Tamanho do texto

O polêmico apresentador abre seu camarim para falar sobre sua nova atração, a concorrência e seu estafante volume de trabalho

O primeiro trabalho de Datena foi como repórter e locutor de uma rádio de Ribeirão Preto, sua cidade natal
André Giorgi
O primeiro trabalho de Datena foi como repórter e locutor de uma rádio de Ribeirão Preto, sua cidade natal
  Às 10h, José Luiz Datena já está ao vivo na Rádio Bandeirantes. E seu expediente ainda vai longe à frente do policial “Brasil Urgente” e do novo game show “Quem fica em pé?”. Para mensurar sua estafa, o apresentador compara suas atrações da Band com os dominicais de Gugu e Faustão : "Passar por um momento de exaustão no domingo é melhor do que passar por momentos de exaustão a semana inteira. É um pelotão de fuzilamento”.

Siga o iG Gente no Twitter e receba as notícias das celebridades em tempo real

Com os bons índices que garante no Ibope, Datena diz que muitas vezes se sente "uma cobaia". Mas, nem por isso, desiste de seus sonhos: no momento, um programa de auditório na emissora. O comunicador já navegou por esses mares. “Minhas primeiras matérias na Globo eram de comportamento e humor”, relembra o paulista, que dá show de leveza no palco do programa comprado da Universal Studios pelo canal de João Saad .

VEJA TAMBÉM: Filha de Datena faz ensaio sexy para revista

Boa parte da minha carreira na Globo e na Band foi fazendo matérias de comportamento, de brincadeiras e humor

E é essa faceta que ele escancarou em conversa exclusiva com iG Gente . A bordo de um chapéu típico de Don Corleone , ostentando também relógio e correntes de ouro, em um ambiente cheio de livros sobre grandes líderes mundiais, Datena “se pôs na tela”, solto e descontraído, sempre sem medir suas palavras.

Acompanhado do diretor do programa, o argentino Pablo Mazover , ele tira sarro quando perguntado se opina no roteiro ou dá sugestões: “Eu dou palpites, mas ele não aceita. O cara é argentino. Brasileiro e argentino nunca dá certo dar palpite. Isso aqui virou uma república da Argentina, temos que obedecer os caras”. A seguir, o bate-papo com o jornalista:

iG: Como o projeto do "Quem fica de pé?" chegou nas suas mãos?
Datena:
O Diego ( Guebel , CEO da Eyeworks) me propôs e eu aceitei. Mas, assim como ele, também não tinha muita confiança no projeto. E deu certo.

iG: A que você atribui o sucesso do game show?
Datena:
Os índices de audiência estão muito bons. A média supera qualquer expectativa que a gente tinha porque ele enfrenta novela, então é difícil. É como área de goleiro, não nasce grama ali. Chegamos a passar com 9 pontos, 8,5, é surpreendente.

Ainda em Ribeirão Preto, Datena fez uma matéria sobre o lixão da cidade, que lhe rendeu o primeiro de dois prêmios Vladimir Herzog
André Giorgi
Ainda em Ribeirão Preto, Datena fez uma matéria sobre o lixão da cidade, que lhe rendeu o primeiro de dois prêmios Vladimir Herzog

Quero um dia fazer um programa de auditório e deixar o ‘Brasil Urgente’, esse é o meu objetivo

iG: Isso não era esperado?
Datena:
Ninguém aqui dentro tinha a perspectiva de que seria esse sucesso. O Diego tinha perspectiva de que fosse dar certo, mas não do jeito que deu.

iG: Você tem fama de durão e implacável e de repente nos deparamos com uma Datena solto e descontraído. Como chegou nesse tom?
Datena
: Boa parte da minha carreira na Globo e na Band foi fazendo matérias de comportamento, de brincadeiras e humor. Faz tempo, então as pessoas não lembram e também por causa do “Brasil Urgente”, que é um programa que se sobrepõe à carreira que eu tive. Deixa eu te mostrar uns vídeos no ‘youtchube’.

iG: Como você consegue mudar a freqüência mental e transitar por mundos tão opostos: hard news e entretenimento?
Datena:
A minha ideia não é transitar nesses dois mundos e sim ficar num mundo só. Quero um dia fazer um programa de auditório e deixar o ‘Brasil Urgente’, esse é o meu objetivo. Só não me deixam abandonar o ‘Brasil Urgente’ porque dá audiência para caramba, audiência noturna. Agora, alavancar a audiência mais noturna torra a paciência, ninguém aguenta.

 Em 2003, estreou o 'Brasil Urgente', Band, o programa de maior audiência da casa
André Giorgi
Em 2003, estreou o 'Brasil Urgente', Band, o programa de maior audiência da casa

No ‘Quem fica em pé?’ eu tenho que fazer um personagem e no ‘Brasil Urgente’ é quem eu sou de verdade: um cara bravão e sério

iG: Você está muito cansado?
Datena:
Veja bem, os caras fazem um programa de quatro horas no sábado ou no domingo e reclamam: ‘Que saco, o programa é muito grande’. Acabei de gravar três programas, são quatro horas, quando não faço a rádio de manhã. E depois com ‘Brasil Urgente’ são mais duas horas e meia. São sete horas pelo menos três vezes por semana, sem parar! É impossível, uma hora vai ter que parar uma coisa ou outra. Senão quem não vai ficar em pé sou eu! Quem vai para o buraco sou eu! A minha vontade é fazer outra vertente como um programa de auditório.

iG: Como se enxerga nos dois programas?
Datena:
No ‘Quem fica em pé?’ eu tenho que fazer um personagem e no ‘Brasil Urgente’ é quem eu sou de verdade: um cara bravão e sério. Mas também sou engraçado, na vida particular tenho os meus momentos de humor. Nem tanto ultimamente: depois de operação nas cordas vocais e um problema sério de saúde, fica complicado ficar rindo. Mesmo porque eu não sou uma hiena.

Leia também: Apenas quatro dias após cirurgia, Datena volta ao "Brasil Urgente"

iG: E internamente, quais as diferenças mais gritantes entre os dois?
Datena:
Em um eu me divirto muito e no outro eu sofro muito.

iG: Como preparou este personagem do game show?
Datena:
Eu não me preparei, eu sou assim e me divirto com esse programa! No outro também, não tenho tanta responsabilidade de tentar passar notícias pesadas, são a realidade. E primeiro que no game show não tem aferição de Ibope.

Datena é casado com Matilde há 35 anos, de quem ficou separado em 1986 e 1987; o casal tem três filhos: Joel, Vicente e Junior
André Giorgi
Datena é casado com Matilde há 35 anos, de quem ficou separado em 1986 e 1987; o casal tem três filhos: Joel, Vicente e Junior

Eu tenho pena do Gugu, do Faustão, que apresentam programa no domingo e têm que dar audiência. Aí é complicado, é exaustivo

iG: Você acompanha a audiência?
Datena:
Assistimos ao programa e ficamos vendo o Ibope que está dando. Até falei para o Pablo parar de fazer isso, senão enche o saco. O Ibope é muito legal quando dá números positivos e desperta a atenção, mas tem um lado que estressa demais. Fazer um programa gravado é muito mais tranquilo. Eu tenho pena do Gugu, do Faustão, que apresentam programa no domingo e têm que dar audiência. Aí é complicado, é exaustivo.

iG: Mas é justamente isso que você quer fazer, não?
Datena:
Sim, é a minha ideia. Mas passar por um momento de exaustão no domingo é melhor do que passar por momentos de exaustão a semana inteira. É um pelotão de fuzilamento a semana inteira, é muito coisa, é sobrecarga. Eu acho que os caras estão me usando como cobaia pra ver se dá certo fazer alguma coisa mais pra frente.

iG: Chegou-se a comentar que você estava sendo ameaçado de seqüestro. Como você lida com isso?
Datena:
Eu não lido! Se um cara quiser te matar, ele te mata, é difícil o cara não te matar. Por isso eu não lido. A última vez que a policia me avisou, eu não fiz nada, a polícia que tomou providências. A polícia me ligou dizendo que os caras iriam me sequestrar no quilômetro tal, no horário tal, que batia totalmente com os meus horários e informando os carros que os ladrões tinham roubado no Pará e tal. Sinceramente, aprendi a conviver com isso depois de tantas ameaças. Mas cão que ladra não morde: eu não tenho medo de ameaça e sim de quem não ameaça.

Datena e o diretor do game show
André Giorgi
Datena e o diretor do game show "Quem fica em pé?", o argentino Pablo Mazover

Das atitudes que eu já tomei, não me arrependo de nenhuma. Posso ter tomado algumas erradas, mas não sou covarde

iG: Como você é em casa, nas suas horas vagas?
Datena:
O Datena de casa eu deixo em casa! Sou um cara normal como todo mundo: escovo os dentes, vou ao banheiro, etc. Mas em casa eu gosto de ler, leio muito, e não vejo televisão aberta. Só documentários e canais fechados.


iG: Fazendo um paralelo com o seu programa de entretenimento, em qual momento da sua vida você caiu no buraco?
Datena
: Não caí em nenhum momento! Jamais, porque eu tenho muita fé em Deus e para mim não existe buraco. Acho que as pessoas que caem precisam levantar-se imediatamente. Eu me levanto com a minha fé e não fico olhando para trás. Das atitudes que já tomei, eu não me arrependo de nenhuma. Posso ter tomado algumas erradas, mas não sou covarde a ponto de ter responsabilidade de covardia sobre a minha consciência. A pior coisa que tem é uma consciência covarde e isso eu não tenho. Se eu fiz errado, me desculpo, sigo em frente e tento recuperar o terreno perdido.

No período em que ficou separado da mulher, Datena morou com a jornalista Mirtes Wiermann, com quem teve dois filhos: Marcelo e Letícia Wiermann
André Giorgi
No período em que ficou separado da mulher, Datena morou com a jornalista Mirtes Wiermann, com quem teve dois filhos: Marcelo e Letícia Wiermann
iG: E o que te faz perder o chão?
Datena:
Nada! Eu vou seguindo a vida e acredito muito em Deus. Eu tenho meus momentos de fraqueza, mas com a minha fé eu supero todos com tranquilidade.

iG: O prêmio do game show é de R$ 100 mil. Você se lembra como foi ganhar seus primeiros 100 mil reais?
Datena:
Não, mas eu lembro que ganhei R$ 100 mil ontem, serve?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.