Ator defende seu personagem em "Salve Jorge" e diz que ele é apenas um cara normal

Rodrigo Lombardi conseguiu um tempinho nas gravações de “Salve Jorge” para viajar a São Paulo nesta quarta-feira (3) e participar de um torneio de golfe a convite do banco HSBC. “Pedi essa data para a Globo há um mês, então eles me cederam. Sou bonzinho, né? Não atrapalho, trabalho bastante”, brincou o ator, em um rápido bate-papo com o iG Gente antes de começar a partida.

Siga o iG Gente no Twitter e receba notícias dos famosos em tempo real

O interesse pelo esporte surgiu em 2009, quando Rodrigo atuava em “Caminho das Índias” ao lado de Humberto Martins , um apaixonado pelo golfe e jogador assíduo. “Falei para o Humberto ‘me leva, me leva, me leva’. Ele falou ‘sábado’. E me levou. Não sou um bom jogador, mas jogo sempre que posso”, contou.

Théo é o cara?

Rodrigo falou também sobre seu personagem em “Salve Jorge”, o capitão Théo, que tem sido alvo de comentários na internet. Era considerado ‘o cara’, mas tem traído suas parceiras na trama: ele ficou com a amiga (Marcia, vivida por Fernanda Paes Leme ) da ex-namorada (Érica, interpretada por Flávia Alessandra ) e ainda dormiu com Lívia Marine ( Claudia Raia ), sua inimiga, por vingança. “Não defendo ninguém, todo mundo tem seus defeitos. Ele não é um herói épico, não tem uma trajetória reta como só acontece em contos épicos, com aquela retidão de caráter", explica o ator. "Ele erra como você erra, como eu erro, como todo mundo erra. Toma atitudes impensadas como todo mundo toma. Ele é um cara normal. Acredito que talvez ele não seja ‘o cara’, mas acredito que ‘o cara’ seja um cara normal também”, continuou.

VEJA TAMBÉM: Rodrigo Lombardi: "Quero muito ter outro filho, mas não trabalhando de novo"

Rodrigo diz que não pensa nesse trabalho como um dos mais importantes de sua trajetória, ao lado de Raj, em “Caminho das Índias”. “Todos os papéis são fundamentais na minha carreira. Uns tiveram mais sucesso, outros não, mas todos foram um degrau para um passo maior adiante", compara. "Isso que é o bacana, não enxergo minha carreira assim, em um plano geral, eu sempre olho ‘ali’. Nunca paro para ter um retrospecto da minha carreira e dizer ‘nossa, quanta coisa eu já fiz', porque tem tanta gente que já fez tanto mais que eu, né? Só vou poder olhar daqui pelo menos uns 20 anos. Tenho que trabalhar que nem uma formiga para depois cantar como uma cigarra”, finalizou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.