Inimiga mortal de Maria Marta, Dani Barros brinca com trama de Lorraine e ganha destaque com a ambiciosa personagem


Lorraine é do tipo abusada. Alega que tem justificatica para tal comportamento, já que nunca teve muito da vida e precisa correr atrás do ganha pão para viver dia após dia. O problema é que o destino colocou Maria Marta ( Lilia Cabral ) em seu caminho, e esse bate-rebate parece longe de ter fim. Bom para Dani Barros , atriz que interpreta a ambiciosa personagem em “Império”, novela das 21h da Globo.

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba notícias dos famosos

Dani Barros como Lorraine
GLOBO/Alex Carvalho
Dani Barros como Lorraine

“Não sei mesmo até onde essa situação se sustenta. Todo dia eu penso ‘o que será que passa na cabeça de Aguinaldo Silva ? Como será que ele vai resolver essa roubada?’ (risos). Eu acho que Lorraine vai sempre estar ali no pé, correndo atrás do seu dinheiro, porque ela tomou gosto por isso e ele (o dinheiro que conseguiu inicialmente de Maria Marta) sumiu rápido”, disse Dani ao iG nos bastidores da trama, no Projac.

Depois que presenciou o atropelamento de seu irmão por José Pedro ( Caio Blat ), filho da poderosa, Lorraine segue na chantagem tentando faturar algum dinheiro na conta da madame para ver sua realidade mudar. Maria Marta, por sua vez, já até mandou matar a ambiciosa Lorraine, e o último “cala boca” que deu foi alugar um quarto na casa de Xana ( Aílton Graça ) para Lorraine. Com todo luxo, a mulher de José Alfredo ( Alexandre Nero ) tenta manter a situação sob controle. Dani garante: Lorraine não vai parar por aí, não…

“Ela é oportunista. Acho que ela é mais fod..... do que bandida (risos), está sempre tentando arrumar algum (trocado). Ela é muito ambiciosa, mais até do que é vaidosa”, declarou. “Estou me divertindo muito. A novela está muito bem cuidada pela equipe, pela direção… As histórias do Aguinaldo são incríveis. A gente recebeu uma negócio deste tamanho (indica três dedos de grossura com a mão), que era a sinopse, e achei que aquilo fosse se desenrolar em três meses. Acabou que em 18 capítulos ele fez tudo acontecer, e faz cada vez mais, e mais, e mais”, disse.

Essa quase perseguição a Maria Marta levanta a questão: teria Lorraine a pretensão de se tornar uma pessoa como a ricaça? “E quem não tem (risos)? Estamos todos atrás dos diamantes nessa novela, e ela também, coitada”, brincou. “Mas falta tanta coisa ali para ela, né? Ela ambiciona, mas vive em um ambiente totalmente oposto. Lorraine teve poucas informações na vida, provavelmente não deve ter estudado, vai vivendo cada dia um dia e assim vai levando”, completou.

Teatro x TV

Dani já fez alguns trabalhos na TV, mas é com os pés no palco de um teatro que se sente em casa. “Minha experiência é pegar um texto e entender como é que uma personagem age, e saber começo, meio e fim. E na novela a gente não tem isso. É uma obra aberta que vai sendo pintada no dia a dia. Tem perguntas que eu também estou para responder”, falou, o que não significa que não esteja se divertindo com esse mistério.

“Eu acho curioso, é uma forma completamente diferente. Eu estou acostumada a saber tudo, mas essa forma também é bacana, de ir descobrindo. Acho que o trabalho vai dizendo, o autor deve olhar o que está funcionando e decide o caminho. A gente também vai assim, vai construindo. Parece um jogo de detetive. É legal essa coisa da obra aberta, que tudo pode ser, mas também pode ir para outro lado”, filosofa.

Para encontrar o tom da personagem, Dani teve algumas inspirações. A última novela de João Emanuel Carneiro na Globo foi uma delas. “Antes (de começar 'Império') eu fiquei revendo ‘Avenida Brasil’ e o núcleo do Divino me inspirou muito”, garantiu. “Outro dia, também antes de começar a novela, eu falei ‘ah, preciso ir na Saara (Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega) para dar uma olhada’. E parei em um camelô e ouvi uma menina falando: ‘O cara estava ali embrasado’, que quer dizer que ele estava bêbado. Eu anotei e adorei esse termo. E você vai juntando o quebra-cabeça daqui, dali…”, disse, sobre o processo de composição.

Outro elemento importante também foi o próprio lixo. “O Ismael ( Jonas Torres ) é catador de lixo, eles vivem do lixo, e eu fiz a peça ‘Estamira – Beira do Mundo’ (Dani ganhou o Shell de Melhor Atriz pelo monólogo). Eu tenho certeza que tem um dedinho da Estamira me dando de presente esse trabalho, que está sendo muito bacana”, disse.

Antes de terminar o papo, já que o Ismael entrou na jogada, diz aí, Dani: qual é desses dois? “Eu acho que ele é mais apaixonado por ela do que ela por ele. Mas ela também é mais egoísta, então ela vai na frente, é mais ambiciosa. Acho que a intimidade acaba estragando um pouco. É aquela coisa de ex-casal, né? Ela pisa um pouco na cabeça dele, mas ele como ama tanto ela, ele fica ali. Na hora do vamos ver, é ele quem socorre. Eles são parceiros”, concluiu.

Dani Barros e Jonas Torres em 'Império'
GLOBO/Alex Carvalho
Dani Barros e Jonas Torres em 'Império'


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.