Aos 33 anos e protagonizando a minissérie de maior audiência da Globo desde 2009, ator conquista de vez seu espaço na emissora. Acha que ele é o galã dessa geração? Vote

Aos 33 anos, Cauã Reymond consolida-se na Rede Globo como um dos principais atores da nova geração. O intérprete de Leandro, uma espécie de Don Juan do Sertão em " Amores Roubados ", ganha o público a cada capítulo com suas aventuras amorosas e o jeito de conquistador barato.

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba notícias dos famosos

O sucesso é indiscutível. Desde 2009, com a minissérie "Maysa", a emissora não alcançava índices tão altos de audiência. De acordo com dados consolidados do Ibope, a minissérie estreou na noite de segunda-feira (6) com 30 pontos de média. O segundo episódio manteve o bom desempenho. Para comparar, "O Canto da Sereia", minissérie exibida em janeiro do ano passado na Globo, estreou com média de 21 pontos.

Os bons índices devem-se, em grande parte, à boa atuação de Cauã. E, embora o mérito não seja só dele (atores são sempre bem amparados por um texto redondo, uma boa direção e talentosos parceiros), o amadurecimento fica nítido ao perceber que, desacompanhada da boa atuação, só a beleza de Cauã não sustentaria o papel.

Com o bom desempenho em cena, o ator conquista espaço para se tornar o grande galã dessa geração. Mas o sucesso e a evolução não são de hoje: esse é o seu terceiro protagonista seguido.

Cauã Reymond estreou na Globo em 'Malhação'
Divulgação/TV Globo
Cauã Reymond estreou na Globo em 'Malhação'

Relembre a trajetória de Cauã Reymond

A estreia de Cauã na Globo foi em 2002, aos 22 anos, em "Malhação", na pele do engraçado Mau Mau. Àquela época, o até então modelo destacava-se pela juventude e vitalidade e ficou no ar por duas temporadas. Na novela das sete "Da Cor do Pecado", de 2004, o personagem Thor Sardinha aparecia constantemente sem camisa por ser surfista e lutador . Mas, de novo, não era só no físico que Cauã conquistava suas fãs - como ator, ele mostrava naturalidade e senso de humor. No mesmo ano, entrou na novela das seis, "Como Uma Onda", vivendo um pescador romântico, outro papel que privilegiava seus inegáveis dotes físicos - Cauã evoluiu de um garotão bonito para um rapaz bonito, saudável e cheio de sex appeal.

Em 2005, em "Belíssima", estreou no horário nobre da emissora e interpretou o "michê" Mateus. Por causa do papel, o corpo sarado também era grande destaque. Porém ele já mostrava serviço como ator: afinal, contracenar com Fernanda Montenegro não é para qualquer um. 

Em 2007, na trama das seis "Eterna Magia", Cauã começou a consolidar-se como ator, vivendo o co-protagonista Lucas Finnegan. Desde então, a carreira só decolou. Em "A Favorita", novela das nove de 2008, mais um co-protagonista: Halley Gonzaga. O personagem vivia conflitos pessoais por ter sido criado por uma cafetina e descobrir que sua mãe biológica era outra pessoa.

Em "Passione", de 2010, mais um destaque: o ciclista profissional e bem-sucedido Danilo Gouveia caía na dependência química. 

Cauã Reymond e Vera Holtz em 'Belíssima', em 2005
Divulgação/TV Globo
Cauã Reymond e Vera Holtz em 'Belíssima', em 2005

Vera Holtz tem três parcerias na TV com Cauã. Eles contracearam em "Passione", em que ele namorava a neta dela, interpretada por Bianca Bin. Em "Belíssima" Vera fazia uma socialite que também se divertia com o personagem de Cauã, o mesmo garoto de programa que terminou a novela com Fernanda Montenegro. Mais recentemente, em "Avenida Brasil", ele era neto de Vera, que fazia a Mãe Lucinda. Para quem não se lembra, Carminha (Adriana Esteves) - a mãe de Jorginho (Cauã) - o abandonou no lixão e foi Mãe Lucinda quem se responsabilizou pela criação do menino.

"Cauã sempre foi um menino focado, desde o primeiro trabalho", lembra ela. "É um grande colega, muito bacana, sabe definir muito bem essa linha de tensão entre o público e o privado, ele tem isso muito claro. Mergulha profundamernte nos papeis, fica realmente envolvido com o personagem, em estado de crialção. Isso faz toda a diferença quando você está contracenando com ele, você sente o Cauã diferente." 

Cauã está deixando o menino de lado e evocando o pai, a identidade paterna. A chegada da filha mexeu com o afeto dele, abriu nova identidade, ele está em processo de expansão." (Vera Holtz)

Vera concorda com a avaliação de que o ator está em processo de expansão, e acredita que a paternidade tem a ver com a sua maturidade pessoal e profissional. "Cauã é lindo e sensual, mas o que eu sinto é que deixou um pouco o menino de lado e evocou o pai, a identidade paterna. A chegada da filha mexeu com o afeto dele, abriu nova identidade, ele começou a expandir, está em um processo de expansão lindo." Vera está acompanhando "Amores Roubados" e gosta especialmente dos momentos em que Cauã contracena com Dira Paes. "O trabalho da Dira é muito maduro, ela tem vivência muito grande de cinema, mas nesse trabalho ela explodiu também e fez uma bela parceria com Cauã. Muito bonito de ver essa explosão dos dois, é muito gostoso ver ele em cena."

O primeiro protagonista de Cauã veio na novela das seis "Cordel Encantado", onde viveu o herói sertanejo Jesuíno Araújo. O trabalho seguinte também foi como protagonista, com o Jorginho de "Avenida Brasil". Em 2013, o terceiro protagonista consecutivo: o Leandro de "Amores Roubados". 

Você acha que Cauã Reymond é o galã dessa geração? Vote.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.