha ficha caiu no dia que inventaram que eu estava namorando com esse menino. Fotógrafos me perseguindo? Uau! Daí, consultei: ‘Mãe, o que eu faço agora?’ Não sei se fiquei com medo, mas não conseguia entender o que tinha acontecido. Estava acostumada quando nos fotografavam nas ruas, mas com Flávia, Otaviano ou Marcos Paulo. Comigo, não fazia ideia que aconteceria", conta Giulia Costa.