Tamanho do texto

Cantor diz que o show desta quarta (30) será melhor e que sabe da responsabilidade que assumiu ao cantar com o Legião

Wagner Moura canta Legião com Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá
Orlando Oliveira/ AgNews
Wagner Moura canta Legião com Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá

Após o primeiro show em tributo à Legião Urbana nessa terça-feira (29) no Espaço das Américas, em São Paulo, Wagner Moura conversou com a imprensa por alguns minutos. O ator não escondeu a emoção de subir no palco ao lado de  Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá , e cantar músicas de uma banda que, segundo ele, mudou sua vida. "Na minha vida o Legião foi muito importante".

Leia também: Wagner Moura desafina ao cantar Legião, mas carisma garante aplausos

Wagner Moura com Marcelo Bonfá e Dado Villa-Lobos
Orlando Oliveira/ AgNews
Wagner Moura com Marcelo Bonfá e Dado Villa-Lobos
Wagner só recebia elogios de Dado e Bonfá. Os músicos diziam que o ator deu um gás para que eles voltassem a tocar e que teve muita coragem de assumir, nem que por algumas horas, o posto que um dia foi de Renato Russo . "Estar nesse palco cantando o nosso repertório da forma que ele fez, é algo que o cara tem que ser muito macho e ter muita coragem", dizia Bonfá, enquanto Wagner era abraçado por Dado. O clima era de amizade e entrosamento.

"Foi contagiante. A gente voltou a ter a sensação que a gente tinha há alguns anos atrás. Muita história passou por aquele palco, reviver 30 anos do jeito que foi, foi sensacional", disse Dado. "Melhor ainda estar acompanhado pelo nosso Wagner. Isso deu um gás, não é qualquer um que segura essa onda".

Wagner nesse momento sorria e parecia não acreditar. Confira o bate-papo do ator com a imprensa:

Como se sente sendo elogiado por eles?
Wagner Moura:
Eu vou ficar um bom tempo sem dormir. Eles são os meus heróis, os meus ídolos, foi o dia mais emocionante da minha vida mesmo. A melhor hora foi quando eu joguei (protetor auricular) eu pude sentir o público, e o que esses caras tem e esse amor todo do que essa banda suscita nos jovens, em vocês. Na minha geração foi uma coisa muito importante, na minha vida o Legião foi muito importante.

Valeu a pena?
Wagner Moura:
Quando eu estava entrando, eu falei: aconteça o que acontecer já valeu pra caralho. Valeu a pena demais, eu acho que é por isso que eu sou artista sabe? Para ter essas coisas, que me levem para um outro lugar, que não é o evidente, é o que me modifique, que me mova e me emocione.

É o mesmo do que entrar no palco de um teatro?
Wagner Moura:
É diferente, é uma coisa que eu nunca tinha feito, um espetáculo como esse para tanta gente e para esse público, que é um público devoto. Tenho uma responsabilidade com essa obra, dessa banda, mas mais do que responsabilidade, tinha um prazer, um tesão e estar com esses caras aqui.

E o show de amanhã?
Wagner Moura:
Amanhã acho que vai ser melhor, eu particularmente com essa coisa técnica, com a música e tal que é tudo novo pra mim. Acho que o começo do show eu fiquei meio assim... Mas fui fã o tempo inteiro.

Por que não tocaram "Faroeste Caboclo"?
Wagner Moura:
Não sei... pergunta pra esses caras aqui.

Wagner Moura no palco do Espaço das Américas
Orlando Oliveira/AgNews
Wagner Moura no palco do Espaço das Américas