Tamanho do texto

Cabeleireiro descobriu linfoma e passou meses internado. Em entrevista à revista "Veja SP", ele fala do período mais difícil e seu planos para depois da cura: "Quero simples prazeres"

Marco Antônio de Biaggi falou em uma entrevista em vídeo para a revista "Veja SP" sobre sua recuperação após um câncer que o deixou internado por 139 dias e desacordado por quase três meses. O cabeleireiro de várias famosas como Anitta e Adriane Galisteu contou detalhes sobre o linfoma, descoberto no fim de 2014.

Marco Antônio de Biaggi
Reprodução
Marco Antônio de Biaggi



"Acordei no dia 25 de dezembro (de 2014) com literalmente um ovo embaixo do braço. Fiz uma biópsia e tive diagnóstico de linfoma. Começou minha luta, quimioterapia. Eu conseguia trabalhar no dia seguinte à quimio já, ninguém acreditava".

Até que as coisas pioraram. "Um dia senti um cansaço exagerado e muita falta de ar. Fui entubado na manhã seguinte, a pneumonia não ia embora em função de um problema seríssimo de coração, e eu nem sabia que eu era cardíaco. Eu não tinha mais tempo, o médico disse: 'é operar ou operar'. Fiz 3 (pontes de) safenas e uma mamária".

O cabeleireiro com Anitta
Reprodução
O cabeleireiro com Anitta

Ele recorda um dos momentos mais complicados da recuperação. "Eu me lembro de eu entubado e sem poder tomar água para não ir para o pulmão. Então eles molhavam uma gaze e pingavam gotinhas na minha boca. Acho que eu trocaria tudo que eu tenho, que eu conquistei, por um copo de água com limão".

Vaidoso, o cabeleireiro relata o que foi mais difícil. "O que me pegou mesmo foi o cabelo, você acorda e vê o travesseiro cheio. Quando passei a mão, meu cabelo veio todo, foi uma coisa desesperadora. Fui numa barbearia perto de casa e passei a navalha zero. Um dia a Anitta chegou no salão e disse 'nossa, você está careca, adorei'. Eu disse "posta a foto que ninguém me viu careca ainda".

Agora, Biaggi quer aproveitar a vida. "Quando estiver 100% recuperado quero simples prazeres. Eu amo o Rio de Janeiro, quero fazer uma caminhada em Copacabana e comer um acarajé na feira de Ipanema. Sentar na mesinha do coco do Arpoador e ver o por do sol. Tenho vontade de sentar e dar risada com meus amigos, dançar na The Week, sair de lá tomar um susto, 'nossa, já está dia!' Tanto tempo que não faço isso".


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.