A Rede Globo já produziu diversas novelas que surpreenderam o público. Relembre algumas delas que marcaram quem via TV nos anos 70 e 80

Novelas da Globo têm seus críticos, mas não há como negar o enorme poder que elas possuem de mexer com o imaginário e até mesmo com o cotidiano de muitos brasileiros. Diversas tramas da emissora carioca encantaram, tiraram o fôlego e mexeram com o público, marcando época e tomando um lugar na história do País. O autor Aguinaldo Silva, responsável por diversas obras de sucesso na teledramaturgia, já declarou em mais de uma ocasião que, no futuro, se quiserem conhecer a história do Brasil, não procurarão os livros, mas sim as telenovelas.

 +  Claudia Abreu radicaliza e adota cabelo joãozinho para próxima novela

Novelas da Globo dos anos 70 e 80 trouxeram inovações para o gênero e emocionaram o público
Cedoc/TV Globo/Montagem
Novelas da Globo dos anos 70 e 80 trouxeram inovações para o gênero e emocionaram o público


Muitas novelas da Globo nos anos 70 e 80 são diferentes das de hoje – o gênero passou por algumas mudanças e teve algumas inovações importantes, deixando para trás histórias fantasiosas que se passavam em terras distantes e aproximando a linguagem do público e da realidade brasileira. Para a alegria dos nostálgicos, o iG relembra algumas dessas novelas que emocionaram o público, inovaram o formato e marcaram época:

Irmãos Coragem (1970)

Os irmãos Coragem: Tarcísio Meira, Cláudio Cavalcanti e Cláudio Marzo
Cedoc/TV Globo
Os irmãos Coragem: Tarcísio Meira, Cláudio Cavalcanti e Cláudio Marzo

Um dos grandes sucessos da dramaturga Janete Clair , " Irmãos Coragem " foi exibida em um tempo no qual a televisão ainda transmitia imagens em preto e branco. A história narrava a trajetória de João ( Tarcísio Meira ), Jerônimo ( Cláudio Cavalcanti ) e Duda ( Cláudio Marzo ), os "irmãos coragem", que moravam na fictícia cidade de Coroado, governada pelo inescrupuloso Pedro Barros ( Gilberto Martinho ), que utilizava de todos os artifícios para manter seu poder. João sempre gostou de resolver os conflitos de forma pacífica mas, após encontrar um grande diamante e cansado de injustiças, acabava virando um fora de lei e lidera um bando de garimpeiros injustiçados. Seu irmão Jerônimo entra para a política e Duda faz sucesso como jogador de futebol.

5 excelentes vilãs de Glória Pires. Na pele de qual delas ela se saiu melhor?

João acabou se apaixonando por Lara ( Glória Menezes ), que era filha de Pedro Barros. A personagem foi uma das mais interessantes da trama, por conta do fato de assumir outras personalidades distintas. Outra atriz que marcou presença na trama foi Regina Duarte, interpretando a personagem Ritinha.

“Irmãos Coragem” se tornou uma das novelas mais longas da história da Globo, durando quase um ano, e cativou o público durante todo o seu período de exibição, demonstrando a preocupação que a autora tinha com o público, alterando situações e personagens conforme dos desejos da audiência. 

Selva de Pedra (1972)

Regina Duarte e Francisco Cuoco em
Cedoc/TV Globo
Regina Duarte e Francisco Cuoco em "Selva de Pedra"

Outro sucesso estrondoso de Janete Clair, “Selva de Pedra” entrou para a história das novelas da Globo e da dramaturgia nacional após atingir 100% de audiência, ou seja, a novela conseguiu que em determinado momento, todas as televisões estivessem sintonizadas na trama. A narrativa começa em uma pequena cidade na qual Cristiano ( Francisco Cuoco ) se envolve em uma briga e acaba matando um rapaz por acidente. A única testemunha é Simone ( Regina Duarte ), que abriga Cristiano, sabendo que ele é inocente. Com medo de ser acusado de assassinato, Cristiano foge com Simone para o Rio de Janeiro.

Lá os dois se apaixonam e se casam. Mais tarde, Cristiano conhece o vilão Miro (C arlos Vereza ) e torna-se obcecado pelo poder. Uma série de eventos leva a um acidente que faz Simone ser declarada como morta. No entanto, uma mulher idêntica a ela, chamada Rosana Reis, aparece declarando ser a irmã gêmea, embora Cristiano fique convencido que ela é de fato sua mulher.

 +  A volta dos que não foram: relembre as falsas mortes em novelas

O capítulo que bateu o recorde foi justamente o que exibiu a revelação de que Rosana era de fato Simone. A novela cativou o público e se tornou um marco da televisão. Anos depois a trama ganhou um remake com Tony Ramos e Fernanda Torres nos papéis principais. A novela também marcou a estreia de Glória Pires na TV, que na época tinha apenas oito anos de idade.

Dancin’ Days (1978)

Sônia Braga na novela
Cedoc/TV Globo
Sônia Braga na novela "Dancin' Days"

Sônia Braga protagonizou esse grande sucesso das 21h. Escrita por Gilberto Braga e baseada em um argumento de Janete Clair, a novela trouxe ao horário nobre o estilo do autor, focada no embate entre a classe média e as elites. Tal conflito foi representado pela personagem Júlia, interpretada por ela, e sua inescrupulosa irmã, Yolanda, vivida por Joana Fomm

Júlia foi presa por atropelar um homem e deixou sua filha Marisa (Glória Pires) aos cuidados da irmã. Ao sair da prisão, ela tem dificuldade em se aproximar da filha e enfrenta a irmã, que não quer que ela se aproxime de Marisa de forma alguma. Ela consegue chegar perto da filha utilizando uma identidade falsa.

Mimada pela tia, Marisa é convencida a se casar com o jovem Beto ( Lauro Corona ), apenas por interesse. Júlia revela a verdade sobre sua identidade para a filha, mas acaba rejeitada. Mais tarde, após ser presa e libertada novamente, Júlia se casa com um rico senhor e vai para a Europa. Quando volta, ela está completamente mudada e disposta a se vingar daqueles que o prejudicaram, principalmente de sua irmã, Yolanda. 

Roque Santeiro (1985) 

Rui Rezende e Claudia Raia em cena de
Cedoc/TV Globo
Rui Rezende e Claudia Raia em cena de "Roque Santeiro"

Um dos maiores sucessos da Globo de todos os tempos,  a novela de Dias Gomes e Aguinaldo Silva encantou o público com a história do falso santo Roque ( José Wilker ), que "caiu morto" na cidade de Asa Branca após defendê-la e salvá-la de bandidos, sendo santificado pelo povo. Anos depois, Roque volta e ameaça revelar tudo sobre sua falsa morte, deixando diversas pessoas desesperadas, como sua ex-mulher, Porcina (Regina Duarte), que ficou conhecida como a Viúva Porcina.

Talvez os maiores méritos dessa trama sejam os fatos de que, além de criar uma espécie de sátira da própria sociedade brasileira, vista na população de Asa Branca, ela conseguiu eternizar vários personagens e torná-los parte do imaginário popular nacional. Roque Santeiro, Viúva Porcina e  Sinhozinho Malta ( Lima Duarte ) fizeram muito sucesso e se tornaram alguns dos personagens mais memoráveis em novelas da Globo.  O triângulo amoroso que formaram foi muito comentado e todos queriam saber com quem Porcina ficaria no final - ela acabou com Sinhozinho Malta. 

Vale Tudo (1988) 

Beatriz Segall e Nathalia Timberg em cena da novela
Cedoc/TV Globo
Beatriz Segall e Nathalia Timberg em cena da novela "Vale Tudo"

Uma das novelas mais ovacionadas de todos os tempos, "Vale Tudo" se tornou um marco pela maneira como retratou a corrupção e o chamado "jeitinho brasileiro", tecendo ferrenhas e inteligentes críticas sociais. Talvez a primeira coisa que venha à cabeça quando nos lembramos deste folhetim é a cruel vilã, que eternizou o famoso "Quem matou Odete Roitman?",  pergunta que parou o País.

Mas a novela de Gilberto Braga, Aguinaldo Silva e Leonor Bassères também teve vários outros momentos marcantes, como as maldades cometidas pela vilã Maria de Fátima (Glória Pires), que foi capaz de vender a casa da própria mãe (Regina Duarte) só para ficar com o dinheiro e fugir para o Rio de Janeiro, e a cena na qual o corrupto Marco Aurélio ( Reginaldo Faria ) foge do país em um avião. "Vale Tudo" mais tarde ganhou uma versão hispânica e se tornou uma mais populares novelas da Globo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.