Mateus Solano: "Félix já ultrapassou o beijo gay, expôs feridas"

Ator elogia coragem do autor em retratar romance gay em "Amor à Vida" e conta que recebeu parabéns de Tarcísio, Glória e Tony Ramos após cena de Félix desmascarado

Nina Ramos , iG Rio de Janeiro |

Mateus Solano fala ao iG sobre seu melhor momento na TV como o vilão Félix, de 'Amor à Vida'. Foto: Sérgio Baia/DivulgaçãoFelix é expulso de casa por Pilar, que ainda o pressiona para deixar a presidência do San Magno. Foto: Divulgação/GloboFélix pergunta para Pilar sobre irmão morto. Foto: Divulgação/TV GloboCésar dá surra de cinta em Félix . Foto: Divulgação/GloboFélix apanha de Paloma depois de toda a família descobrir o que ele fez com Paulinha . Foto: Divulgação/GloboFélix apanha de Paloma depois de toda a família descobrir o que ele fez com Paulinha . Foto: Divulgação/GloboCésar dá tapa em Félix. Foto: Divulgação/GloboPilar acolhe Félix. Foto: Divulgação/TV GloboFélix termina caso com Anjinho. Foto: Divulgação/TV GloboFélix termina caso com Anjinho. Foto: Divulgação/TV GloboFélix derrota o pai e assume a presidência do hospital. Foto: Divulgação/TV GloboFélix comemora derrota do pai. Foto: Divulgação/TV GloboPara se vingar de César, Pilar promete presidência do hospital a Félix. Foto: Divulgação/GloboFélix assiste prisão de Atílio e comemora. Foto: Divulgação/TV GloboFélix é chantageado e começa a se arrepender de ter armado sequestro de Paulinha. Foto: Reproduçao TV GloboFelix convence Thales a dar o golpe do baú em Nicole. Foto: Divulgação/GloboFélix vê carrão de luxo de Aline e fica desconfiado. Foto: Divulgação/TV GloboFelix sequestra a própria sobrinha e a abandona em uma caçamba. O vilão ainda não foi descoberto. Foto: Divulgação/TV Globo

De repente, Mateus Solano   está do outro lado da linha! A vida do ator anda tão corrida que para falar com ele só por telefone e sem horário marcado. É quando Félix permite um respiro que Mateus corre para cumprir sua lotada agenda de entrevistas. Apesar da correria, dos "bifes" (trechos grandes de texto) que precisa decorar e do pai que precisa ser para a pequena Flora, sua filha de três anos com a atriz Paula Braun, o ator de 32 anos é puro agradecimento pelo sucesso do personagem de “Amor à Vida” e simpatia pelos incontáveis “parabéns” que recebe a todo momento.

E quer saber qual foi a última ilustre mensagem que recebeu? Ele conta: “recebi um email do Tarcísio (Meira)  e da Glória (Menezes). É nesse nível a resposta do público. O Tony Ramos me ligou! Eu estava com um amigo, o Tony na linha com ele e ele me passou o telefone. É muito bacana mesmo”.

O que o Félix fez não se justifica, mas mostramos o que o levou a fazer esse tipo de coisa. A falta de relação com o pai, o excesso de mimo da mãe… São cenas que mostram que o Félix é um menino, que usa ferramentas de crianças para passar por cima de tudo e todos. Ele precisaria de uma redenção, e para isso só se começasse do zero"

Mateus conversou com o iG  em um dos intervalos da novela das 21h. E se antes o assédio já era grande, desde a última semana a coisa tomou uma proporção ainda maior. A cena em que Paloma (Paolla Oliveira) descobre a verdade sobre o irmão foi a consagração do ator, que é cria de teatro e conseguiu a proeza de colocar as atrocidades do personagem em um nível humano. “Claro, o que ele fez não se justifica, mas mostramos o que o levou a fazer esse tipo de coisa. A falta de relação com o pai, o excesso de mimo da mãe… São cenas que mostram que o Félix é um menino, que usa ferramentas de crianças para passar por cima de tudo e todos. Ele precisaria de uma redenção, e para isso só se começasse do zero”, disse Mateus. Vender hot dog com Márcia (Elizabeth Savalla) significa esse recomeço? “Ah, sim, para ele é a derrocada. É quando ele vai rever os valores, as escolhas que fez.”

O sucesso foi tanto que, óbvio, dominou a internet. Em tempos de redes sociais a mil, o perfil Félix Amargo (Facebook, Twitter e Instagram) tem milhares de seguidores que compartilham as piores frases do homem que salgou a Santa Ceia. “É bacanérrimo e acho que é uma válvula de escape para o politicamente correto. Você pode colocar qualquer frase, a mais ácida, que se tiver a foto do Félix no fundo, tudo bem. Pode. Não só pode como as pessoas gostam. É um lugar onde se pode ser venenoso. A maldade é algo para ser trabalhado, e não reprimido", defendeu o ator.

Tudo isso e muito mais você confere abaixo no bate-papo de Mateus com o iG.

            Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba notícias dos famosos

iG: Você tem uma ideia de quanto tempo grava por semana?
Mateus Solano:  Não tenho uma média, mas é muito a cada semana. Os roteiros vão mudando, sempre surge uma coisa diferente. Alguns dias eu gravo de 9h às 21h, outros vou até de madrugada. É uma rotina sem rotina.

iG: Mas você poderia imaginar que seria essa loucura quando aceitou o personagem, né? A loucura da rotina sem rotina vale a pena?
Mateus Solano:  Ah, vale a pena. O personagem fez sucesso, a novela está bem… Na verdade, não é só pelo sucesso do Félix, mas porque eu estou satisfeito com resultado.

iG: O que você costuma escutar nas ruas?
Mateus Solano:  A recepção é variada e muito legal. É bacana ouvir as frases do personagem, o público é carinhoso, me dá parabéns… Estou muito contente. É uma super satisfação. No domingo (24) eu recebi um email do Tarcísio (Meira) e da Glória (Menezes). É nesse nível a resposta do público. O Tony Ramos me ligou. Eu estava com um amigo, o Tony na linha com ele e ele me passou o telefone. É muito bacana mesmo.

iG: E dá para defender o Félix de alguma maneira?
Mateus Solano:  Desde o início da novela nós apresentamos várias cenas que estão humanizando o Félix, desde quando ele saiu do armário e assumiu ser gay, quando colocou as cartas na mesa e eu digo que caíram as máscaras das pessoas que não queriam admitir aquilo, até traumas de infância que foram explorados. São fatos que estão tornando explicável a atitude dele. Claro, o que ele fez não se justifica, mas mostramos o que o levou a fazer esse tipo de coisa. A falta de relação com o pai, o excesso de mimo da mãe… São cenas que mostram que o Félix é um menino, que usa ferramentas de crianças para passar por cima de tudo e todos. Ele precisaria de uma redenção, e para isso só se começasse do zero.

iG: Vender hot dog é considerado começar do zero para ele?
Mateus Solano:  Ah, sim, para ele é a derrocada. É quando ele vai rever os valores, as escolhas que fez. Se vai voltar ao topo, não sei, só o Walcyr (Carrasco)  sabe como vai prosseguir a história.

iG: A relação dele com o Anjinho (Lucas Malvacini) foi sempre muito intensa. Você teve retorno do público gay sobre o casal? Escutou alguma coisa sobre a falta do polêmico beijo gay no horário nobre?
Mateus Solano: Como não tenho Facebook, não participo tanto de discussões assim e não tenho como te dar essas estimativas. Eu só sei que a aceitação é muito bacana, que o público torce para que o Félix seja feliz e que aprenda alguma coisa. Com o Anjinho, não tenho esse retorno específico, mas acho que o Walcyr fez uma coisa muito bacana e corajosa e que já ultrapassou o beijo gay porque ele expôs feridas muito mais profundas e o Ibope não caiu por isso. É muito satisfatório analisar essa aceitação com a história. Para mim, isso ocupa o mesmo lugar do email do Tarcísio e da Glória, é a minha sensação de missão cumprida.

É uma válvula de escape para o politicamente correto. Você pode colocar qualquer frase, a mais ácida, que se tiver a foto do Félix no fundo, tudo bem. As pessoas gostam. É um lugar onde se pode ser venenoso", sobre perfil falso nas redes sociais

iG: Que retorno imaginava que teria do público em geral?
Mateus Solano:  Como ator, eu tenho a pretensão de fazer com que as pessoas reflitam e, através do pensamento, que aconteça uma mudança mesmo que em nível pequeno. Ouvi experiências de pessoas que tiveram laços reatados na família. Acho incrível poder fazer isso, principalmente na TV. Eu achava que isso pertencia ao teatro, e hoje vejo que não. Já fiz duas novelas, a primeira sobre o universo dos cadeirantes (“Viver a Vida”) e tive ótimo retorno, e agora abordando a homossexualidade e o retorno também é grande. Na verdade, digo que não é só sobre homossexualidade, é sobre a própria liberdade de cada um.

Sérgio Baia/Divulgação
Mateus sobre a mulher. Paula Braun: 'Somos casados há cinco anos e conseguimos manter aquela felicidade do início do namoro'

iG: Bárbara Paz falou, em uma entrevista para o iG, que você conseguiu montar o Félix quando percebeu que ele era teatral. É isso mesmo?
Mateus Solano:  Isso. Eu estava procurando o tom do personagem, que é muito difícil. E eu não posso descuidar até o fim da novela. Muitos personagens te deixam no automático. Eu comparo com um carro, porque uma novela é uma super estrada. Essa é a maior novela, com 221 capítulos. No meu caso, o Félix é um dos pilares dessa história, então vejo nesse caminho que não posso colocar o carro no automático. Desde o início do processo de concepção do personagem, eu tive de ter o cuidado para não cair no lado da galhofa nem no soturno e sombrio demais. Ele é uma feijoada cheia de pedaços de tudo que você pode imaginar. Para ficar gostosa, saborosa, eu tive que ir temperando desde o início, percebendo como dar a liga.

iG: E como temperou essa "feijoada" que é o Félix?
Mateus Solano:  Ele é o cara que estava dentro do armário, mas que usava sempre jargões gays, ele escondeu a homossexualidade de certa forma, mas usava frases e gestos do mundo gay. Fora que é um cara que faz piadas em momentos totalmente incoerentes, e era, ao mesmo tempo, diretor administrativo do hospital. Quer dizer, como criar isso sem fazer todo mundo ao redor virar idiota? A gente tinha de ter credibilidade. Foi o mais difícil no início do trabalho, buscar essa verdade. E eu percebi que o Félix era puro teatro quando fiz a cena em que o Atílio (Luis Melo) coloca ele contra a parede com a história dos contratos. Ele chora e confessa. Ali eu percebi que ele era teatral. Ele é criança no sentido de fazer manha, birra mesmo. Ele pode ser um ser caricato em alguns momentos, e essa amplitude ficou clara nesse ponto. Ali eu entendi o Félix um pouco mais.

Walcyr Carrasco fez uma coisa muito bacana e corajosa e que já ultrapassou o beijo gay porque ele expôs feridas muito mais profundas e o Ibope não caiu"

iG: Quando o Marcelo Serrado fez o Crô em “Fina Estampa”, ele brincou dizendo que se pegava desmunhecando na vida real. E você com o Félix?
Mateus Solano:  Isso é coisa do Serrado, que não sabe direito qual é a dele (risos). Estou brincando. Não, imagina, nós somos atores. Já fiz três personagens ao mesmo tempo, quando fazia os gêmeos em “Viver a Vida” e uma peça de teatro infantil. Claro que, como estou gravando muito, às vezes sou mais Félix do que Mateus. Às vezes faço alguma coisa e as pessoas comentam que é trejeito do Félix. Eu digo que não, que o Mateus já era assim antes (risos). É tudo brincadeira.

iG: Você conhece o perfil Félix Amargo na internet? As frases do personagens fazem o maior sucesso e são seguidas, curtidas e compartilhadas por milhares de pessoas.
Mateus Solano:  Como não tenho perfil nessas redes sociais, eu só conheço quando alguém me mostra. Eu acho que é mais um sintoma feliz, digamos assim, do sucesso do personagem. É bacanérrimo e acho que é uma válvula de escape para o politicamente correto. Você pode colocar qualquer frase, a mais ácida, que se tiver a foto do Félix no fundo, tudo bem. Pode. Não só pode como as pessoas gostam. É um lugar onde se pode ser venenoso. A maldade é algo para ser trabalhado, e não reprimido. Tem que ser assim, senão vira uma panela de pressão, uma bomba-relógio. Todo mundo é malvado também. Na internet, então, se vê isso o tempo todo. A internet é um campo neutro, é todo mundo falando de tudo, muitas vezes covardemente, expondo maldades.

iG: Você ainda está em cartaz com a peça “Do Tamanho do Mundo”?
Mateus Solano:  Estou fazendo viagens com a peça. Tenho Guarulhos (SP), Belo Horizonte (MG), Vitória (ES), Campinas (SP)… E no ano que vem começo a temporada em São Paulo.

iG: E você e Paula (Braun, mulher do ator e intérprete de Rebeca na novela) se cruzam bastante no Projac?
Mateus Solano:  A gente sempre se vê, sim. Acaba sendo bom (dividir profissão e novela), assim estamos juntos. Somos casados há cinco anos e conseguimos manter aquela felicidade do início do namoro. Isso é muito bom.

Sérgio Baia/Divulgação
Mateus sobre o fim de Félix: 'A verdade é que só o Walcyr sabe como vai acabar. Aliás, nem sei se ele sabe ainda. Ele é um autor que respeita muito a opinião do público'

iG: Você acha que o Félix é o personagem que marca o maior momento da sua carreira?
Mateus Solano:  Eu costumo dizer que é o grande personagem da minha carreira porque é o que eu estou fazendo agora. O próximo será grande quando eu estiver fazendo o próximo e assim por diante. É um personagem que eu tenho um carinho e uma paixão enormes, assim como os gêmeos de “Viver a Vida” foram e assim por diante...

iG: Você arrisca um palpite para o final do Félix?
Mateus Solano:  Eu já arrisquei tantos finais e tudo vai mudando… A verdade é que só o Walcyr sabe como vai acabar. Aliás, eu nem sei se ele sabe ainda. Ele é um autor que respeita muito a opinião do público, é assim que faz sucesso e consegue alcançar bons números no Ibope mesmo com a concorrência de outros canais e programas da TV paga. Eu acho que o final será bem parecido com o que a maioria vai querer. Mas ele está caminhando para rever seus conceitos.


Leia tudo sobre: Mateus SolanoentrevistaAmor à VidaiGay

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG