Tamanho do texto

Protagonista dos episódios de quinta-feira de "Justiça", Jéssica Ellen fala das gravações e do espaço para negros na TV. Veja a opinião de Jessica Ellen

Jéssica Ellen está brilhando como Rose nos episódios de quinta-feira de "Justiça". Na minissérie, a personagem é presa com drogas às vésperas de se matricular na faculdade e passa 7 anos na cadeia. Quando sai, ajuda Débora (Luisa Arraes), que nada fez ao vê-la sendo presa, a descobrir a identidade do estuprador da amiga.

Bons personagens, ousadia narrativa e dilemas garantem atratividade de "Justiça"

Jéssica Ellen
Divulgação/TV Globo
Jéssica Ellen


Por conta da minissérie, Jéssica Ellen precisou sair de " Totalmente Demais ", na qual vivia Adele. "A novela estava prevista para terminar em abril, mas foi esticada e ia bater com as gravações de " Justiça ", explica a atriz, que terminou de gravar na terça-feira (30).

Preparação

Ela conta das gravações. "Foi um processo diário, o ator vai descobrindo a personagem durante o percurso. Antes de gravar fizemos exercícios de improviso, de dez minutos a uma hora,tivemos espaço para errar, experimentar, testar o texto em três semanas de preparação. Fui duas vezes em Recife, foi sensacional, mas não gravei muito lá porque as cenas da Rose são muito dentro de casa".

A atriz comemora o retorno do público. "A gente sempre torce para que seja bom. mas não achava que ia ser tão grande. Sabíamos que seria legal pois atores, direção, está tudo muito casado. O texto todo é emocionante, por isso o público está torcendo tanto e acompanhando, são coisas que podem acontecer com qualquer pessoa. O retorno nas ruas está muito positivo, sempre tento twittar junto e é legal ver a interação do público".

Episódio de "Justiça" de quinta-feira discute preconceito racial e social

Racismo

Jéssica Ellen em
Divulgação/TV Globo
Jéssica Ellen em "Malhação"

Jéssica afirma que nunca passou por situações como Rose, de ser barrada em restaurantes, por exemplo, por conta da cor da pele. "Eu sempre soube me colocar, vou chegando com o pé na porta e uma flor na mão. Sou bem diferente da Rose, que só descobriu que era preta e pobre na cadeia. Eu sabia que, se eu não estudasse num país em que a maioria dos pobres é negra, não teria chances".

Em seu quarto trabalho na TV - fez também "Malhação" (2012), "Geração Brasil" (2014) e "Totalmente Demais" (2015) - ela vai acumulando o que aprende com as personagens. "A gente vai somando. Depois de 'Malhação' comecei a ser muito formal, por que a Rita tinha morado na Suécia. A Adele de 'Totalmente Demais me deu um olhar mais estético de como me vestir, comecei a usar roupas parecidas com as dela. E a Rose fez evidenciar a minha militância, da mulher negra empoderada".

Papel de jovem inconsequente em "Justiça" coroa boa fase de Marina Ruy Barbosa

A atriz acredita que ainda falta abrir mais espaços para os negros na TV. "Temos poucos negros trabalhando na televisão. A gente não pode ficar achando que só porque uma atriz ou ator vai emendando um trabalho no outro é suficiente". Questionada sobre os constantes ataques racistas que os artistas negros sofrem nas redes sociais, é taxativa. "Ainda não passei por isso, mas se acontecer vou tomar as mesmas atitudes que a Taís Araújo", avisa.

Jessica Ellen deseja sorte para a amiga Aline Dias, a primeira protagonista negra de "Malhação". Na minha temporada (2012) ela foi elenco de apoio. Demorou 20 anos para termos uma negra protagonista lá. A Aline está fazendo um trabalho lindo, torço por ela".