Thiago De Carvalho Cunha afirma que sua intenção era divulgar o curta-metragem “Merda no Ventilador”; repórter do iG viu violência

Thiago De Carvalho Cunha atrapalhou a entrada ao vivo da jornalista da Globo
Juliana Moraes
Thiago De Carvalho Cunha atrapalhou a entrada ao vivo da jornalista da Globo

Nesta segunda-feira (31), Monalisa Perrone passou por um susto. Enquanto tentava passar novas informações sobre o tratamento de Lula contra um câncer de laringe , a jornalista foi interrompida por dois rapazes, que a empurraram e começaram a gritar.

Siga o iG Gente no Twitter e receba as notícias das celebridades em tempo real

O iG conversou com Thiago De Carvalho Cunha , responsável pelo ato. Militante do Acampa Sampa, ele afirmou que sua atitude não teve nenhuma relação com o movimento, que está acampado no Vale do Anhangabaú, na região central de São Paulo. “Na verdade, foi uma ação independente e individual. Um amigo meu, que tem um canal no Youtube, me avisou que a Globo estaria lá. Escolhi a Globo de propósito porque tinha a Rede TV!, o SBT e a Record. Escolhi a Globo porque teria mais visibilidade. A Globo nasceu na época da ditadura e manipula as pessoas. Quero provar para as pessoas que todo mundo tem voz”, diz Thiago.

Thiago De Carvalho Cunha
Juliana Moraes
Thiago De Carvalho Cunha

Leia mais: Globo estuda processar agressores que invadiram link ao vivo e orienta repórter a fazer boletim de ocorrência

Ele afirma que sua intenção era apenas divulgar o curta-metragem que está escrevendo, “Merda no Ventilador”. “Só queria divulgar o filme, não queria falar nada demais”, afirma.

Sobre a possibilidade de Monalisa registrar um boletim de ocorrência , Thiago não demonstrou arrependimento. “Eu não tenho medo, eu não quero dinheiro. Eu quero mesmo que ela faça o boletim de ocorrência e que venha a Polícia Federal agora me pegar”.

Leia mais: Conheça quem são os manifestantes do “Ocupe São Paulo”

Ele ainda afirmou que não agrediu a jornalista, mas se disse agredido. O militante contou que os seguranças fizeram um cordão de isolamento e começaram a agredir os rapazes. Quando eles conseguiram se livrar, apareceram em frente à TV. “Se a Globo quiser me processar, temos uma equipe de 40 advogados apoiando o movimento”, afirmou Thiago. Apesar de citar os advogados do movimento para sua defesa pessoal, ele ressalta mais uma vez que sua atitude foi em causa própria.

Leia também: Apresentadora da Globo chama Dilma de "a presidente Lula"

Não foi bem o que testemunhou a reportagem do iG , presente no local para cobrir o primeiro dia do tratamento do ex-presidente Lula . O repórter afirma que o que ele viu foi uma agressão covarde de dois homens contra uma mulher, e pelas costas. Segundo relato, o amigo dele (de Thiago) deu uma joelhada nas costas da repórter numa atitude violenta, sem que ninguém os tivesse cercado, ameaçado ou encostado um dedo neles. Eles agrediram a Monalisa e saíram correndo. 

Na entrevista para o iG Gente Thiago falou ainda que conhecia o teor da matéria da Globo. “Sabia que era uma matéria importante sobre o Lula e que a Globo não cortaria, ainda mais sendo ao vivo. Aliás, desejo muita sorte ao ex-presidente e espero que ele se recupere logo".

Repórter da Globo é empurrada durante link ao vivo para o ‘Jornal Hoje’. Assista

Responsável pelo Comitê de Arte e Cultura do Movimento Acampa Sampa, Thiago, que largou a faculdade de Psicologia no primeiro ano, informou que o movimento é pacífico e politizado. “Sou muito politizado, tenho 23 anos e, no momento, sou sustentado pela minha mãe”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.