Conheça os seriados produzidos pela Globo nas últimas décadas e acompanhe a evolução do formato

Luisa Arraes, Eduardo Moscovis, Deborah Secco, Glória Menezes e Laura Barreto: elenco da série
Roberto Filho e Alex Palarea /AgNews
Luisa Arraes, Eduardo Moscovis, Deborah Secco, Glória Menezes e Laura Barreto: elenco da série "Louco por elas"


"Louco por Elas", que teve estreia na noite dessa terça (13), é a última produção da Globo mo gênero sitcom. Estrelado por Eduardo Moscovis e contando com a presença de Deborah Secco no elenco, soma-se a uma série de produções globais que ainda tentam colocar esse tipo de programa entre as maiores audiências da TV, como já acontece nos Estados Unidos.

O termo sitcom vem mesmo do mercado norte americano, de onde as séries de TV se espalham pelo mundo, geram comunidades de fãs dedicados, que acompanham as temporadas, baixam episódios na internet, compram box de DVDs.

No Brasil, o gênero nunca conseguiu ser implantado de vez, com raras exceções. No caso da TV Globo, desde o início dos anos 1970 diversas iniciativas foram tentadas. Algumas tiveram grande êxito, como "Malu Mulher", e a primeira versão de "Carga Pesada" (ambas em 1979). Ou ainda "Armação Ilimitada" (nos anos 1980) .

Bastidores de
TV Globo
Bastidores de "Os Normais", que ficou dois anos no ar

Na década de 1990, o representante quase solitário foi o humorístico "Sai de Baixo", que permaneceu seis anos em exibição.

Mais recentemente, aconteceu o sucesso de "Os Normais", que estreou em 2001 e ficou no ar por pouco mais de dois anos. E o maior trunfo da emissora na área: a segunda versão de "A Grande Família", no ar há 11 anos!

Veja também: O casal do momento na televisão: Lineu e Nenê

Marieta Severo e Marco Nanini em
TV Globo
Marieta Severo e Marco Nanini em "A Grande Família", no ar há onze anos

Cena de Rafinha Bastos no DVD
Reprodução
Cena de Rafinha Bastos no DVD "A Arte do Insulto"
Mas, exceções à parte, a produção de seriados ou sitcoms no Brasil sempre foi irregular, ao contrário das novelas. A conclusão é de que, para o público brasileiro, o sistema das novelas - inspirado ainda pelos antigos folhetins das rádio novelas e com forte raiz no dramalhão latino - ainda é o mais bem aceito.

Já o mercado americano de séries cômicas bebe na fonte do teatro, principalmente os espetáculos humorísticos de stand up, que revelaram talentos geniais ainda nos anos 1950 e 1960, como Mel Brooks e Woody Allen . Brooks iria para a TV, onde escreveria a famosa série "Agente 86" (1965-1970).

Por aqui, o esquema da stand up comedy somente virou moda nos últimos anos, depois do sucesso do espetáculo "Terça Insana", e de grupos como o Clube da Comédia Stand Up, além do estrelato de comediantes como Rafinha Bastos e Dani Calabresa .

Cláudia Rodrigues e Tuna Duek em episódio de
TV Globo
Cláudia Rodrigues e Tuna Duek em episódio de "A Diarista"

E foi exatamente após o sucesso do stand up nos palcos brasileiros, que se deu um aumento na produção de séries cômicas na TV, de 2000 para 2012. Nesses últimos doze anos, várias produções foram exibidas, com diferentes resultados - em termos de qualidade, público e duração no ar.

Leia também: "Tapas & Beijos": Reunião de rainhas da comédia

Os exemplos mais famosos dessa nova safra foram "A Diarista", "Sob Nova Direção", "Minha Nada Mole Vida" e "Toma Lá Dá Cá". E em 2011 houve a fértil safra de "Macho Man", "Tapas e Beijos" e "A Mulher Invisível". "Louco por Elas" é a mais recente proposta para o gênero.

Leia também: Selton Mello não acredita em terceira temporada de "A Mulher Invisível"

Marisa Orth, Fernanda Young e Jorge Fernando em
TV Globo
Marisa Orth, Fernanda Young e Jorge Fernando em "Macho Man"

Confira a seguir a linha do tempo dos seriados produzidos pela TV Globo nos últimos 40 anos:

Linguinha (1971-72) - série infantil protagonizada por Chico Anysio
Shazan, Xerife & Cia. (1972-74)
A Grande Família (1972-1975) -
a primeira versão da sitcom ficou no ar por dois anos e meio
Kika e Xuxu (1978)
Ciranda Cirandinha (1978)
Malu Mulher (1979-80)
Carga Pesada (1979-81) -
primeira versão da série que voltaria a ser produzida vinte anos depois
Plantão de Polícia (1979-81)
Amizade Colorida (1981)
Obrigado Doutor (1981)
Armação Ilimitada (1985-88)
Tarcísio e Glória (1988)
Delegacia de Mulheres (1990)
Retrato de Mulher (1993)
Sai de Baixo (1996-2002)
A Justiceira (1997)
Mulher (1998-99)
Sandy & Júnior (1999-2003)
A Grande Família (2001) -
a segunda versão da série é a recordista da Globo no campo dos seriados: está há onze anos no ar
Os Normais (2001-2003)
Cidade dos Homens (2002-2005)
Carga Pesada (2003-2006) -
a nova versão durou mais tempo do que a primeira
A Diarista (2004-2007)


Marisa Orth, Adriana Esteves e Miguel Falabella em cena de
TV Globo
Marisa Orth, Adriana Esteves e Miguel Falabella em cena de "Toma Lá Dá Cá"


Sob Nova Direção (2004-2007)
Os Aspones (2004)
Minha Nada Mole Vida (2006-2007)
Antônia (2006-2007)
Toma Lá Dá Cá (2007-2009)
O Sistema (2007)
Casos e Acasos (2008)
Dicas de um Sedutor (2008)
Faça sua História (2008)
Guerra e Paz (2008)
Ó Pai Ó (2008-2009)
Força Tarefa (2009-2011)
Tudo Novo de Novo (2009)
Aline (2009-2011)
Norma (2009) -
teve somente três episódios
S.O.S. Emergência (2010)
A Vida Alheia (2010)
Separação (2010)
Na Forma da Lei (2010)
Batendo Ponto (2011)
Tapas e Beijos (2011)
Macho Man (2011)
A Mulher Invisível (2011)


Cena de
TV Globo
Cena de "A Mulher Invisível", que teve duas temporadas em 2011

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.