Reprise de "Mulheres de Areia" traz à tona outros personagens idênticos que já passaram pelas novelas

Glória Pires como Ruth e Raquel, as gêmeas de
TV Globo
Glória Pires como Ruth e Raquel, as gêmeas de "Mulheres de Areia" (1993), que está sendo reprisada no "Vale a Pena Ver de Novo"


A volta de "Mulheres de Areia", no "Vale a Pena Ver de Novo" da Rede Globo , trouxe à tona os irmãos gêmeos na ficção. As famosas Ruth e Raquel (interpretadas por Gloria Pires ) são a espinha dorsal da trama dirigida por Wolf Maya , na eterna luta do bem contra o mal.

Essa estratégia dramática sempre foi um recurso de fácil utilização para os autores das novelas. Não foi à toa que inúmeras tramas apelaram para essa estrutura: irmãos gêmeos que se detestam, que concorrem entre si, cada um representando um lado - a versão maligna e a versão bondosa.

Veja quem são os atores onipresentes na TV

Também existiram gêmeos que não eram inimigos, e ainda duplas idênticas que não eram formadas por irmãos de sangue. Relembre a seguir essa galeria de gêmeos que tanto fascinaram os espectadores ao longo dos anos.

As gêmeas

Alessandra Negrini como a malvada Taís e a bondosa Paula em
Reprodução
Alessandra Negrini como a malvada Taís e a bondosa Paula em "Paraíso Tropical"

"Mulheres de Areia" foi mesmo a novela pioneira. Exibida pela TV Tupi em 1973, fez enorme sucesso, com as irmãs Ruth e Raquel (a bondosa e a malvada) interpretadas por Eva Wilma . Vinte anos depois, a Globo produziu o remake, com Gloria Pires assumindo o estrelato, e mantendo a autoria de Ivani Ribeiro . A novela de 1993 está no ar todas as tardes, na Globo.

Em 2007, "Paraíso Tropical" trazia um enredo bem parecido. A bondosa Paula tinha de lutar contra a perversa Thaís - ambas encarnadas por Alessandra Negrini. A diferença é que essas gêmeas foram separadas ainda na infância, e cresceram afastadas, reencontrando-se somente na fase adulta.

Christiane Torloni era Fernanda e Vivi em
Reprodução
Christiane Torloni era Fernanda e Vivi em "Cara & Coroa"

Já na novela "Cara & Coroa" (1995), as idênticas não eram irmãs, e sim sósias. A explosiva Fernanda ( Christiane Torloni ) foi cumprir pena em um presídio, onde conheceu a sensível Vivi (novamente Torloni). Vivi acabou sendo usada em uma trama dos vilões da história, e assumiu a identidade de Fernanda, graças à semelhança física.

Atualmente, a novela das 19h da Globo, "Morde & Assopra" , também lida com o tema. Flávia Alessandra interpreta duas "Naomis" - a primeira, uma mulher de verdade, com intenções maléficas; a segunda, um androide fabricado pelo marido da Naomi real, Ícaro ( Mateus Solano ). A Naomi robô passa a criar sentimentos humanos, e acaba conquistando o coração de seu criador.

Flávia Alessandra como a Naomi humana e sua versão robô em
TV Globo
Flávia Alessandra como a Naomi humana e sua versão robô em "Morde & Assopra"

Os gêmeos

E foi o próprio Mateus Solano quem interpretou a versão masculina dos irmãos gêmeos que se detestam. O rígido e conservador Jorge e o brincalhão e inconsequente Miguel disputavam o amor de Luciana ( Alinne Moraes ), em "Viver a Vida" (2009). A rivalidade entre os irmãos gerou muitas brigas físicas, e Jorge quase matou Miguel. Jorge transformou-se em um personagem quase vilão, e Miguel acabou cativando o público. Ao final, o casamento de Luciana com Miguel mostrou que, mais uma vez, venceu o gêmeo do bem.

Mateus Solano em
Reprodução
Mateus Solano em "Viver a Vida": o descontraído Miguel e o sisudo Jorge

Outra novela de Manoel Carlos já havia abordado o tema: "Baila Comigo" (1981). Mas nessa trama, os gêmeos eram ambos virtuosos. Quinzinho e João Victor (vividos por Tony Ramos ) foram separados ainda no berçário. Quinzinho ficou com a mãe, Helena ( Lillian Lemmertz ), no Rio de Janeiro. João Victor foi viver em Portugal com o pai, Quim ( Raul Cortez ).

Anos depois, João Victor volta ao Brasil, e a semelhança entre os irmãos cria as confusões, até que eles finalmente se encontram, na reta final da novela, em uma emocionante cena que tornou-se inesquecível na história das novelas brasileiras.

A clássica cena do encontro de Quinzinho e João Victor (Tony Ramos) em
YouTube
A clássica cena do encontro de Quinzinho e João Victor (Tony Ramos) em "Baila Comigo"

Outra novela em que os gêmeos eram ambos "do bem": "Da Cor do Pecado" (2004). Paco e Apolo ( Reynaldo Gianecchini ) foram separados na infância, assim como os irmãos de "Baila Comigo" - um ficou com a mãe, o outro foi criado pelo pai. Paco e Apolo tinham perfil de herói.

Já em "Porto dos Milagres" (2001), a maldade imperava. Félix ( Antônio Fagundes ) toma o lugar de seu irmão Bartolomeu (Fagundes novamente) no comando da cidade que dá título à novela. Para conseguir esse objetivo, Félix conta com a ajuda da esposa Adma ( Cássia Kiss ), que mata Bartolomeu.

Reynaldo Gianecchini: Paco e Apolo em
Reprodução
Reynaldo Gianecchini: Paco e Apolo em "Da Cor do Pecado"

Idênticos pela tecnologia

Mas nenhuma trama sobre gêmeos foi tão ousada quanto "O Clone" (2001). Ali, os idênticos eram três: dois irmãos e um homem "fabricado" a partir de um deles - um clone, como o título já entregava.

Lucas e Diogo ( Murilo Benício ) são irmãos gêmeos. Diogo morre em um acidente. O cientista Albieri ( Juca de Oliveira ) decide criar um clone de Lucas, a partir de uma célula. E assim nasce Léo, que vinte anos depois passa a disputar com o próprio Lucas o amor da muçulmana Jade ( Giovanna Antonelli ).

Milagres da tecnologia que interferem nas questões humanas e também nos gêmeos das novelas. Com o fascínio que os gêmeos exercem no público, pode-se prever que os personagens idênticos vão continuar aparecendo por muito tempo nos folhetins eletrônicos.

Murilo Benício em dose tripla: Diogo, Lucas e Léo em
Reprodução
Murilo Benício em dose tripla: Diogo, Lucas e Léo em "O Clone"

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.