Tamanho do texto

A dupla Simone e Simaria deram uma entrevista emocionada ao "De Cara", na rádio FM O Dia, relembraram a morte do pai e falaram da busca pelo corpo

Quem vê a alegria da dupla sertaneja Simone e Simaria, não imagina as dificuldades que as irmãs já passaram quando eram mais novas e viviam com os pais no nordeste.

Leia mais:  Simone e Simaria relembram início da carreira: "Muitas portas na cara"

Em uma emocionante participação no programa " De Cara ", na rádio FM O Dia, Simone e Simaria  falaram sobre o passado humilde e se emocionaram ao falar do pai, enterrado como indigente.

Simone e Simaria dão entrevista emocionada para programa de rádio
Reprodução/Instagram
Simone e Simaria dão entrevista emocionada para programa de rádio


Simaria começou falando sobre a vida pobre que elas levavam com os pais no nordeste. "A gente morava numa casa de tábua, no meio do garimpo, que é onde você vai pra pegar diamante, pra ver se acerta na vida, e o garimpo era o Garimpo do Arroz. Um lugar muito perigoso", contou ela, que relatou que todos os dias eles viam pessoas mortas, assassinadas, na porta de casa. "A gente não tinha nada na vida, estávamos ali tentando achar uma pedra. Aquele sonho de nordestino, que acha que vai achar uma pedra e vai mudar de vida, salvar a família", completou.

Leia mais: Simone e Simaria: Cantora fica doente e a outra segue sozinha nos shows

Segundo a cantora, o pai trabalhava muito em busca de uma vida melhor para a família. "Ele tinha 44 anos e foi tomar banho, minha mãe chamou. E meu pai era assim: quando minha mãe chamava, ele respondia logo. Ele não respondeu. A casa era de madeira, quando olhei pelas frestas, vi ele deitado no chão com a água caindo nos pés", concluiu a cantora bastante emocionada.

Depois foi a vez de Simone falar e, também emocionada, ela falou que os amigos ajudaram elas e a mãe no enterro. "E foi assim, hoje a gente briga na justiça para conseguir achar o corpo e fazer tudo direitinho. Agora que a gente pode", explicou ela.

Simone e Simaria contaram que, durante a busca pelo corpo do pai, já encontraram alguns, mas não era dele. "Eu tinha 11 anos quando ele morreu. e eu nessa correria louca ainda não consegui parar pra resolver, porque depende da justiça pra determinar um dia, pra exumar o corpo", contou Simaria.

A dupla canta desde 2012, mas em 2015 ficaram mais conhecidas com a música "Meu Violão e o Nosso Cachorro". Recentemente, Simonia e Simaria levaram o troféu do "Prêmio Multishow" para casa ao vencerem na categoria "Experimente".