Tamanho do texto

Caio Paduan dá vida a Afonso na trama exibida, às 18h, pela Globo

Rio - Quem disse que príncipe encantado só existe nos contos de fadas? Caio Paduan é forte candidato ao posto, seja como o Afonso de ‘Além do Tempo’ ou no seu próprio papel. Na novela das 18h, o ator, de 28 anos, é apaixonado por Anita (Letícia Persiles), já na vida real quem faz seu coração bater mais forte é Julia Konrad , a Ciça de ‘Malhação: Seu Lugar no Mundo’.

Caio Paduan é do tipo que enfrenta horas na estrada para levar flores à namorada, no caso, a atriz Julia Konrad, a Ciça de 'Malhação'
Divulgação
Caio Paduan é do tipo que enfrenta horas na estrada para levar flores à namorada, no caso, a atriz Julia Konrad, a Ciça de 'Malhação'


Em comum, as duas têm aos seus pés o homem idealizado por muitas mulheres. “As boas línguas dizem que sou fofo como o Afonso (risos). Tenho bastante coisa parecida com ele. Tive una educação rigorosa, em colégio de freiras, além de ter duas irmãs. Respeito muito as mulheres. Sou fofo, sim”, diverte-se.

A sorte de Caio é que ele tem seu amor correspondido, ao contrário de Afonso. “Ele sofre, mas tem aquele amor que quer vê-la feliz de qualquer forma, mesmo que seja com outro. O que o Afonso sente pela Anita vai muito além da paixão. Se pudesse, o Afonso daria a vida por ela”, aposta. Não por acaso, o queridinho de ‘Além do Tempo’, apelidado nas redes sociais de ‘Afofonso’, vai sair no tapa com Roberto ( Rômulo Estrela ) no capítulo de sábado. “Ser rejeitado e ainda saber que a Anita se entregou a um cara que não vale nada, deixou o Afonso mais triste ainda. E ele resolve partir com tudo para cima do Roberto para exigir que ele repare o que fez e se case com a Anita”, adianta o ator.

Só que como o Dom Juan do século 19 foge da responsabilidade, Afonso vai pedir Anita em casamento e ainda deixará claro que quer assumir a paternidade do filho dela. E para quem pensa que isso é coisa de novela, Caio prova que não. “Tenho um amigo que já fez isso, eu também faria se eu amasse da mesma forma que o Afonso ama a Anita. E eu acredito que amo a Julia dessa forma”, revela.

E não é que Caio parece ser especialista nesse tal de amor incondicional? “Hoje, com quase 30 anos, se a mulher que eu amo escolhesse ser feliz com outra pessoa, eu abdicaria desse amor. Tentar prender só faz mal a si mesmo. Às vezes, você está sozinho, se rasgando, e a pessoa não está nem sabendo, está em Cancun feliz da vida com outra pessoa. Não vale a pena”, constata.

Mas vale a pena investir na relação para não deixar o amor morrer. “Sou bem romântico. Já voltei de Vassouras (interior do Rio) depois de um dia inteiro de gravação só para entregar uma flor para a Julia. Essas coisas mantêm o amor vivo. Desde pequeno, via o meu pai ( Paulo ) fazer isso com a minha mãe ( Ivana ). Tenho uma escola em casa”, conta.

Formar uma família como a de seus pais faz parte dos planos de Caio, que namora há quase um ano. “É muito fácil encontrar paixões, mas um amor que também é sua amiga é raro. Já que eu encontrei, penso em casar, sim! Quero ter filhos, sou apaixonado por criança. Se tiver dinheiro, quero ter uns três meus e adotar um. Mas a gente fala em se estabelecer na carreira primeiro, conseguir manter uma continuidade de trabalhos, para depois pensar em casamento”, afirma.

Caio Paduan com a namorada
Reprodução
Caio Paduan com a namorada


Nem o ciúme abala a sintonia de Caio e Julia. “A gente é bastante frio em relação a isso. Ciúme zero. Assisto, gosto e comento as cenas de romance da Julia (ela faz par romântico com Lucas Lucco em ‘Malhação’). Ela torce pelo casal ‘Afonita’ e eu torço pela Ciça e pelo Uodson. A mulher que eu amo está fazendo sucesso, é isso que importa. Namoro sem parceria é raso. A profissão já é tão difícil, ciúme só iria atrapalhar”, diz. 


Amor pelas mulheres

Até quando estava solteiro, Caio Paduan não era muito diferente do que é hoje. “Sempre namorei, só tive uns dois anos solteiro que foram bons para me conhecer, sair bastante com os amigos. Só que era esquisito, superficial, as pessoas não se conhecem direito. Mas mesmo solteiro, respeitava as meninas. A gente vive em uma sociedade muito machista. Se o homem não respeitar a mulher, quem vai respeitar? Nunca esqueço que tenho duas irmãs (Sabrina, de 25, e Jade, 19) em casa. Amo as mulheres, não só por ser hétero, mas porque elas têm um outro ponto de vista, uma forma diferente de ver o mundo. Em especial, amo a minha mãe. É minha mãe na Terra e Deus no céu”.



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.