Tamanho do texto

Emocionado, apresentador saiu em defesa de José de Abreu e Chico Buarque em seu programa: "É lamentável"

Depois de se irritar com um homem que gritou "Fora, Dilma" em sua plateia, Jô Soares  fez um desabafo sobre a atual situação política do país. Ao relembrar o caso da cusparada de José de Abreu no programa de quarta-feira (27), o apresentador não conteve a emoção para falar sobre a intolerância política instalada na sociedade.

+ Rapaz grita "Fora, Dilma" e Jô Soares perde a paciência no ar: "Fala bobagem"

Jô Soares sai em defesa de José de Abreu e Chico Buarque
Reprodução/TV Globo
Jô Soares sai em defesa de José de Abreu e Chico Buarque


"Me espanta cada vez mais o ambiente de impaciência que o Brasil está vivendo. Esse episódio que aconteceu com o José de Abreu é constrangedor. Um cidadão não pode sair com sua mulher para jantar que é obrigado a ouvir insultos terríveis. Disseram horrores sobre a mulher dele. A reação dele foi levantar e dar uma cusparada no casal, que também é uma reação movida por um 'não aguentar mais'", disse. "A pessoa não pode ter uma opinião ou tendência política que é condenada. Isto está ficando igual ao comportamento de alguns deputados no Congresso, que também é lamentável", completou.

+ Relembre: José de Abreu cospe em casal paulista após desentendimento político

Em seguida, Jô saiu em defesa de Chico Buarque . O compositor é constantemente alvo de críticas e ofensas por apoiar declaradamente o governo de Dilma. "O Chico Buarque não pode sair de casa sem ser agredido ou ofendido. O Chico é um patrimônio deste país. Eu fico comovido e com vergonha. Feliz o país que tem um Chico Buarque. Um cara que deveria ser reverenciado, mas ao invés disso sai de casa com os amigos e é agredido de uma forma mesquinha. Desculpa, mas precisava fazer esse desabafo", disse o apresentador com lágrimas nos olhos.

+ Jô Soares dá bronca em entrevistada: "Olha para mim, conversa comigo"

Ainda na discussão sobre política, Jô Soares também defendeu a Lei Rouanet e disse que as pessoas não têm conhecimento sobre a iniciativa da lei, criada em 1991 durante o governo de Fernando Collor . "A confusão que fazem com relação à Lei Rouanet é brutal. Quem tem possibilidade de levantar verba por meio da lei é o produtor. E eu digo isso com total isenção porque eu não sou produtor de nada na área artística, eu sou diretor de espetáculos. Além de maldade, é uma ignorância falar que o José de Abreu vive às custas da Lei Rouanet. Isso é um total desconhecimento da lei", finalizou.

+ Quatro projetos desnecessários (e polêmicos) aprovados pela Lei Rouanet


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.