Elogiado na série "Amores Roubados", o ator conta que a paternidade influenciou sua forma de atuar: "É algo mágico que me fez ficar mais maduro. E quando a gente amadurece, os personagens amadurecem junto"

Só se fala em Cauã Reymond . No ar como o intérprete de Leandro, uma espécie de Don Juan do Sertão no seriado "Amores Roubados", da Globo, o ator de 33 anos desliza na boa onda do sucesso e da maturidade profissional, conquistados com muito esforço, segundo ele.

Surfista nas horas vagas e campeão brasileiro de jiu-jítsu, Cauã diz ainda que a disciplina que aprendeu com o esporte ao longo da vida é outro pilar importante na construção de sua carreira. E também credita o bom momento à parternidade. "É algo mágico que me fez ficar mais maduro e acho que quando a gente amadurece, os personagens amadurecem junto com a gente", disse o pai de Sofia, de um ano e oito meses, de seu casamento com Grazi Massafera

Já livre dos cachos de Leandro para dar vida a seu novo papel na série policial "O Caçador", o ator mostra seu lado crítico ao assistir à atuação com  Dira Paes , Isis Valverde e Patrícia Pillar . "Claro que vendo agora a gente sempre acha que poderia ter feito melhor uma coisa ou outra, mas estou adorando o resultado". Confira o bate-papo: 

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba notícias dos famosos

iG: Esperava tanta repercussão com o personagem Lenadro em "Amores Roubados?"
Cauã Reymond: O projeto é maravilhoso! Fico muito feliz de saber que o público está gostando e acompanhando cada capítulo.

iG: Como foi a preparação para o papel?
Cauã Reymond: Eu me prendi muito aos textos do George (Moura) para construir o Leandro. Fiz também um curso na Associação Brasileira de Sommeliers e aprendi muito com essa experiência. O Fernando, que me deu aulas, me ajudou muito.

iG: Você nota seu amadurecimento profissional no decorrer da carreira?
Cauã Reymond: Acho que segui um caminho natural de amadurecimento, mas batalhei por cada etapa dele e me esforcei para isso. Também recebi ótimos convites e trabalhei com pessoas maravilhosas. Isso tem sido essencial para meu aprendizado como ator.

iG: Está conseguindo assistir à minissérie? Como é ver as cenas já no ar?
Cauã Reymond: Como estou gravando "O Caçador", acabei não conseguindo assistir aos primeiros capítulos na TV, mas vi pela internet e consegui acompanhar outros capítulos. É claro que vendo agora a gente sempre acha que poderia ter feito melhor uma coisa ou outra, mas estou adorando o resultado! A equipe batalhou muito por ele. Afinal, foram três meses de dedicação total ao projeto.

iG: Como está se avaliando nesse papel?
Cauã Reymond: Estou muito feliz com o resultado e com a repercussão do trabalho. Esse é certamente um dos personagens mais fortes e complexos que já interpretei.

iG:  A Vera Holtz contou ao iG que você é muito focado . Acredita que o comprometimento e a seriedade com os trabalhos sejam alguns dos seus diferenciais?
Cauã Reymond: Acho que o comprometimento e a dedicação são essenciais em qualquer trabalho e eu tento me dedicar ao máximo aos personagens e projetos com os quais me envolvo.

iG: A Vera também falou que depois que você se tornou pai, amadureceu mais. Acha que isso realmente aconteceu? Foi o senso de responsabilidade que aumentou? Ou foi porque descobriu uma nova forma de amor que te deixou mais sensível para as artes?
Cauã Reymond: Com certeza ser pai mudou minha forma de ver a vida. É algo mágico que me fez ficar mais maduro e acho que quando a gente amadurece, os personagens amadurecem junto com a gente.

iG: Você é uma pessoa muito determinada e focada no seu sucesso profissional?
Cauã Reymond: Sou muito disciplinado e acho que a experiência com o esporte ajudou bastante a determinar a forma como eu levo minha vida e meu trabalho.

iG: Já está se preparando para um novo trabalho? Está fazendo algum laboratório para isso?
Cauã Reymond: Estamos gravando as primeiras cenas de "O Caçador", nova série da Globo, e estou muito empolgado com o projeto. Agora faço um policial e também tenho muitas cenas de ação. Fiz um treinamento com a equipe da CORE (Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil), que foi importantíssimo para me ajudar a entender a parte física do trabalho da polícia.

Cauã Reymond e a filha, Sofia
AgNews
Cauã Reymond e a filha, Sofia


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.