Tem o pai amigão, o pai carrasco, o pai herói: no dia deles, lembre alguns personagens paternos que marcaram a ficção

Márcio (Thiago Fragoso) chora a morte do pai Salomão (Daniel Filho), em
TV Globo
Márcio (Thiago Fragoso) chora a morte do pai Salomão (Daniel Filho), em "O Astro"


A morte de Salomão Hayalla em "O Astro" , no ar na Globo às 23h, colocou pimenta na trama. As  circunstâncias misteriosas de seu assassinato reconduziram o país à clássica discussão sobre "Quem matou?" que monopolizou a audiência em 1978 , na versão original da novela. Além do mistério, a morte do magnata ( Daniel Filho ) trouxe muita tristeza ao seu único filho, Márcio ( Thiago Fragoso ), que em vida tinha uma relação dificílima com o pai. Abalado, ele decide assumir os negócios do pai e vingar o seu nome, repetindo os fatos da primeira versão, quando Salomão ( Dionísio Azevedo ) deixou a incumbência para o filho Márcio ( Tony Ramos ).

A relação de pais e filhos sempre foi assunto das novelas. Assim como na vida, já teve de tudo: pais ausentes, tirânicos, simpáticos, engraçados, joviais, caricatos... Como homenagem para o dia deles, o iG Gente fez uma seleção de pais que, como o seu, são inesquecíveis.

Tânia (Lídia Brondi) e o pai, Sinhozinho Malta (Lima Duarte)
Reprodução
Tânia (Lídia Brondi) e o pai, Sinhozinho Malta (Lima Duarte)
Autoritários

Pais que fazem a linha castradora são sempre ótimo material para a ficção. Um deles foi Sinhozinho Malta ( Lima Duarte ), de "Roque Santeiro" (1985, no ar em reprise no Canal Viva ). Pai da rebelde Tânia ( Lídia Brondi ), o fazendeiro reprimia os romances da filha - e ficou especialmente irascível quando ela se envolveu com o Padre Albano ( Cláudio Cavalcanti ).

Outro pai tirano foi o Coronel Pedro Barros ( Gilberto Martinho ), em "Irmãos Coragem" (1970, lançado em DVD recentemente). Pai de Lara ( Glória Menezes ), o vilão era responsável pelo desequilíbrio da filha, que tinha tripla personalidade. No remake de 1995, Pedro Barros foi vivido por Cláudio Marzo .

As duas versões de "Sinhá Moça" (1986 e 2006) também mostraram um pai cruel. O Barão de Araruna ( Rubens de Falco em 86, Osmar Prado em 2006) tiranizava a esposa, a filha e toda a cidade, além de rejeitar e perseguir o filho bastardo, Dimas ( Raymundo de Souza / Eriberto Leão ).

Pais malvados sempre deram as caras nas novelas, assim como as mães megeras - confira o top ten das mais cruéis .

Pais Garotões

Gaspar (Nuno Leal Maia) e seus cinco filhos (Henrique Farias, Gabriela Duarte, Carol Machado, Igor Lage e Marcelo Faria) em
Reprodução
Gaspar (Nuno Leal Maia) e seus cinco filhos (Henrique Farias, Gabriela Duarte, Carol Machado, Igor Lage e Marcelo Faria) em "Top Model"


Nesta categoria, o mais famoso é Gaspar ( Nuno Leal Maia ). O surfista quarentão de "Top Model" (1989) vivia em uma casa na praia, cercado dos filhos adolescentes Elvis Presley ( Marcelo Faria ), Jane Fonda ( Carol Machado ), Ringo Starr ( Henrique Farias ), John Lennon ( Igor Lage ) e Olívia ( Gabriela Duarte ). Gaspar era um pai mais "jovem" do que os próprios filhos.

Em "Caras e Bocas" (2010), Denis ( Marcos Pasquim ) também era mais moleque do que o filho, o menino Espeto ( David Lucas ). Para ajudar a cuidar do pai, Espeto contava até com a ajuda do macaco Xico.

Pais Heróis

Jesuíno (Cauã Reymond) reencontra o pai, Herculano (Domingos Montagner), em
TV Globo
Jesuíno (Cauã Reymond) reencontra o pai, Herculano (Domingos Montagner), em "Cordel Encantado"


O cangaceiro Herculano ( Domingos Montagner ), de "Cordel Encantado" (no ar às 18h), é um autêntico pai guerreiro. No passado, deixou o filho Jesuíno com a mãe deste, Bemvinda, para que eles não sofressem as consequências da vida de cangaceiro. Anos depois, ele retorna para se revelar ao filho ( Cauã Reymond ), que acaba rejeitando o pai.

Capitão Jonas (Reginaldo Faria), seus seis filhos, além da esposa (Joana Fomm) e os seis filhos dela
Divulgação/Canal Viva
Capitão Jonas (Reginaldo Faria), seus seis filhos, além da esposa (Joana Fomm) e os seis filhos dela


Outro pai com perfil de herói é o Capitão Jonas ( Reginaldo Faria ) de "Vamp" (1991, em reprise no Canal Viva ). Líder de uma família de seis filhos - que ele comanda como se estivesse num navio, com apitos, regras rígidas e tudo o mais -, ele será o responsável por matar o vampiro Vlad ( Ney Latorraca ) no último capítulo.

Em "Quatro por Quatro" (1994), Bruno ( Humberto Martins ) é uma espécie de Indiana Jones tupiniquim, que vive no meio da selva. Quando ele passa a conviver com a filha, a menina Ângela ( Tatyane Goulart ), esta faz questão de embarcar nas aventuras do pai.

Pais Rivais

O Barão Sobral (Reginaldo Faria) com a esposa (Sônia Braga) e os filhos (Selton Mello e Fábio Assunção) em
TV Globo
O Barão Sobral (Reginaldo Faria) com a esposa (Sônia Braga) e os filhos (Selton Mello e Fábio Assunção) em "Força de um Desejo"


Existem ainda os pais que disputam com os filhos o amor da mesma mulher. Em "Força de um Desejo" (1999), o Barão Henrique Sobral ( Reginaldo Faria ) se casa com a cortesã Ester ( Malu Mader ), sem saber que ela era o grande amor de seu filho, Inácio ( Fábio Assunção ).

Mais recentemente, em "Escrito nas Estrelas" (2010), Ricardo ( Humberto Martins ) vive um romance com a jovem Vitória ( Nathália Dill ), a paixão de seu filho, Daniel ( Jayme Matarazzo ). A diferença é que Daniel está morto, e na forma de espírito assiste ao caso de seu pai com a garota.

O pai (Humberto Martins) e o espírito de seu filho Daniel (Jayme Matarazzo) em
TV Globo
O pai (Humberto Martins) e o espírito de seu filho Daniel (Jayme Matarazzo) em "Escrito nas Estrelas"


Pais Ausentes

Outra modalidade frequente é a dos pais desligados, ausentes, mergulhados no trabalho e em seus dramas particulares. O fazendeiro Bruno ( Antônio Fagundes ), de "O Rei do Gado" (1996, no ar no Canal Viva), é um exemplo. Preocupado em fazer valer o título da novela, ele mergulha no trabalho e ignora os filhos Marcos ( Fábio Assunção ) e Lia ( Lavínia Vlasak ). Só vai notar a existência deles quando estes já estão adultos - mimados e problemáticos.

Lucas ( Murilo Benício ), em "O Clone" (2001, no ar no "Vale a Pena Ver de Novo" ), vive o dilema de sua eterna paixão por Jade ( Giovanna Antonelli ). Enquanto isso, a filha dele, Mel ( Débora Falabella ) se afunda no vício das drogas.

Pais Arrependidos

O viúvo Salviano Lisboa (Lima Duarte), pai de seis em
Reprodução
O viúvo Salviano Lisboa (Lima Duarte), pai de seis em "Pecado Capital" (1975)


No outro lado da moeda, estão os pais ausentes que, depois de muitos anos, se arrependem e tentam reconquistar o amor dos filhos. O solitário empresário Salviano Lisboa, de "Pecado Capital" (1975 e 1998), sofre com o descaso de seus seis filhos. Deprimido, Salviano ( Lima Duarte / Francisco Cuoco ) tenta se reaproximar da família, sem obter muito sucesso.

Em "Da Cor do Pecado" (2004), o caso se repete, novamente com Lima Duarte , desta vez na pele de Afonso Lambertini. O empresário tenta descobrir o paradeiro de seu filho, o rebelde Paco ( Reynaldo Gianecchini ), que se afastou da família por não concordar com os negócios do pai. Não conseguindo atrair o filho de volta, Afonso decide se concentrar no neto - Raí ( Sérgio Malheiros ), o filho de Paco com a maranhense Preta ( Taís Araújo ).

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=gente%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1597140936580 &_c_=MiGComponente_C

Uma história bastante semelhante havia sido contada vinte anos antes, em "Vereda Tropical" (1984). Ali, o empresário Seu Oliva ( Walmor Chagas ) tenta rastrear a vida do filho Victor ( La uro Corona ), que sumiu de casa, rebelando-se contra o pai. Mas este não tem um fim tão feliz: Victor morre em um acidente de carro logo no início da novela. Seu Oliva então sequestra o neto, Zeca ( Jonas Torres ), filho de Victor com a paraibana Silvana ( Lucélia Santos ).

Os Paizões

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=gente%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1597140936607 &_c_=MiGComponente_C

O melhor exemplo do chamado "paizão", porém, acaba sendo o Seu Lineu, no ar há dez anos em "A Grande Família". Interpretado por Marco Nanini , Lineu é o típico pai brasileiro da classe média: tenta ser rígido, mas não consegue, e acaba "passando a mão" na cabeça dos filhos displicentes e acomodados - principalmente o eterno menino Tuco ( Lúcio Mauro Filho ).

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=gente%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1597140936646 &_c_=MiGComponente_C Embalando a trajetória de todos esses pais, vale lembrar a canção que melhor simboliza esse tipo de personagem: "Pai", composta por Fábio Jr. em 1978. Naquele ano, a música foi ouvida pela primeira vez em um episódio do seriado "Ciranda Cirandinha". Na emocionante cena, Helinho (Fábio) toca a canção ao violão, depois que seu filho bebê - fruto de uma aventura com uma ex-namorada - vai embora de casa. A faixa marcou aquela época, tornou-se sucesso nacional, e no ano seguinte foi parar na abertura da novela "Pai Herói" (1979), na voz de seu compositor.

"Pai Herói" narrava a saga de André Cajarana ( Tony Ramos ), que luta para limpar a memória de seu pai, injustamente caluniado e perseguido antes de morrer. Um pai invisível, que, mesmo sem aparecer na trama, é o mote central de toda a novela - mais uma obra-prima da autora Janete Clair .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.