O apresentador da RedeTV! fala sobre mágoas com a Band e a briga com Datena, sua vida em Orlando e conta que é um chefe “mala pra cacete”

Gilberto Barros está de volta à televisão – e, segundo o próprio, já incomodando os concorrentes. Faz questão de destacar nesse time sua antiga emissora, a Band, de onde saiu brigado e se sentindo traído.

Foram quase quatro anos fora da TV, tempo em que ele viveu em Orlando, nos Estados Unidos, onde tem uma casa e é vizinho do golfista Tiger Woods . “Era um desespero para estar aqui, que é a melhor TV do mundo. Tentava entender o motivo de tudo aquilo, sem achar explicação. Ficava choramingando para os verdadeiros amigos. De repente, dos 100 milhões de amigos, descobri que tinha 4”, conta.

Já dos desafetos, como o apresentador José Luis Datena , fala de forma polida e evita confronto. E também não se intimida de ter que dividir espaço com o apresentador caso ele vá para a RedeTV!. “Eu não entendi o que aconteceu. Pelo amor de Deus, eu não me acho mais que ninguém.” Leia a entrevista completa:

Gilberto Barros apresenta o programa 'Sábado Total'  na Rede TV
Divulgação/ Rede TV
Gilberto Barros apresenta o programa 'Sábado Total' na Rede TV


iG: Você se considera uma pessoa realizada?
Gilberto Barros : Eu nunca falei sobre isto, mas me sinto, sim, uma pessoa muito realizada. Perto dos ricos, eu sou pobre, mas perto da média, posso dizer que sou uma pessoa abastada.

iG: E em que você investe o dinheiro que ganha?
Gilberto Barros : Investi boa parte do que ganhei em imóveis e agora estou tirando deles. Eu não tenho tanto dinheiro para ficar desesperado de não saber o que fazer com tudo. Mas também não tenho pouco a ponto de me esquecer dele.

iG: Uma de suas casas que você possui fica em Orlando, onde passa um bom tempo. Perto de você moram outros famosos, como Amaury Jr, Milton Neves e Silvio Santos. Como é este convívio?
Gilberto Barros : Não posso falar muito dos outros, mas o Amaury é meu vizinho mesmo. Moro lá há 20 anos, o Amaury há 30 anos. Lá posso andar sossegado, de camiseta e chinelo. Cruzo sempre com o Silvio, com a família e os amigos. Até o comportamento, o tratamento é diferente. Não é ‘Oh, Fausto, tudo bem?’. Vai ser ‘E ai, negão, tudo bem?’. Mas minha vida tanto aqui como lá é muito despojada. Minha família é muito simples.

iG: Você também é vizinho do Tiger Woods...
Gilberto Barros : Sim, e eu já o vi sofrendo muito, estava lá na época da porrada da mulher. Fiquei muito triste porque eu conhecia ele. Sou jornalista, não posso falar muita coisa, mas bicho...o que fizeram com ele foi colocar álcool e atearem fogo. Uma judiação, uma palhaçada. Lá, onde ele mora, o bem que ele fez para o bairro, para o campo de golfe, as coisas deles...

iG: Já jogou golfe com ele?
Gilberto Barros : Olha, jogar golfe, não. Não me arriscaria. Eu tenho uns tacos, uns amigos que jogam lá. Mas eu vou naqueles clubes mequetrefes, que a gente paga R$ 46 o dia inteiro. Pessoal dá um balde de bolinhas e só Deus sabe onde elas vão parar.

Não suporto zona de conforto. Não admito acomodação. Liberdade total, desde que façam o que eu quero"

iG: Você fala muito pouco da sua vida pessoal. Faz esforço para blindar sua família?

Gilberto Barros : Nem é blindar. Minha vida é isto mesmo. As pessoas me param na rua, eu apresento minha família normalmente, porque são pessoas normais, simples. Eu não tenho este problema, o problema que eu tenho é o seguinte: ‘que culpa eles têm de ter um pai...’

iG: Famoso?
Gilberto Barros : Não famoso, não sou famoso. Sou artista de televisão. Eu procuro dar para eles uma vida de liberdade. Se começar a aparecer muito, aí quem não vai viver sou eu.

Gilberto Barros com o amigo Amaury Jr. Além de companheiros de emissora (RedeTV!) eles são vizinhos, em Orlando, nos Estados Unidos
Rede TV
Gilberto Barros com o amigo Amaury Jr. Além de companheiros de emissora (RedeTV!) eles são vizinhos, em Orlando, nos Estados Unidos


iG: Você se considera uma pessoa transparente?
Gilberto Barros : Sim, eu não dou tapas nas costas. As pessoas sabem como eu sou: se eu gosto, gosto, se eu digo que eu não gosto, não gosto, mas dentro da normalidade. Não sou um cavalo. O que estou dizendo é o seguinte: eu me doo muito. Quando o cara é meu amigo, é meu amigo. Eu me entrego e é um problema para mim.

iG: Hoje se entrega menos?
Gilberto Barros : Sim, e talvez se o seu João (Saad, fundador na Band e pai de Johnny Saad, atual presidente) estivesse aí, eu não teria passado pelo que passei. Me dediquei à Band. O Seu João era ponta firme, um dos meus ídolos. Era intocável, na conduta profissional e principalmente pessoal. Pena que nem todos são assim.

Ela tem que me respeitar e me obedecer, porque eu sou mais velho, mais experiente (risos)", sobre o programa que apresentará com Daniela Albuquerque

iG: Você foi demitido da Band em 2008 em uma situação chata...
Gilberto Barros: Por que foi chato, se foi mostrado quem é quem? Se você saiu de onde não te queriam? A pior coisa que tem é você estar onde você acha que te querem, mas não te querem. Isto é ruim demais. O universo conspira contra ou a favor, só depende de você. Aliás, veja, tudo que eu falei, foi pensando positivo. O ser humano é muito complexo, cada um tem sua razão para agir daquela forma. Eu errei muito, a culpa é minha.

iG: Na época que você ficou fora do ar, como era sua rotina?
Gilberto Barros: Ficar observando. O que eu poderia fazer, ficar procurando e não achar nada? Ficar zapeando os canais lá (nos Estados Unidos) e achando tudo uma droga? Era um desespero para estar aqui, que é a melhor TV do mundo. Tentava entender o motivo de tudo aquilo, sem achar explicação. Ficava choramingando para os verdadeiros amigos. De repente, dos 100 milhôes de amigos, descobri que tinha 4.

iG: E como é sua rotina hoje?
Gilberto Barros: É punk, poderia desacelerar, mas não consigo deixar de trabalhar.

iG : Mas devia ser mais desgastante quando você trabalhava seis vezes por semana, não? Hoje seu atual programa é semanal...
Gilberto Barros : Não, não era. Empregada não trabalha todo dia? Tem gente que fala que é desgastante, mas desgastante é ela que lava, passa...

iG: Você tem vontade de ter programa diário?
Gilberto Barros : Eu não tenho estas vontades. Seu eu achar legal, tiver a necessidade, se for compensador tudo bem. Só não gosto de programa comprado, igual ao que eu fiz na Band (“A Grande Chance”). Era horrível, me sentia preso, era podado.

Gilberto Barros foi um dos convidados do programa 'Superpop' apresentado por Luciana Gimenez, sua colega de emissora
Divulgação/RedeTV!
Gilberto Barros foi um dos convidados do programa 'Superpop' apresentado por Luciana Gimenez, sua colega de emissora


iG: Mas você reclamava?
Gilberto Barros : Mais ou menos. A situação ali já estava deteriorada.

Tentava entender o motivo de tudo aquilo, sem achar explicação. Ficava choramingando para os verdadeiros amigos. De repente, dos 100 milhôes de amigos, descobri que tinha 4”

iG: Você se vê como um funcionário respondão ou um funcionário obediente?

Gilberto Barros : Sou um funcionário comportado, padrão. Sou obediente à casa. Não quer dizer que eu aceite tudo, mas não sou daquele que fala ‘não faço isto, só faço aquilo’.

iG: Que tipo de chefe você é?
Gilberto Barros
: Sou mala pra cacete! Às vezes até mal educado. Não suporto zona de conforto. Hoje já dei uma estrilada. Acendo um fósforo para ver para que lado a bomba vai explodir. Não admito acomodação. Liberdade total, desde que façam o que eu quero (risos), que é estar atento. Ganham bem, brigo por eles. Do mesmo jeito que vai, precisa voltar.

iG: Você se preocupa em disputar um lugar no Ibope com a Band?
Gilberto Barros : Olha, você precisa acompanhar desde a estreia o comportamento da minha audiência. A Band está onde ela merece estar (aponta para a sola do sapato).

iG: Qual sua pretensão de audiência? Atualmente sua média é de 3 pontos.
Gilberto Barros : Eu coloquei como meta cinco pontos e eu vou chegar lá.

iG: Você se preocupa com a situação da RedeTV!, que tem atrasado o salário dos funcionários?

Gilberto Barros : É... a barra pesou. Muitos me disseram ‘vai para a segunda opção, vai para terceira, para qualquer uma menos ali’. Mas eu sonhava em vir para cá. Era um desejo. Eu sou sagitariano, gosto de desafio, de concorrência. Gosto muito. Dei uma cutucada aí, foi uma correria na concorrência para mudar a programação. Até a grandiosa (Globo) mexeu, colocou o programa 10 minutos antes. Que pretensão a nossa, mas é pretensão mesmo. Eu uso até como discurso, como estímulo para equipe.

iG: Há a chance de você dividir o palco com a Daniela Albuquerque. Se pudesse escolher, seria com ela ou com a Luciana Gimenez?
Gilberto Barros : Fico com a Daniela, a Luciana não precisa. A Luciana já sabe o que fazer, já aprendeu.

Não sou famoso. Sou artista de televisão. Eu procuro dar para minha família uma vida de liberdade. Se começar a aparecer muito, aí quem não vai viver sou eu"

iG: E como vai ser o formato do programa?
Gilberto Barros : Estamos escrevendo, estudando, conversando com minha amiga. Porque aquela não é a Daniela do Amílcare (Dallevo, presidente da RedeTV! E casado com a apresentadora). É a Daniela, minha amiga. E ela tem que me respeitar e me obedecer, porque eu sou mais velho, mais experiente (risos). Queriam começar agora em outubro, mas eu disse ‘não, vamos olhar primeiro’. Eu não faço nada que eu não quero. Se eu não visualizo o programa, não faço. A Daniela é uma mulher linda, competentíssima, interessada, humilde suficiente para dividir palco comigo. E ela não precisaria se não quisesse.

iG: Dizem que a humildade é o maior adjetivo dela.. .
Gilberto Barros : É, mas eu já acho outra coisa (com as mãos faz o desenho do corpo feminino). Eu a acho maravilhosa. Mas ela é esposa do meu chefe querido e amigo (risos).

iG: Você ficou marcado por fazer programa policial diário. Voltaria a fazer?
Gilberto Barros : Eu faria, mas era muito duro. Na época, as mulheres me viam e falavam “Delegado, vai lá em casa, tem um cara dando porrada em mim”. Eu te confesso: foi o pior da minha vida. Foi horrível.

José Luis Datane, com quem Gilberto Barros teve um desentendimento no passado e talvez posso trabalhar na RedeTV! também
Divulgação
José Luis Datane, com quem Gilberto Barros teve um desentendimento no passado e talvez posso trabalhar na RedeTV! também

iG: O Datena tem negociado com a RedeTV! e vocês já brigaram no passado. Como seria seu convívio com ele? (Datena e Gilberto discutiram feio em uma churrascaria de São Paulo, em maio de 2009)
Gilberto Barros : Eu não tenho nada contra ele. Ele que tem contra mim. Mas se ele vier, ele vai ficar na sala dele e eu na minha, vai fazer o programa dele e eu vou fazer o meu.

iG: O que aconteceu entre vocês?
Gilberto Barros : Eu não entendi também. Aconteceu e não procurei saber resposta também. Pelo amor de Deus, eu não me acho mais que ninguém.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.