Tamanho do texto

Aos 31 anos, Saulo Meneghetti comemora boa fase, fala das dificuldades no início da carreira, sua dedicação às artes plásticas e solteirice

Saulo Meneghetti tem arrancado suspiros na pele do abolicionista Charles de Alencastro na novela "Escrava Mãe", no ar às 19h30 na Record, e já tem trabalho garantido em 2017, na pele do vilão Oziel de "O Rico e Lázaro", que substituirá "A Terra Prometida" às 20h30. O ator, de 31 anos, é também artista plástico e expõe suas obras pelo país.

Leia mais:  Jayme Periard comemora vilão em "Escrava Mãe"

Solteiro, Saulo Meneghetti diz que não tem tempo para namorar
Reprodução/Instagram
Solteiro, Saulo Meneghetti diz que não tem tempo para namorar


Nesta entrevista ao iG , Saulo Meneghetti lembra as dificuldades que encarou no início da carreira, quando trocou Chapecó (SC) por São Paulo para tentar a vida de ator, fala se "beleza é fundamental" como muita gente pensa, diz como é trabalhar em diferentes emissoras - além da Record, já passou por SBT e Globo - e conta que, por falta de tempo, está solteiro: 

iG:  Como foi sair de Chapecó para tentar a carreira, há 12 anos?

Saulo Meneghetti:  Vim de uma cidade pequena no Sul rumo a São Paulo, uma terra desconhecida, sem contatos ou proteção. Não tinha a menor ideia de como seriam as coisas e as dificuldades que eu estava prestes a enfrentar. E foram as mais diversas dentro de meu contexto de vida. Contudo,  nada que fosse impossível de contornar.

O galã, de 30 anos, vem crescendo na emissora
Divulgação
O galã, de 30 anos, vem crescendo na emissora

iG: Que tipo de dificuldades?

Eu me deparei com momentos em que eu não possuía mais o conforto de minha família, o contato com meus amigos, momentos onde precisaria escolher entre a condução ou meu almoço. Mas isso corresponde a nada perante à realidade da maior parte da população brasileira, muitos colegas de trabalho enfrentaram e continuam enfrentando dificuldades maiores que as que eu encontrei. Não vejo como mérito, foi algo que passei e que contribuiu para que eu pudesse pensar na realidade e asperezas da vida. Nunca pensei em desistir, essas situações serviram para mim como motivação.

Leia mais:  Thais Fersoza é vilã assassina em “Escrava Mãe”: "Quis me reinventar"

A beleza já te ajudou ou atrapalhou na carreira?

A beleza ou determinado padrão é um facilitador, sim. Eu poderia dizer que 'não' para seguir uma linha, no entanto deixaria de levantar questões sobre o que ocorre na vida cotidiana, onde o número de casos onde a 'beleza' influencia a carreira é muito maior entre as mulheres. Elas sofrem muito mais com a ditadura da beleza, e isso não é apenas uma realidade brasileira, é a nível mundial. As mulheres passam por assédios constantes no mercado de trabalho e recebem menos para desenvolver as mesmas atividades que um homem. 

Você já passou por Globo ("Tempos Modernos"), SBT ("Carrossel" e outras novelas) e Record. Que diferença vê entre elas? 

Cada emissora possui suas especificidades, sua maneira de trabalhar. Basicamente nós, como atores, estamos ali para desempenhar nosso trabalho, somos remunerados para isso. Posso dizer que na Record, onde pude desenvolver meu trabalho de maior visibilidade, todos tem me acolhido de uma maneira com a qual eu me sinto extremamente à vontade. Sou grato por isso".

Leia mais:  Conheça Pedro Carvalho, o galã português de "Escrava Mãe"

"Escrava Mãe"

Ele é o abolicionista Charles na trama
Reprodução/Instagram
Ele é o abolicionista Charles na trama

A novela foi totalmente gravada em 2015. Tem gostado do resultado que vai ao ar?

O fato de o Charles aparecer durante a trama fez com que as expectativas aumentassem, tanto as minhas quanto as do público. Tenho acompanhando a crítica sobre 'Escrava Mãe' e ficado muito feliz com o que tenho lido sobre a obra, o meu desempenho e o de meus colegas.

Charles é descrito como um revolucionário abolicionista.  Como construiu esse perfil?

O imaginário que compõe esse personagem é muito forte. Procurei expressar sua natureza humana e perplexidade com o que vinha acontecendo, entender a complexidade de seu passado e mostrar suas reações diante de uma sociedade escravocrata, de tantas adversidades vividas pelos escravos.

Artes

Você começou a pintar aos 2 anos. Como veio o interesse pelas artes plásticas?

Minha própria família refletia-se como referência.  Gestos flagrados no dia a dia, olhares desviados, gavetas trancadas e até cartas contribuíram para o rompimento do casulo da impaciência infantil, servindo de inspiração inicialmente. Quando observo a minha arte, vejo-a se desenvolvendo de acordo com minha espiritualização e amadurecimento, com retratos do cotidiano, da vida urbana, com componentes, cada vez mais conscientes desde a mais tenra idade.


Acredita que o mercado de artes é desvalorizado no Brasil? Pensa em expor em outros países? 

Acho que não é desvalorizado; o mercado das artes, assim como todos, possui suas nuances. Meu trabalho pertence, até então, ao mercado primário, onde as casas comercializam as obras de artistas 'novos'. Porém minhas mostras acontecem conforme minha produção e o interesse de amigos que também estão inseridos nesse mesmo mercado. Adoraria que meu trabalho fosse absorvido pelo mercado externo, apesar de já comercializar minha arte com o público internacional.

Projetos

Como será o Oziel de "O Rico e Lázaro"?   

 É um personagem bastante denso, ele será um vilão. A novela está sendo desenvolvida, a equipe está na fase de estudos e ambientação e entrar em contato com esse mundo está sendo sensacional. Estou ansioso para que ele ganhe vida logo!      

Ator será vilão em 2017
Reprodução/Instagram
Ator será vilão em 2017

Novidades no cinema e teatro?

Estou participando de três projetos de cinema, “O Cheiro do lírio”, “Cromossomo 21 II” e “Sangue no olho”, e também tenho o desejo, de no próximo ano voltar ao teatro, em projeto ainda a definir.

Está solteiro?

"Tenho tantas coisas para resolver relacionadas aos meus trabalhos que acabo não conseguindo tempo, que eu acredito que seja necessário para manter um relacionamento estável. Tenho viajado muito, fechado novas parcerias. Estou em outro momento,  conhecendo muitos profissionais bacanas dentro de meu trabalho, muitas pessoas entrando em contato comigo querendo compreender como eu venho desenvolvendo minha carreira de artista plástico e ator... pensar em tudo isso demanda tempo".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas