A apresentadora da Band afirma que vive em um mundo diferente ao das participantes do reality show, diz que sua vida é o trabalho e conta que está solteira, porém "indisponível"


Intensa. É assim que Nadja Haddad se define. Apresentadora do “Zoo”, novo programa da Band, e do “Mulheres Ricas 3.0”, atração exclusiva para a internet, ela costuma dedicar todo seu tempo à profissão. E mesmo após tomar um tiro no ombro durante uma cobertura jornalística não pensou em desistir da carreira. “O jornalismo, para mim, é uma missão. Desistir, não. Mas voltar a fazer polícia, não volto”, afirma ela.

Siga o Twitter do iG Gente e acompanhe todas as notícias dos famosos

Aos 32 anos – nove deles na mesma emissora -, Nadja não é apenas apresentadora. A fluminense já se tornou musa da TV. E também nome de sobremesa. Ela foi eleita Musa da Band 2012 em votação realizada pelo programa “Pânico” e aparece no cardápio do restaurante Paris 6, em São Paulo, dando nome a um grand gateau chocolat ao picolé de morango, com calda de frutas vermelhas e açúcar de confeiteiro. Aliás, mesmo mais magra após uma dieta em que consumia apenas 500 calorias, se confessa uma comilona. “Amo comer, tenho prazer em comer, meu programa preferido é conhecer restaurantes diferentes, culinárias diferentes”, revela. Durante as fotos, claro, não deixou de dar umas colheradas em seu doce.

Uma das mulheres ricas se vestiu inteira de rubi. Para para pensar... nem Swarovski a gente consegue comprar”


Para manter a boa forma, pratica corrida e musculação. E consegue eliminar algumas calorias nas gravações, como quando aprendeu MMA. Nas filmagens, também já mergulhou num tanque para alimentar tubarões e fez a limpeza da área de pinguins de um aquário. “Vem muito mais por aí”, anuncia Nadja, que é sempre pega de surpresa pela produção para encarar esses desafios. 

iG: O que você não faria, de jeito nenhum, nos desafios propostos pela produção do “Zoo”?
Nadja Haddad: A profissão me proporciona desafios que em uma vida fora do jornalismo eu não faria. Alimentar tubarão, por exemplo. Jamais faria de alegre. O que não faria de jeito nenhum é uma coisa bem mulherzinha: qualquer coisa que tenha barata. Pode colocar qualquer tipo de bicho ou inseto. Barata é a única coisa que me desestabiliza e me causa pânico. A primeira coisa que comprei para o meu apartamento foi um inseticida.

iG: Em uma das edições, você praticou MMA. Está fazendo alguma luta? O que faz de esporte para manter a forma, já que está mais magra?
Nadja Haddad: Fiz uma dieta, que se chama dieta do hCG. É uma dieta muito polêmica, em que você toma o hormônio do hCG, que é o hormônio da gravidez. E fiz uma dieta de 500 calorias por dia.

Leia mais: Hormônio da gravidez é usado para emagrecer

iG: Quinhentas calorias?
Nadja Haddad: E vou te dizer uma coisa: amo comer. Meu programa preferido é conhecer restaurantes e culinárias diferentes, receber meus amigos em casa ou visitá-los para fazer um jantar. Mas a TV exige que a gente tenha uma boa forma. Tento fazer atividade física, meu corpo tem que estar em movimento.Hoje faço corrida, musculação, dei um tempo na dança por falta de disponibilidade. Quanto ao MMA, nunca tinha feito. Dei muita risada porque eu dava uns golpes no professor e pedia desculpa. É muito bruto, muito masculino. Não me identifiquei tanto, mas adorei, me senti superpoderosa.

iG: No fim de 2012 você ganhou o concurso Musa da Band e parece ter deixado algumas mulheres da emissora enciumadas. A Adriane Galisteu, por exemplo, brincou  e disse que não sabia que poderia ter feito campanha para pedir votos...
Nadja Haddad: A Galisteu não tinha nem que estar ali. Ela é diva, musa. Ela é imbatível, linda, referência de beleza. Mas acho que o lance do Musa foi muito mais pelo tempo de casa que tenho. As pessoas agregaram minha imagem à emissora. Fico muito mais tempo com meus colegas da Band e me dedicando ao meu trabalho do que na minha vida pessoal. Cheguei em São Paulo há sete anos para trabalhar, minha vida é meu trabalho. Agora que estou aprendendo a lidar um pouco com a Nadja como mulher, o lado emocional. Até então, meu trabalho era sempre a prioridade. Mas eu estava levando o concurso como uma brincadeira. E me divertindo horrores.

iG: Mas existe alguma rixa entre as mulheres da casa?
Nadja Haddad: Nenhuma. Imagina! Não sei nem como surgiu isso porque eu sou superamiga da Mônica ( Apôr ), que também estava na final comigo. Eu e a  Paloma ( Tocci ) convivemos superbem. Acho que criaram isso para ter assunto. 

Minha origem é muito simples. Só pareço fresca, mas não sou nem um pouco. Sou ‘Fiona’”

iG: Você está há quase dez anos na Band e logo no início como repórter você levou um tiro. Você não pensou em nenhum momento em desistir da profissão?
Nadja Haddad: Não. Inclusive esses dias passei pelo lugar onde fui atingida. Nunca mais tinha passado lá. Entrei na rua, na São Clemente, em Botafogo (Rio), e já comecei a prestar atenção. Quando chegou na pracinha onde fui atingida, estava com meus pais no carro, dei um grito e falei: ‘fui atingida ali, quero ver, quero passar’. Minha mãe falou: ‘você tá doida, pelo amor de Deus’. Mas não carrego nenhum trauma emocional. Me causa alguma recordação desagradável quando ouço fogos, porque antes de tomar o tiro, ouvi os fogos. Ainda que tenha passado pelo o que passei, nunca pensei em desistir. O jornalismo, para mim, é uma missão, fazer as pessoas formarem sua opinião, perceberem a informação. Desistir, não. Mas voltar a fazer polícia, não. Principalmente pelos meus pais. Não quero causar neles algo que provoque esse desconforto novamente.

iG: Pretende um dia mudar de emissora?
Nadja Haddad: Se for para mudar, que seja uma proposta muito bacana, para meu crescimento, com investimento profissional. Estou muito confortável na Band. Invisto muito em mim e sei que posso muito mais do que faço hoje. Mas isso é questão de tempo, de merecimento, de preparo. E eu não tenho pressa. Só não quero perder meu tempo.


Nunca disse que namorei o Victor, nunca fomos namorados. Nunca fomos aspirantes a namorados”


iG: Além do “Zoo”, você também apresenta o “Mulheres Ricas 3.0” na internet. A vida delas têm alguma coisa a ver com sua?
Nadja Haddad: Nada. Me sinto uma plebeia. Nasci em Nova Iguaçu, fui criada em Belford Roxo, e fui para em São Paulo. Minha origem é muito simples. Só pareço fresca, mas não sou nem um pouco. Até em uma das entrevistas que dei para o Musa, falei: ‘gente, sou Fiona’. Entrevistei uma das mulheres ricas que disse que estava com um vestido de R$ 15 mil. Falei pra ela: ‘deixa eu tocar?’. É muito fora do meu padrão, do normal. Elas são personagens da vida real. Vivem em um mundo à parte que é completamente diferente e distante do meu. Agora, R$ 15 mil? A mulher se vestiu inteira de rubi. Para para pensar... nem Swarovski a gente consegue comprar (risos).

iG: Costuma levar muita cantada? Já recebeu uma proposta indecente?
Nadja Haddad : Não, nunca! E acho que se isso acontecesse eu daria um tremendo de um fora ou teria uma crise de risos absurda. Nunca me senti desrespeitada e, se meu espaço é invadido, eu breco de uma vez só para nunca mais.

iG: Você já foi apontada como namorada do Victor, dupla com Leo. Qual era a relação de vocês realmente?
Nadja Haddad: Nunca disse que namorei o Victor e me lembro de repórter me perguntando isso. Só somos amigos. Até perdemos o contato, mas nós nunca fomos namorados, nunca fomos aspirantes a namorados. Tenho admiração por ele enquanto profissional, enquanto amigo. Os objetivos dele, a maneira como ele pensa sobre a vida, é muito parecida com a minha. Mas nunca estive perto de namorar e nunca falei isso, isso nunca existiu. E isso me doeu. Por que homem e mulher não podem ser amigos? Isso me magoou, me ofendeu, fiquei muito brava. Até porque, na ocasião, eu estava com outra pessoa.


Se for para mudar de emissora, que seja uma proposta muito bacana, para meu crescimento, com investimento profissional”


iG: E agora, está namorando?
Nadja Haddad: Prefiro dizer que estou solteira e indisponível. Vamos brincar assim? (risos). Quando você vai preencher uma ficha e está lá estado civil, você põe namorando? Você põe: solteira, divorciada ou viúva, não é? Então, estou solteira. Não casei...

iG: E o indisponível é porque não está aberta a relacionamentos?
Nadja Haddad: Não, não estou. Estou com o coração muito bem preenchido, muito bem cuidado, muito bem administrado.

iG: Como você se define?
Nadja Haddad: Nossa, que difícil... Intensa. Sou intensa em tudo o que faço. Sou muito intensa. O que é raso não me satisfaz. A melhor frase para me definir.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.