Tamanho do texto

Carismática mas nem tão polêmica, goiana conquistou uma grande base de fãs e é favorita ao prêmio de R$ 1,5 milhão

No ar há 15 anos, mais uma edição do "Big Brother Brasil" chega ao fim na terça-feira (5) provando que o reality segue uma fórmula desgastada mas de sucesso, capaz de mobilizar telespectadores país afora. Ao longo dos últimos três meses, o público assistiu a uma das edições mais polêmicas e envolventes do programa, algo que há muito tempo não acontecia. O mérito, no entanto, foi de Ana Paula , a "Louca do BBB", que fez da casa céu aos aliados e inferno para os rivais .

Braço direito de Ana Paula, Munik herda legado da
Reprodução/TV Globo
Braço direito de Ana Paula, Munik herda legado da "louca" e deve levar o prêmio


A participação da jornalista, hoje repórter do "Vídeo Show", foi tão marcante que, mesmo após ter sido expulsa, sua influência dentro da competição se mantém absoluta  até o último dia do programa. Por meio de mutirões na internet, Ana Paula pôs, um a um, todos os rivais para fora do jogo com votações expressivas. Na grande final, o mesmo poder da mineira é esperado e será determinante para a coroação de  Munik  como a provável campeã do "Big Brother Brasil 16".

Sob a sombra de Ana Paula, Pequi, bem como os demais finalistas, não teve uma participação inesquecível e extraordinária dentro do “BBB”, mas seguiu à risca a cartilha do programa e deixou de ser uma mera coadjuvante. Sincera, espontânea e com personalidade forte, a goiana se entregou ao reality e conquistou sua própria base de fãs. Em seu primeiro paredão, por exemplo, ela somou menos de 10% dos votos em todas as regiões do Brasil e ganhou cada vez mais apoio, principalmente após a expulsão da melhor amiga.

Munik ficou longe de ser uma mera coadjuvante na casa do
Reprodução/TV Globo
Munik ficou longe de ser uma mera coadjuvante na casa do "BBB"


Com apenas 19 anos, Munik chamou a atenção do público logo nos primeiros dias de confinamento. Tendo o título de baladeira como sua marca registrada, a estudante apostou na simpatia para conquistar amigos, affairs e, o mais importante, aliados.

Braço direito de Ana, Pequi ainda herdou da cúmplice o legado de "louca" e se mostrou leal do começo ao fim ao seu grupo, formado por Ronan e Dona Geralda . Durante todo o "BBB" ela não se esquivou das polêmicas, não escondeu seu jogo de ninguém e ainda viveu duas decepções amorosas. Festeira, Munik bebeu, caiu e levantou sem perder o sorriso no rosto e a confiança dentro da competição.

Mutirões

Procurado pelo iG , o administrador do fã-clube @PortalMunik, responsável pela organização de mutirões a favor da estudante no Twitter, falou sobre a campanha que está em andamento e confirmou a ajuda dos órfãos de Ana Paula no apoio a Munik. "Para a reta final preparamos um mega mutirão. A torcida de Ana e Munik é muito unida. Juntos somos os ‘Annik’ e estamos nos dedicando ao máximo", afirmou.

A campanha, que conta com banners e mensagens motivacionais, movimenta internautas de todo o país. "Os mutirões funcionam assim: as pessoas nos mandam os votos por mensagem privada e informam de qual região eles vieram. A cada campanha estipulamos uma meta para nos esforçamos e não desistimos enquanto ela não for batida", explicou.

Com ou sem mutirão, cabe ao público fiel decidir quem merece vencer o "Big Brother Brasil" e presentear o participante favorito com o prêmio de R$ 1,5 milhão. Para quem vai a sua torcida?

Relembre a trajetória de Munik no BBB:


    Leia tudo sobre: BBB
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.