Autor apresentou a nova temporada da série "Pé na Cova", da TV Globo, e explicou porque deixou de fazer novelas


Miguel Falabella apresenta 'Pé na Cova'
Anderson Borde / AgNews
Miguel Falabella apresenta 'Pé na Cova'

Miguel Falabella reuniu a imprensa nessa terça-feira (18) para apresentar a nova temporada da série  "Pé na Cova", da TV Globo, que deve estrear em 08 de abril. Sem a personagem de Maríla Pêra , que saiu da trama para tratar de um problema de quadril, Ruço, interpretado por Falabella, vai se tornar garanhão. "Ele vai ter um momento pegador. Ele está 'comendo' as cachorras, ele vai 'comer' uma mulher lá que vai morrer. Ele está pegando geral, está solto".

A ausência de Marília será preenchida por um novo ator, Diogo Vilela , quer fará o médico Zoltan. "Gosto de trabalhar com as mesmas pessoas. Eu e Diogo (Vilela) nós entendemos perfeitamente em cena e esse personagem do médico é dificílimo. O doutor Zoltan, que é um médico-monstro, é uma grande sacanagem com a saúde brasileira, que é caótica. Diogo é muito talentoso".

Novela é prisão

"Eu estou feliz, sim. Estou trabalhando, estou gerando emprego. Eu acho que, efetivamente, o que me dá alegria na vida é ver meus amigos, ver gente que é talentosa, trabalhando. Tem tanta gente que ninguém estende a não, sabe? Eu tive tanta sorte na minha vida, sempre alguém me estendeu a mão. Sempre quando eu estava precisando alguém chegou lá e disse: 'vem'. É assim que a gente tem que fazer, assim que vai melhorar. Se não for assim, não tem graça também".

Curta a fanpage do iG Gente e receba notícias dos famosos

O autor e ator da Globo descartou a possibilidade de voltar a escrever novela, como a "Negócio da China". "Eu gosto mais (de seriado), eu não tenho tempo, faço muito teatro. Novela é uma prisão, é um massacre de tudo.  Não quero, não me interessa. E você tem que entregar, senão atrasa, fica todo mundo te ligando, enchendo seu saco. E eu fico nervoso, porque eu sou colega. E meus colegas falam: 'pô, que merda, hein? Que texto ruim pra caraca'. Eu tenho canal direto com todos. Você não liga para um autor para falar 'seu texto está uma merda', mas para mim os colegas dizem", contou, com bom humor.

E de onde Miguel tira inspiração? "De tudo. Eu escuto cada coisa... As pessoas falam muito. As pessoas falam e não ouvem as pérolas, as loucuras. Eu observo, fico de olho. Fico quieto, quietinho, e estou vendo tudo, ouvindo... A vida manda, a vida é maravilhosa. As pessoas são muito loucas (risos). É que infelizmente a nossa cultura vai nos reprimindo, não pode falar disso, não pode falar daquilo".

Nova série

Além de "Pé na Cova", o autor também está escrevendo outra série, "Sexo e Arr Nêga", inspirado na sequência "Sex and The City". "Eu quero intercalar as temporadas (de 'Pé na Cova' e a nova série), se for possível, entendeu? A minha ideia é fazer agora a terceira temporada de 'Pé na Cova', a primeira de 'Sexo e Arr Nêga' seria no segundo semestre, daí volta para a quarta temporada de 'Pé na Cova'".

O próximo trabalho do autor terá uma camareira, uma costureira, uma operária e uma cozinheira. O elenco é Karin Hils , Lilian Valeska , Maria Bia e Corina Sabbas . "Como são quatro cantoras excepcionais e uma delas tem um LP, que era do avô, das The Marvelettes (um grupo negro vocal dos anos 50). E quando elas estão muito ferradas, machucadas, sempre dá tudo errado, elas se veem como as Marvelettes. Eu estou traduzindo grandes sucessos da música black americana para elas cantarem. Estou fazendo traduções populares. Já fiz uma. Tem que ser popular, não faz nem sentido elas cantarem em inglês. Eu acho que é necessário ter esse seriado porque a população negra do Brasil sempre se vê... Ela pode até ser protagonista, mas é sempre o bandido, o pobre, o desgraçado. Nesse seriado, elas são pobres, elas moram na Cidade Alta Cordovil, mas o olhar é o olhar do lúdico. É o olhar de mulheres que gostam de foder, de se arrumar, que querem arrumar um homem... Claro que os bofes delas são pedreiros, mecânicos, são o que elas arrumam lá. Mas os problemas são os mesmo de qualquer mulher. E é lúdico. Elas são arrumadas, elas têm moda, não é uma coisa para baixo. Elas sobrevivem, são sobreviventes como todos nós", adiantou. "Se for bom, eles vão botar na grade. Vai ser bom, então eles vão botar", emendou, rindo.

Novo shape

Miguel exibiu uma silhueta mais magra após perder 6kg por orientação médica. "Eu já emagreci bem, graças a Deus. Eu estava fazendo proteína, porque estava muito gordinho. Eu estava com problema de lombar e o médico falou: 'oh, se você não perder barriga, a dor não vai passar'. Eu estava com um barrigão indecente. Tipo, ou mete ou beija", brincou.

Maturidade

"Honestamente, a maturidade é muito legal, porque as coisas caem no lugar. As minhas vaidades são todas de trabalho. Eu ando assim (camisa, bermuda e chinelo). Claro, se tem que se arrumar, se arruma. Mas não tenho esse tipo de vaidade. A minha grande paixão que eu descubro na maturidade é gente. Eu gosto de gente. Eu não gosto de ver gente mal, eu fico desesperado. Falam que eu trabalho demais. Eu trabalho! Eu não posso ver meus amigos desempregados, gente que eu gosto, gente talentosa, gente da minha idade, gente que talvez não esteja no padrão. Eu meto o pé na porta e digo: 'que padrão, porra?'. Padrão é vida. Meu padrão é vida", falou.

Miguel também fez questão de comentar o beijo gay entre Félix ( Mateus Solano ) e Nico ( Thiago Fragoso ). "Já era mais do que tempo. Tem uma hora que as coisas avançam, o mundo avança. Não adianta ficar na idade média. Os renascimentos virão e virão várias vezes sempre. Os intolerantes não gostam de ser intolerantes. Eles são infelizes, no fundo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.