Nascida e criada no morro do Vidigal, no Rio, a atriz, que interpretou a barraqueira Maria Vanúbia em “Salve Jorge”, diz ter orgulho do “seu lugar”

Ela ainda está com mechas longas e loiras, comanda um salto alto como ninguém e rouba a atenção por onde passa. Mas Roberta Rodrigues garante, aos risos: “a entidade Maria Vanúbia já desencarnou de mim”. A atriz, que viveu a barraqueira do morro do Alemão na novela “Salve Jorge”, prepara-se para um novo desafio. Roberta participará de uma das sequências de “Rio Eu Te Amo”, projeto da franquia “Cities Of Love”, e, para sua felicidade, vai poder atuar no lugar de onde veio (e de onde nunca saiu): o morro do Vidigal, na zona sul do Rio.

Curta a fanpage do iG Gente no Facebook e receba notícias dos famosos

“Poder levar o meu lugar para o mundo é uma oportunidade única”, disse a atriz. “Eu sempre representei minha comunidade. Sou nascida e criada ali e vivencio o Vidigal. Acordo, vou comprar pão de pijama, vejo meus amigos, minha família está ali, minha vida é ali... E eu acho um lugar lindo, que abriga pessoas de todo o mundo. Ali, a humanidade é até maior do que de outros lugares que eu convivo. É preciso mostrar que viver em uma comunidade não é como a mídia vende. O morro sempre é retratado com muita violência, como um lugar que não é bom para viver, como se todas as pessoas vivessem do lado ruim. A gente sabe que é 1% desse lugar que, infelizmente, não teve uma oportunidade melhor”, falou ao iG .

Para o filme “Rio Eu Te Amo”, Roberta vai dividir a tela com o veterano Tonico Pereira . Na direção da sequência, o sul-coreano Im Sang-soo dita as ordens da curta história de sete minutos (são 10 diretores que, juntos, integram o projeto final). Como a projeção é internacional, é quase impossível não questionar Roberta sobre uma futura carreira fora do País.

Roberta Rodrigues sobre carreira internacional: 'Queria muito ter a oportunidade de fazer um filme fora'
AgNews
Roberta Rodrigues sobre carreira internacional: 'Queria muito ter a oportunidade de fazer um filme fora'

“Eu acho incrível, queria muito ter a oportunidade de fazer um filme fora, com toda a estrutura que eles têm. Acho um máximo. Aqui no Brasil, com a estrutura e o apoio que nós temos, conseguimos fazer milagre. (Gastar) R$ 2 milhões ou R$ 5 milhões num filme, por exemplo, não é nada se comparado com lá fora. Se eu tiver a oportunidade, quero é mais trabalhar, sim. Gosto de trabalhar, de ter experiência. O ator precisa estar aberto sempre para coisas novas, e seria ótimo.”, disse ela, que começou no grupo de teatro Nós do Morro.

"Vanúbia foi uma entidade"

Com o fim de “Salve Jorge”, Roberta teve a chance de dar atenção para sua carreira como cantora. O seu grupo, o Melanina Carioca, tem 26 shows marcados por mês, para felicidade da artista: “Eu até consegui viajar depois da novela, dei uma descansada, mas agora estou na loucura com a minha banda. Graças a Deus”.

Roberta relembra sua famosa personagem da trama de Gloria Perez , a Vanúbia? “Olha, foi bem difícil para desencarnar dela, viu?", disse, aos risos. “A Vanúbia foi uma entidade. Na época da novela, eu passava na rua e o pessoal pedia para eu falar ‘percoço’ e eu não conseguia repetir com a mesma propriedade do personagem. Só quando eu colocava a roupa dela é que começava a me transformar. Era muito estranho, nem eu me reconhecia”, conta. 

“Quando acabou a novela, fiquei pensando como ia fazer para me desprender daquela mulher. Foi muito forte. Confesso que tenho todo o cuidado, por exemplo, com minhas roupas. Se eu colocar um short e uma blusinha, o pessoal vai relacionar com a Maria Vanúbia. Mas eu, Roberta, gosto de short e blusinha. Eu sou do Rio de Janeiro, nascida e criada no morro, eu gosto de andar assim”, pontuou a atriz.

Fora o estilo, Roberta diz que não tem mais semelhanças com a personagem de gênio forte e frases de efeito na ponta da língua. “Eu não me acho nada parecida com a personagem. Mesmo sendo do morro, ter ido a baile funk, pagode, tudo isso... Ela é um personagem totalmente distante, mas, ao mesmo tempo, muito presente porque vivo nesse meio. Já encontrei, por exemplo, um tipo Vanúbia no Vidigal. Barraqueira igual”, diverte-se.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.