Tamanho do texto

Apresentadora do “Encontro” faz programa especial para o “Criança Esperança” e diz estar em uma fase muito feliz com sua atração diária


Fátima Bernardes mudou a rotina neste sábado (31) e apresentou o programa “Encontro” ao vivo. A atração, que vai ao ar de segunda à sexta, ganhou uma edição especial para o dia em que a Globo vai apresentar o “Criança Esperança”. O programa contou com uma homenagem especial a Renato Aragão , tradicional mestre de cerimônias do evento. “Ela não imagina o quanto tive que me controlar. Sempre é uma emoção muito grande quando volto para minha terra”, afirmou Renato sobre a viagem que ele e Fátima fizeram para o Ceará.

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba notícias dos famosos

Renato ainda falou sobre a mudança do evento, que este ano, será bem menos lúdica, e muito mais musical. “É uma transformação para ter mais agito mesmo. Antes era mais teatro, mais circo. Acho que essa mudança torna as coisas mais práticas. O povo gosta de ouvir música”, comentou ele, que fará uma participação especial surpresa durante o evento, que será apresentado ainda esta noite.

Fátima Bernardes
AgNews
Fátima Bernardes

Além da falar do “Criança esperança”, a que Renato se refere de “doce maratona”, o ator também elogiou Fátima, falando sobre sua saída da bancada para um programa de entretenimento. “Ela fez uma inversão de formatos. Hoje, ver ela dançando ali, é muito diferente. Ela tirou de letra”, comentou Renato, a que Fátima logo explicou: “Tirei de letra porque estou feliz”, declarou a apresentadora sobre sua nova fase na TV.

Ela ainda garantiu que não sente saudade dos tempos de bancada. “Eu amadureci por quase cinco anos a minha ida para o ‘Encontro’. Foi uma mudança pensada, madura, tranquilo. Falta de ficar na bancada, eu não sinto mais”, afirmou. Fátima falou também sobre o frio na barriga que ainda sente ao apresentar algum programa ao vivo. “Sempre dá, mas esse frio precisa ser prazeroso, tem que te alimentar, e não te destruir. Essa energia precisa te mover, não pode ser um sofrimento”.