Tamanho do texto

Luiz Fernando Carvalho comenta seu processo de direção a revista. "Não consigo repetir fórmulas que deram certo", diz Luiz Fernando Carvalho

Luiz Fernando Carvalho defendeu seu estilo de dirigir novelas em entrevista à revista "Joyce Pascowitch".  Ele conta o que o leva a apostar no lúdico e em narrativas mais contemplativas nas novelas que dirige, como "Velho Chico".

+ Alta cúpula da Globo ameaça afastar diretor

Luiz Fernando Carvalho dirigindo Rodrigo Santoro em
Divulgação/Globo
Luiz Fernando Carvalho dirigindo Rodrigo Santoro em "Velho Chico"


"Repetir fórmulas que deram certo é algo que eu não consigo. Fico enjoado, me sinto mal, o corpo não vai. E se eu pensar em ibope no estúdio, a cena não sai", afirma Luiz Fernando Carvalho . "Eu não trabalho desse jeito por teimosia, faço porque é como sei fazer. Eu simplesmente não conseguiria industrializar meu processo criativo".

+ "O grande público não tem paciência", diz atriz sobre "Velho Chico"

Carvalho, que tem em seu currículo apenas novelas de Benedito Ruy Barbosa ("Renascer", "O Rei do Gado", "Esperança" e "Meu Pedacinho de Chão") comenta a parceria com o autor. "Fiz pouquíssimas novelas e sempre trabalhei com o Benedito, que é um fabulador de grandes personagens. Nossa relação é tão harmoniosa que é como se fôssemos coautores. Compartilhamos vitórias e erros", conta - das quatro, apenas "Esperança" fracassou, em 2002).

+ Atores ganham espaço, mostram talento e brilham em "Velho Chico"

O autor Benedito Ruy Barbosa e o diretor Luiz Fernando Carvalho: longa parceria
Divulgação/TV Globo
O autor Benedito Ruy Barbosa e o diretor Luiz Fernando Carvalho: longa parceria


Benedito devolve o elogio. "O Luiz Fernando faz uma leitura fantástica do meu texto. Não erra nunca. Parece que sabe exatamente como eu imaginei a cena. E, quando sente necessidade, a gente fala, troca. É uma relação que eu prezo demais".

Elenco

O diretor contou ainda sobre a escolha e preparação do elenco para as tramas. "Eu compreendo a necessidade da indústria de lançar rostinhos novos, mas eu só sei trabalhar com artistas genuínos. O cara não precisa ser ator, pode ser tocador de rabeca: se em uma audição eu perceber que ele tem condição de viver o papel, coloco na novela na maior felicidade", afirma.

Diretor cuida de cada detalhe
Divulgação/Globo
Diretor cuida de cada detalhe

E sempre há surpresas, garante. "Pessoas que você achava que não dariam conta se revelam. Outras desistem  antes de começar, porque estão inseguras, se acham incapazes de fazer. Mas como o trabalho é também de encorajamento, eu não vou deixar que ninguém se boicote. Tem gente que está bem, mas não se permite, e então começa a falhar".

Carvalho comenta ainda a escalação de Luiza Brunet para viver Madá na trama. "Eu percebi nela um certo cansaço de ser Luiza Brunet pessoa jurídica, de falar o vocabulário do mundo exterior, das aparências. Alguma parte de Luiza tinha outra fome, a de viver uma personagem que não fosse o produto Luiza Brunet, com todos os ganhos e dores que esse nome traz".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.