Seriado de Miguel Falabella chega ao décimo episódio


Bastaram as primeiras propagandas na TV para que “Sexo e As Negas” começasse a fazer barulho. Mais do que o esperado. O seriado de Miguel Falabella , considerado uma versão da periferia de “Sex and the City”, foi duramente criticado e chamado de racista. Até comunidades foram criadas nas redes sociais para sugerir um boicote ao programa... Com mais de dois meses no ar, a série chega a dez episódios exibidos, e boas qualidades.

Elenco

Ao longo dos episódios, Karin Hills , Corina Sabbas , Lilian Valeska e Maria Bia entraram em sintonia e são hoje um grupo afinado, garantindo o bom ritmo do seriado. Destacam-se ainda Claudia Gimenez como Jesuína, a conselheira das garotas, Alessandra Maestriniska , como a cabeleireira Gaudéria e Sérgio Marone como Enéas.

Direção

Esperta e sem enrolação, a direção acertada de Cininha de Paula confere ótimo andamento às tramas e aventuras vividas por Zulma, Lia, Tilde e Soraia.

Texto

Com episódios curtos, Miguel Falabella consegue equilibrar muito bem em seu texto momentos de emoção e humor. Apesar de condensadas, as histórias sempre acabam bem contadas.

Função social

A leveza com que traição, preconceito, feminismo e racismo, entre outros temas, são discutidos, sempre com seriedade, faz com que o programa cumpra sua função social não perdendo as qualidades de um bom programa de entretenimento.

Números musicais

O primor com que os números musicais são produzidos merece destaque especial. Além do cuidado com o figurino, a iluminação, os cenários e as coreografias, as letras são especialmente compostas pelo próprio Falabella, quase sempre em parceria com Artur Xexéo , e música de Ricardo Leão .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.