Tamanho do texto

A apresentadora desmistifica a fama de garota natureba, conta que filmou a alegria dos filhos quando eles experimentaram refrigerante pela primeira vez e fala de seu projeto social

Fernanda Lima: 'A maioria das vezes a gente fica voltado para o próprio umbigo, para a própria família'
AgNews
Fernanda Lima: 'A maioria das vezes a gente fica voltado para o próprio umbigo, para a própria família'

Durante a coletiva do "Criança Esperança", que aconteceu no Projac nesta segunda-feira (19), Fernanda Lima conversou com a imprensa sobre o projeto social que adotou para satisfazer suas próprias necessidades espirituais. A apresentadora, que deve comandar o show musical que encerra o sábado (31) do "Criança Esperança" ao lado de Lázaro Ramos e Patrícia Poeta, decidiu botar a mão na massa e uma vez por semana dá aulas de ioga na favela Cidade de Deus.

Nesta entrevista, ela conta como é difícil uma mulher famosa encarar esse desafio, mas diz que também tem algo em comum com a comunidade carente. Fernanda ainda fala sobre os filhos, a ideia de adotar outra criança e sobre a fama de natureba, a qual, ela garante, não faz sentido algum. Veja algumas de suas declarações: 

IOGA NA FAVELA - "O que eu posso fazer pelo outro?"

"A maioria das vezes a gente fica voltado para o próprio umbigo, para a própria família. Já temos tanta coisa para resolver que é difícil olhar para o lado e ver "o que posso fazer pelo outro?". Eu sempre quis de fato fazer alguma coisa e, finalmente esse ano, essa oportunidade apareceu. Estou dando uma aulas de ioga uma vez por semana na Cidade de Deus para meninos que são de um grupo chamado Os Arteiros. Entrei nessa história por um amigo que mora lá há uns dois meses"

Fernanda Lima dá aula de ioga para crianças da Cidade de Deus
AgNews
Fernanda Lima dá aula de ioga para crianças da Cidade de Deus

ENCONTRO DIFÍCIL - "Chega a menina famosa, da televisao, loirinha, carrão..."

"Meus filhos ainda não foram, mas conhecem, eu mostro foto. Eu só ainda não os levei porque eu quero primeiro deixar mais sólida a minha história com essas crianças. Eu quero levar pessoas, amigos de São Paulo, professores. Tem sido muito interessante primeiro por nosso encontro em si, que não deixa de ser difícil. Chega a menina famosa, da televisao, loirinha, carrão... tem sido muito interessante para mim e para eles também. Cada dia é um passinho novo"

ALGO EM COMUM - "Também tive muitas dificuldades, inseguranças..."

"Por mais que eu não tenha sido essa criança cheia de traumas como muitos lá são, eu também tive muitas dificuldades, inseguranças e tive que dar um passo enorme para sair de casa sem o dinheiro do meu pai"

IOGA - "Transformou minha vida"

"Transformou minha vida: faço há uns 12, 13 anos. Mais do que a prática, acho que os hábitos que acompanham isso é que são importantes. Eu aprendi a fazer uma coisa com os meninos (os filhos João e Francisco), por exemplo, que me ajudou muito. Quando a gente briga, ou quando eles estão muito ansiosos, eu pego pelo braço e falo para eles respirarem cinco vezes. Eles começam bravos, querendo me matar, mas na quinta respirada, quando eu largo o bracinho, já é outra criança"

COLOCA DE CASTIGO - "Às vezes eles perdem o limite"

"Às vezes coloco, sim. A respiração é a primeira medida, mas quando não funciona, eu chamo num canto e coloco. Eles perdem o limite e acabam pedindo o castigo"

Fernanda Lima e Rodrigo Hilbert com os gêmeos Joaquim e Francisco
AgNews
Fernanda Lima e Rodrigo Hilbert com os gêmeos Joaquim e Francisco

ALIMENTAÇÃO DOS FILHOS - "Dei refrigerante e pensei: 'O Rodrigo vai me matar'"

"Lá em casa é assim: comeu bem no almoço e no jantar, tem direito a uma besteira. O que adianta proibir, né? Outro dia eles me pediram para experimentar refrigerante. Lá em casa não tomamos, mas eu tinha feito uma reunião com amigos e eles viram que tinha na geladeira. Daí nós jantamos e eu fiz um ritual: coloquei os copinhos na mesa e eles olhando cheios de curiosidade. Experimentaram e adoraram, eu até filmei! Na hora, eu pensei 'o Rodrigo vai me matar'. Até hoje, quando eles pedem, ele diz: 'culpa da mamãe" [risos]'. Não adianta falar que não, né? Na primeira festa de criança eles vão tomar mesmo, então já dei [risos]"

NATUREBA? - "Eu tenho o meu lado junk"

"Não sei de onde tiraram que eu sou uma pessoa natureba! Eu também tenho o meu lado junk, louca por chocolate. Eu fiquei um tempo sem comer carne, mas quando eu engravidei eu fiquei morrendo de vontade. Eu sou gaúcha, né, nasci comendo carne. A comida salgada, de casa, de panela, eu nem penso em não comer. Esses não são os vilões para mim. Eu sou muito esfomeada, adoro comer, e acho tudo fundamental. O resto eu seguro a onda, mas não sou radical. Esses prazeres a gente só tem que controlar, não abrir mão"

SOBRE AUMENTAR A FAMÍLIA - "Teria que parar e não sei se estou nesse momento"

"Acho que a vida é um sopro e a gente precisa preencher com tudo que a gente puder de amor, alegria. Quem tem filho sabe que a criança ocupa esse lugar. Mas tenho um pouco de dificuldade de materializar isso porque precisaria parar um ano e meio, dois anos, e não sei se estou exatamente no momento em que eu deveria parar. São questões de mulher, todas têm esse dilema"

ADOÇÃO - "Simpatizo com a ideia, sim. O Rodrigo também"

"Eu simpatizo com a ideia, sim. O rodrigo também. A gente nunca parou para conversar seriamente sobre isso, mas quem sabe? Eu não descarto"