Pablo, Lombardi, a semana do presidente, pegadinhas e gafes de Silvio Santos marcaram a história da emissora

O aniversário de 30 anos do SBT - comemorado nesta sexta (19) - vem trazendo à tona lembranças marcantes, emocionantes e também engraçadas . Ao longo dessas três décadas , a emissora deixou sua marca, muitas vezes em episódios, pessoas e situações hilárias que são parte do charme da empresa. Relembre alguns deles.

Leia também: As estrelas que o SBT lançou

Sílvio Santos: ele não viu, mas o filme era bom
Divulgação/SBT
Sílvio Santos: ele não viu, mas o filme era bom


Sílvio Santos não viu, mas suas filhas viram
Nos anos 80, era comum Sílvio Santos anunciar algum filme que seria exibido no "Sessão das Dez", aos domingos, às 22h, logo após o "Show de Calouros". Durante seu programa, Sílvio de repente começava a divulgar o filme da semana, tecendo elogios à fita. Depois de recomendar bastante o filme, ele costumava disparar: "Eu não vi o filme, mas minhas filhas viram, minha mulher viu, e é muito bom!"

A Pantera Cor de Rosa: coringa para esperar o fim da novela global
Reprodução
A Pantera Cor de Rosa: coringa para esperar o fim da novela global


Pantera interrompida
Em 1985, Sílvio Santos comprou a minissérie norte-americana "Pássaros Feridos", produzida em 83. A Globo não quis comprar a produção, e Sílvio então decidiu usá-la para concorrer com a própria Globo. A série ia ao ar às 21h, logo após a Globo terminar de exibir a novela "Roque Santeiro", sucesso estupendo da época. Para atrapalhar o SBT, a Globo passou a "esticar" os capítulos de sua novela. Percebendo a tática, o SBT contra atacou, colocando no ar, às 21h, reprises de desenhos da Pantera Cor de Rosa. E deixava a Pantera no ar. No instante em que a Globo enfim encerrava "Roque Santeiro", o SBT interrompia bruscamente a Pantera, e anunciava: "Agora, Pássaros Feridos!". Deu certo - o SBT venceu da Globo, por 47 pontos contra 27, enquanto "Pássaros Feridos" estava no ar.

O inesquecível Pablo, de
YouTube
O inesquecível Pablo, de "Qual é a Música?"


Vírginia e Pablo
A dupla ficou famosa nos anos 80. Eles atuavam no quadro "Qual é a Música?", do "Programa Sílvio Santos". Quando os concorrentes tinham de adivinhar qual era a canção, Sílvio bradava: "Pablo, qual é a música?" - ou Vírgina, no caso de músicas cantadas por mulheres. Os dubladores então surgiam, com maquiagens extravagantes no rosto, dublando a canção misteriosa, olhando para a câmera e fazendo caras e bocas.

Lombardi, a inconfundível voz do SBT
Reprodução
Lombardi, a inconfundível voz do SBT


Lombardi, o homem invisível
"É com você, Lombardi!" Com essa frase, Sílvio chamava seu fiel locutor, que anunciava produtos e falava da programação. Luiz Lombardi Neto era o dono da voz, e nunca mostrava o rosto - ideia do chefe, que queria manter a aura de mistério em torno do locutor. Lombardi morreu em dezembro de 2009, aos 69 anos.

Sílvio Santos desfilando no Carnaval de 2001
Reprodução
Sílvio Santos desfilando no Carnaval de 2001


Globo exibe Sílvio Santos e o elenco do SBT
O fenômeno aconteceu no Carnaval de 2001. A escola de samba carioca Tradição tinha como tema de seu samba enredo "O Homem do Baú", sobre a vida de Sílvio Santos. O próprio apresentador desfilou em um carro alegórico, e não só ele: jurados do "Show de Calouros", Hebe Camargo , Gugu Liberato , Ratinho , entre outros artistas do SBT, despontaram na Sapucaí. A Globo, que exibe os desfiles ao vivo e na íntegra, não teve outra saída a não ser deixar no ar Sílvio Santos e sua turma desfilando na avenida.

Pegadinhas
Inspirado no programa americano "Candid Camera", Sílvio criou as famosas pegadinhas, gravadas na rua e armando arapucas para os transeuntes. O astro do quadro, que ia ao ar durante o "Topa Tudo por Dinheiro", era o ator Ivo Holanda . Com o sucesso, as pegadinhas foram "imitadas" no rival da Globo, "Domingão do Faustão".

O
Reprodução
O "Domingo no Parque", atração clássica dedicada ao público infantil


Troca todos os brinquedos por uma caixa de fósforo?
No "Domingo no Parque", Sílvio torturava a criançada com esse quadro tenso. A criança ficava dentro de um foguete, com um fone de ouvido. Lá fora, Sílvio fazia perguntas como "Troca todos os brinquedos por uma caixa de fósforos?", "Troca um tênis novo por uma lâmpada quebrada?". A criança só podia responder "Sim!" ou "Não!", sem saber qual foi a pergunta, já que não escutava nada, e nem enxergava o que se passava fora do tal foguete.

A Semana do Presidente

Era um programete de cinco minutos que ia ao ar nos intervalos das atrações. Tratava-se de um "jornal oficial" mostrando o que o Presidente do Brasil andava fazendo. O veículo foi criado para agradar aos militares, que haviam presenteado Sílvio com a concessão do SBT.

Troca de horários
Um dos hábitos comuns do SBT era trocar o horário dos programas, ao sabor do que funcionava ou não na audiência. Assim, uma mesma novela podia ser exibida durante oito meses em inúmeros horários diferentes - 19h, 20h, 20h45, 22h... Se não estava fazendo sucesso, trocava de horário. O mesmo valia para séries, desenhos animados, enfim, toda a programação.

Maisa participa do
SBT
Maisa participa do "Programa Sílvio Santos", ao lado do patrão


Maisa chora e puxa a "peruca" do patrão
O sucesso da garotinha Maisa apresentando o "Sábado Animado" levou-a a ter uma participação fixa no "Programa Sílvio Santos", conversando com o próprio. Mas o quadro durou pouco: a justiça determinou que Maisa não poderia continuar fazendo essa "ponta", porque estava sendo submetida a situações que ferem o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): em duas ocasiões, ela caiu no choro, reagindo às provocações de Sílvio e ao aparecimento de um menino fantasiado de monstro. Anteriormente, ela é quem havia provocado Sílvio, ao puxar o cabelo dele e gritar: "É peruca!"

Os episódios envolvendo Maisa aconteceram recentemente, mostrando que o SBT ainda tem muito combustível para gerar histórias peculiares e insólitas. Que venham mais 30 anos.

Maísa e Sílvio trocam confidências
SBT
Maísa e Sílvio trocam confidências

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.