Tamanho do texto

Laíla, diretor da atual campeã, promete fim do luxo e carnaval "à moda antiga" na escola de Nilópolis no próximo ano

A Beija-Flor de Nilópolis, atual campeã do carnaval, decidiu voltar ao passado. A um passado, inclusive, anterior ao da própria Beija-Flor, que nos fim dos anos 70, sob o comando de Joãosinho Trinta, revolucionou os desfiles das escolas de samba com ousadia e muito luxo, fazendo da agremiação de Nilópolis uma gigante da folia. E tornando célebre a frase "pobre gosta de luxo. Quem gosta de pobreza é intelectual".

Beija-flor é a atual campeã do carnaval carioca
Tata Barreto/ Riotur
Beija-flor é a atual campeã do carnaval carioca


Capitaneada por Laíla, diretor de carnaval que nos anos 70 ajudou Joãosinho a promover a revolução estética da folia, a atual campeã decidiu ousar novamente, mandando para escanteio outra frase famosa - "em time que está ganhando não se mexe" - e promover um resgate da cultura popular em seu sentido mais amplo.

Duramente criticado pelo enredo desenvolvido este ano, "Um Griô Conta a História: Um Olhar sobre a África e o Despontar da Guiné Equatorial", apesar de vitorioso, e também pelo do ano passado "Boni, o Astro Iluminado da Comunicação Brasileira", Laíla decidiu mudar. E não apenas em relação à temática, mas também na concepção do Carnaval. Na noite de segunda-feira (8), a escola anunciou que contará a história do Marquês de Sapucaí em 2016.

Ronaldo já foi destaque do enredo da Gaviões da Fiel no carnaval de São Paulo
AgNews
Ronaldo já foi destaque do enredo da Gaviões da Fiel no carnaval de São Paulo

"Faremos um Carnaval sem dinheiro de ninguém. Só com o que a Liesa dá a cada escola. Nem o Anízio (Abrahão David, patrono da escola) colocará um centavo. Chega. Cansei de tomar porrada também. Recusei R$ 11 milhões da Nike para fazer um enredo sobre Ronaldo Fenômeno. Nem pelo c... que eu vou fazer isso. Quero acabar com essa situação de ficar apanhando. Vamos resgatar a essência do Carnaval, aquilo que aprendi no Salgueiro nos anos 50, 60 e 70, com Fernando Pinto, Arlindo Rodrigues, Fernando Pamplona, Rosa Magalhães, e até mesmo com o Joãosinho", revelou Laíla com exclusividade ao Dia. 

O diretor de Carnaval da Beija-Flor avisou que as fantasias serão menores, menos luxuosas, mais baratas e confortáveis. E que o gigantismo dos carros alegóricos chegou ao fim. A escola de Nilópolis quer valorizar o que tem de melhor: sua comunidade.

"Nossa comunidade come asfalto durante os ensaios. Mas não dá para cobrar do componente que ele coma asfalto no desfile com uma fantasia de 8kg nas costas. E mesmo assim ele come. Vamos vir de roupas leves, sem resplendor, para o nilopolitano flutuar na Avenida. Para a fazer o que a gente mais gosta, que é brincar Carnaval, curtir o Carnaval", disse Laíla.

A mudança de rumos, segundo o carnavalesco, juntou o útil ao necessário. Ao voltar das férias após o título deste ano, Laíla se espantou com as contas a pagar. Segundo ele, a Beija-Flor gastou R$ 14 milhões no último desfile.

"É um valor insustentável. Se este ano foram 14 milhões, se continuarmos no mesmo caminho, quanto será em 2016? E quando não tiver mais dinheiro, como faremos Carnaval? Chega. Se a gente já estudava uma mudança, a realidade financeira do Carnaval me ajudou a definir pela mudança. E quero esta mudança também no samba, sem ferir a métrica, a harmonia, trazendo para o mundo de hoje o verdadeiro Carnaval", completou Laíla.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.