Tamanho do texto

Estrela do musical “Cabaret”, em cartaz no Rio ao lado de sua namorada Cláudia Raia, fala ao iG sobre carreira e romantismo

Ator, dançarino, mais de 20 anos de carreira, papéis de destaque em musicais como “Lés Misérables” e “O Fantasma da Ópera” , indicação ao Prêmio Shell de melhor ator pelo espetáculo “Cabaret”. Com todo esse currículo de inegável qualidade, Jarbas Homem de Mello caminhava em sua carreira em rumo certo e constante para se tornar um ator famoso apenas por seu trabalho - mas uma verdadeira avalanche acabou abreviando esse momento. No carnaval de 2012 ele passou a ser conhecido do grande público como o novo namorado da atriz Claudia Raia , uma das maiores estrelas do teatro e TV brasileiros.

Jarbas Homem de Mello
Selmy Yassuda
Jarbas Homem de Mello


“Isso não me incomoda não, até porque eu sou o namorado dela”, diverte-se Jarbas. “No começo, me senti um pouco desconfortável porque tinha dias que estávamos jantando e saía um paparazzo atrás da árvore para tirar fotos nossas. Esse é um tipo de informação que, me desculpe , acho imbecil”, afirma ele.

Jarbas diz que aprendeu a lidar com essa nova faceta da sua vida e aproveita o momento positivo no amor e na carreira para se arriscar em novos desafios, como no cinema ou na televisão. “Essa coisa de a novela ser uma obra aberta me assusta um pouco porque é algo que não domino. Eu acabei de fazer o meu primeiro filme e adorei. Agora entendo por que os atores têm essa paixão toda pelo cinema . Há um cuidado especial, sua atuação fica eternizada”, disse.

Em entrevista ao iG Gente , no parque Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio de Janeiro, Jarbas Homem de Mello, que está com 42 anos e é gaúcho de Novo Hamburgo, falou sobre carreira, projetos e o namoro com Claudia Raia, que fez questão de buscá-lo no final do bate-papo, para irem juntos ao teatro onde estão em cartaz. “É difícil se relacionar com uma parceira de trabalho porque a gente acaba ficando 24 horas com a pessoa e se cria uma rotina. Mas comigo e com a Cláudia é fácil. Temos o humor muito parecido”.

iG: Quando surgiu a vontade de ser ator?
Jarb as Homem de Mello : Comecei a estudar teatro na escola, mas aos 16 anos entrei para um grupo amador. Frequentei aulas de dança e canto e, em 1994, fui morar em São Paulo, onde fiz muitos musicais infantis. Nessa época, ainda não existia espetáculos do tipo para o público adulto. Até que em 1999 fui selecionado para participar da montagem de “Rent”, um dos primeiros dessa safra internacional de musicais.

iG: Você também é considerado um bom bailarino. Ainda existe preconceito com o homem que dança?
Jarbas Homem de Mello:
É uma pena que as pessoas ainda sejam reféns do que os outros pensam. Mas sempre achei que deixar de fazer as coisas que gosto e que me movem por medo do julgamento das outras pessoas seria uma atitude covarde e burra. Na verdade, comecei a levar sério a dança um pouco mais tarde do que gostaria. Mas sempre dancei. Era o pé de valsa da família, que tinha que dançar com todas as tias.

iG: Durante sua trajetória na carreira de ator sofreu algum tipo de dificuldade?
Jarbas Homem de Mello:
Minha formação técnica é de sapateiro (risos). Cursei a escola técnica de calçados de Novo Hamburgo , mas sempre fiz teatro paralelamente. Costumo falar que a decisão mais difícil da minha vida foi escolher que queria viver da arte para arte. Larguei uma estabilidade. Tinha um ótimo emprego, apartamento e carro. Larguei tudo para viver esse mundo. Em 1992 pedi demissão e virei produtor. Trazia grandes espetáculos de São Paulo para o Sul. Mas, em 1994, quando fui chamado para um teste, não olhei para trás. Arrumei minhas malas e fui morar em São Paulo.

iG: Tem algum arrependimento?
Jarbas Homem de Mello:
Não. Nunca passou pela minha cabeça voltar para minha antiga vida. Mas, por um tempo, tive que me acostumar a largar o conforto. Aprendi a viver sem carro, o dinheiro que economizei ia diminuindo. Mas não me arrependo.

iG: Você foi indicado ao Prêmio Shell de Teatro de São Paulo pelo seu personagem em “Cabaret”. O que esse papel representa na sua carreira e vida?
Jarbas Homem de Mello
: Até o momento é o personagem mais importante da minha estrada. Ele representa o auge – espero que não da minha carreira-, mas é o topo do que consegui realizar até agora. Esse foi o personagem que mais entrei de cabeça. Me preparei por nove meses e até pedi ajuda para criá-lo na minha terapia (risos).

Sempre achei que deixar de fazer as coisas que gosto e que me movem por medo do julgamento das outras pessoas seria uma atitude covarde e burra.”

iG: Como é contracenar com a sua namorada?
Jarbas Homem de Mello:
Ótimo. Lá dentro somos outras pessoas. Conseguimos separar bem. Claro, que nas coxias, temos um carinho especial porque estamos juntos, mas no trabalho não interfere em nada.

iG: Já tinha se relacionado com quem estava trabalhando?
Jarbas Homem de Mello:
Já. É difícil porque você acaba ficando 24 horas com a pessoa e se cria uma rotina. Mas comigo e com a Claudia é fácil porque temos o humor muito parecido. A gente até conversa de trabalho, mas de uma forma bem-humorada.


Jarbas Homem de Mello
Selmy Yassuda
Jarbas Homem de Mello

iG: Sonha em casar e ter filhos?
Jarbas Homem de Mello:
Ainda está muito cedo para isso (risos), estamos juntos há pouco tempo.

iG: Mas você tem vontade de ser pai?
Jarbas Homem de Mello:
Tenho. Não tive ainda porque a minha profissão é muito instável. Apesar de ter uma carreira consolidada, não sei qual é o momento certo, como vou educar uma criança ou garantir um bom colégio. Mas isso é uma questão de maturidade. Acho que cheguei num ponto que vi que dá para ter um filho. Comecei a entender que a vida é um pouco mais simples do que os meus medos. 

iG: Você é romântico?
Jarbas Homem de Mello:
Ela é mais do que eu. Mas estou aprendendo muitas coisas com ela. Nós temos momentos muitos bons sozinhos.

iG: É verdade que a família da Claudia não aprova o relacionamento de vocês?
Jarbas Homem de Mello:
Claro que não é verdade. Me dou bem com todo mundo. Não sei por que falaram isso. A gente achou esses boatos muito chatos. Eu conheço a família da Cláudia muito antes de começarmos a namorar. Nós já éramos amigos. Tem umas coisas que surgem e falam que não entendemos da onde tiram. É muito louco.

Leia também: "Todo mundo tem o direito de namorar", diz filho de Claudia Raia sobre namoro da mãe

iG: Mesmo tendo uma carreira de mais de 20 anos, o namoro com Claudia Raia te coloca como alvo de um novo tipo de fama: o das celebridades. Isso te assustou?
Jarbas Homem de Mello:
No começo, um pouco. Me senti incomodado porque tinha dias que estávamos jantando e saía um cara atrás da árvore para tirar fotos nossas. É um tipo de informação que – me desculpe-, acho imbecil. E quem consome também. O que interessa eu jantando? Se fosse alguém me perguntando alguma informação cultural, tudo bem. Estou um pouco mais acostumado e brincando um pouco com isso. Até mando tchauzinho para o fotógrafo (risos). Não vou deixar de fazer nada. Mas é esquisito.

A Claudia é mais romântica do que eu. Mas estou aprendendo muitas coisas com ela.”

iG: Ficou chateado por ser tachado de “namorado de Claudia Raia”?
Jarbas Homem de Mello:
Isso não me incomoda não, até porque eu sou. (risos). Mas é claro que gostaria que as pessoas que me veem apenas jantando no Leblon fossem conferir o meu trabalho e vissem como eu o levo a sério. Agora, talvez eu tenha ficado conhecido pelo grande público, mas não é ele que vai me ver no teatro. Não é o público que consome esse tipo de informação, que me interessa.

iG: Alguns veículos publicaram notas dizendo que a Claudia estaria pedindo papel para você em uma novela para alguns diretores amigos...
Jarbas Homem de Mello:
Na verdade, os diretores foram vê-la no “Cabaret” porque são amigos dela. É normal que um diretor que veja um espetáculo e goste acabe pinçando algumas pessoas do elenco. Não sei por que saiu isso na imprensa.

iG: Além de ator, você já assumiu a direção de algumas peças. Você tem vontade de dirigir a Claudia?
Jarbas Homem de Mello:
Tenho. A gente já conversou sobre isso. Ela me perguntou um dia se eu a dirigiria e respondi: “Claro!”. Essa relação diretor-ator funcionaria bem com a gente. O diretor consegue captar e tirar muito mais do ator quando o conhece bem e sabe aonde pode chegar. Nós sabemos todas as nuances das emoções um do outro. Nos conhecemos muito. Nossa vontade de trabalhar juntos independe da nossa relação afetiva.

iG: Quais são os próximos projetos?
Jarbas Homem de Mello:
Além do filme e do “Cabaret”, que deve ficar em cartaz até 2013, vou dirigir um espetáculo infantil em São Paulo, “O Chapeleiro Maluco”. Espero que daqui a 10 anos, eu olhe para trás e veja que estou tão feliz como estou agora. É muito bom envelhecer e ter 40 anos. Sempre ouvi que a vida começa aos 40. Se ela não começa, com certeza, ela dá uma virada. Tanto profissionalmente, como emocionalmente.