Relembre as vilãs milionárias da TV, precursoras da Tereza Cristina de "Fina Estampa"

Christiane Torloni como Tereza Cristina em
TV Globo
Christiane Torloni como Tereza Cristina em "Fina Estampa"


Tereza Cristina, a debochada e cruel ricaça de "Fina Estampa" , promete ser um dos destaques da novíssima novela das 21h da Globo, na pele de Christiane Torloni . Mas antes dela, muitas outras milionárias malvadas e irreverentes deixaram sua marca na história da TV.

Uma das mais antigas foi Nara Paranhos de Vasconcelos, interpretada por Yoná Magalhães em "Uma Rosa com Amor" (1972, Globo, 19h). Para caracterizar a vilã, Yoná atuava com uma peruca loura - já anunciando a era das vilãs platinadas, que virariam moda nos anos 2000. No remake desta novela (2010, SBT, 20h), Nara foi feita por Mõnica Carvalho .

O que une essas personagens é a atitude esnobe e arrogante, sempre esbanjando dinheiro e luxo, e desprezando aqueles que não são ricos. Elas são abertamente politicamente incorretas, e adoram humilhar seus subalternos, sempre com requintes de crueldade, mas recheadas de humor.

Relembre agora as mais marcantes "peruas do mal" no universo das novelas.

Sofia (Zezé Polessa) com a filha (Débora Falabella) em
Reprodução
Sofia (Zezé Polessa) com a filha (Débora Falabella) em "Escrito nas Estrelas"


Sofia Loren (Zezé Polessa) em Escrito nas Estrelas (2010)
A fútil e ambiciosa perua estava sempre pronta para ajudar nas armações de sua filha Beatriz ( Débora Falabella ). A interpretação caricata de Zezé Polessa deu o tom exato para a hilária personagem.

Eu sou rica!
YouTube
Eu sou rica!", gritava Norma (Carolina Ferraz) em "Beleza Pura


Norma ( Carolina Ferraz ) em Beleza Pura (2008)
Norma também era uma vilã rica e cheia de humor. Ela acabava virando vítima de suas próprias armadilhas, tornando-se uma malvada "trapalhona". E além de tudo, eternizou o bordão "Eu sou rica!", que virou até música eletrônica.

Alinne Moraes como Sílvia em
TV Globo
Alinne Moraes como Sílvia em "Duas Caras"


Sílvia ( Alinne Moraes ) em Duas Caras (2007)

Sílvia foi uma das mais ensandecidas malvadas endinheiradas dos últimos tempos. Criadora de planos mirabolantes que incluiam levar o filho de seu marido Ferraço ( Dalton Vigh ) em um passeio de barco para matar o menino, ela era capaz de tudo - até mesmo de pular o muro da mansão de Ferraço, ignorando o sistema de segurança da casa.

Leona (Carolina Dieckmann) em
TV Globo
Leona (Carolina Dieckmann) em "Cobras e Lagartos"


Leona ( Carolina Dieckmann ) em Cobras e Lagartos (2006)
Representante das ricas loiras e diabólicas, Leona queria ser a grande poderosa das lojas Luxus, de propriedade de seu tio Omar ( Francisco Cuoco ). Terminou morta em um incêndio.

Bia Falcão (Fernanda Montenegro) e Medeiros (Ítalo Rossi) em
TV Globo
Bia Falcão (Fernanda Montenegro) e Medeiros (Ítalo Rossi) em "Belíssima"


Bia Falcão (Fernanda Montenegro) em Belíssima (2005)
A pérfida empresária, apesar de insensível, tinha seu senso de humor apurado e adorava humilhar os outros - principalmente os não ricos. Assim, criou um bordão: "Pobreza pega!", que acabou entrando na mesma música de "Eu sou rica!"

Adma (Cássia Kiss) em
Reprodução
Adma (Cássia Kiss) em "Porto dos Milagres"


Adma (Cássia Kiss) em Porto dos Milagres (2001)
"Por trás de um grande homem, há sempre uma mulher". A máxima valia para o casal Adma e Félix ( Antônio Fagundes ). A mulher envenenou o irmão gêmeo de seu marido, para que o segundo herdasse a fortuna do primeiro. Assim, Félix tornou-se o todo poderoso de Porto dos Milagres. Para manter a situação, Adma era capaz de tudo.

Maria Regina (Letícia Spiller), a vilã de
Reprodução
Maria Regina (Letícia Spiller), a vilã de "Suave Veneno"


Maria Regina (Letícia Spiller) em Suave Veneno (1999)
Um dos destaques desta novela complicada foi a exagerada vilã Maria Regina. Com ares de psicopata, ela foi responsável por grandes momentos da trama. Cínica, debochada e esnobe, rendeu muitas cenas de humor - e além de tudo, era ninfomaníaca.

Glória Menezes como a falida Laurinha Figueroa de
Reprodução
Glória Menezes como a falida Laurinha Figueroa de "Rainha da Sucata"


Laurinha Figueroa (Glória Menezes) em Rainha da Sucata (1990)
A milionária falida tentava se reerguer e conquistar o enteado Edu ( Tony Ramos ). E vivia chamando sua rival, Maria do Carmo ( Regina Duarte ), de "sucateira". Para eliminar a concorrente, teve uma ideia "genial" - decidiu se atirar do alto de um prédio, apenas para jogar a culpa na "sucateira".

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=gente%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1597190334878 &_c_=MiGComponente_C

Yolanda Pratini (Joana Fomm) em Dancin' Days (1978)
A socialite humilhou e desprezou a irmã, a ex-presidiária Júlia Mattos ( Sônia Braga ). Mesmo quando esta se tornou elegante, Yolanda continuou dizendo que a irmã "andava com gente de baixo nível". Ela também humilhava a nova esposa de seu ex-marido, bradando: "Detesto gente feia!" As maldades de Yolanda eram sempre apoiadas por seu pitoresco mordomo, Everaldo ( Renato Pedrosa ).

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=gente%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1597190334909 &_c_=MiGComponente_C

Odete Roitman (Beatriz Segall) em Vale Tudo (1988)
A mais famosa de todas, dispensa apresentações. A poderosa matriarca dos Roitman vivia falando mal do Brasil - "este país de tupiniquins!" - e dos brasileiros - "essa gente viaja até com criança!". Sem papas na língua, politicamente incorreta em todos os sentidos, adorava soltar expressões em francês - "e quanto menos português eu escutar, melhor!" - e ridicularizava seus próprios familiares. Imbatível.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.