Série do GNT explora fantasias sexuais das mulheres. Confira outras séries, novelas e filmes que fazem o mesmo, como "Sex and the City" e "Aline"

A GNT estreou na semana do Dia Internacional da Mulher a série “ Desnude ”. Com uma temática pouco explorada na televisão, a série retrata o desejo sexual feminino, contando uma história nova a cada episódio. Ao contrário do que costuma ocorrer na dramaturgia, a mulher deixa de ser o objeto sexual e se torna protagonista de suas fantasias.

Leia também: Nova série do GNT, “Desnude” desbrava os desejos sexuais femininos

Divulgação
"Sex and The City" foi uma das séries que se dedicou a falar sobre os desejos sexuais femininos

O tema, pela perspectiva da mulher, é pouco explorado no geral, mas alguns produtos, desde séries a filmes e novelas, já trataram sobre o desejo sexual da mulher em primeiro plano, e sem tabus. Por isso, selecionamos algumas produções com essa temática que valem a pena conferir: 

Leia também: Relembre as minisséries que tiveram cenas ousadas de sexo na Globo

"Sex and The City"

Reprodução
"Sex and the City"

A série da HBO que durou seis anos foi pioneira em vários sentidos. Com o enfoque em quatro mulheres, ela explorava seus sonhos, planos, vida profissional, amorosa e, claro, seus desejos sexuais. Samantha (Kim Catrall) sempre foi muito aberta sobre suas fantasias e seu apetite sexual mas, cada uma delas a seu jeito foi se encontrando no sexo e colocando suas prioridades em primeiro lugar. Além disso, elas falavam normalmente sobre penetração, sexo oral e outros assuntos pouco discutidos por mulheres na televisão.

"De Pernas para o Ar"

Divulgação
"De Pernas para o Ar"

O filme de Ingrid Guimarães pode não ser uma grande obra cinematográfica, mas além das boas risadas, o longa tenta desfazer essa ideia de que mulher não pode se masturbar ou falar sobre isso. Ao tornar a masturbação feminina um negócio vendo brinquedos sexuais, o filme exalta o prazer da mulher e quebra o tabu de que esse deve ser um assunto velado.

"Broad City"

Reprodução
"Broad City"

As amigas Abbi (Abbi Jacobson) e Ilana (Ilana Glazer) são duas amigas que moram em Nova York e, como muitos jovens nos seus 20 e poucos anos, tentam encontrar seu lugar no mundo. Entre amores, trabalho e o uso excessivo de drogas, as amigas (principalmente Ilana) não têm medo de explorar sua sexualidade , sozinhas ou acompanhadas. Elas falam de masturbação sem constrangimento, experimentam nas posições e nos lugares onde transam e entram em dilemas sexuais com novos parceiros. 

"Os Normais"

TV Globo
"Os Normais"

Vani (Fernanda Torres) e Rui (Luiz Fernando Guimarães) estão juntos há bastante tempo. Por conta disso, a relação pode dar uma esfriada. Mas, a intimidade entre os dois permite que eles falem sem pudores sobre sexo – o deles e o dos outros. Vani fala sobre o assunto sem medo de julgamento, de maneira honesta e divertida, como poucas personagens femininas na TV.

"Chewing Gum"

Reprodução
"Chewing Gum"

Transar é o principal objetivo de Tracey (Michaela Coel), uma jovem pobre que mora nos subúrbios de Londres. Com uma mãe religiosa que acredita em sexo só depois do casamento, ela decide se desprender e perder a virgindade logo. Embora a tarefa seja mais difícil que pareça, ela encontra um parceiro e tenta de tudo: sexo a três, oral, brinquedos sexuais, casa de swing e o que mais possa funcionar.

"Tieta"

Divulgação/TV Globo
"Tieta"

Tieta (Betty Faria) era uma mulher a frente do seu tempo, principalmente para a população de Santana do Agreste. Ela é justamente escorraçada da cidade por seu comportamento, considerado por muitos inapropriado. Anos depois, ela retorna e deixa a cidade de ponta cabeça, principalmente por conta de seu desejo sexual, já que ela acaba se envolvendo com o próprio sobrinho, que estava estudando para ser padre.

"Masters of Sex"

Divulgação
"Masters of Sex"

Se mulheres falando de sexo em 2018 ainda pode ser um tabu , imagina nos anos 1950? Lizzy Caplan interpreta a psicóloga Virginia Johnson, que dedicou sua carreira a pesquisar a sexualidade humana. Sua pesquisa ao lado de William H. Masters foi pioneira e bastante liberal para a época: as pessoas estudadas por ambos consentiam em fazer sexo ou se masturbar em seu laboratório, para que eles medissem suas respostas durante o processo. Mais do que liberar sua sexualidade, Johnson a estudou quando poucas mulheres o faziam.

"Presença de Anita"

Divulgação/TV Globo
"Presença de Anitta"

Anita (Mel Lisboa) é uma menina jovem, sensual e misteriosa que sabe disso e usa seu charme para conquistar homens mais velhos. Ela se envolve com um homem casado, Nando (José Mayer) e com o jovem Zezinho (Leonardo Miggiorin), fazendo o que bem deseja com ambos.

"Two Broke Girls"

Divulgação
"Two Broke Girls"

Caroline (Beth Behrs) é a típica menina rica e certinha. Max (Kat Dennings) é pobre, não tem família e tem que batalhar pra se sustentar. Enquanto a primeira é bem reprimida, a segunda tem vários parceiros e parceiras sexuais, e não esconde de ninguém a boa relação que tem com o vibrador. Além de falar de sexo com casualidade, Max acaba ajudando Caroline a ser menos reprimida e mais liberal sobre o assunto.

Leia também: 10 séries para não assistir em família

"Aline"

Divulgação
"Aline"

Embora o poliamor seja tema de muitas reportagens e até alguns programas de TV, o estilo de vida ainda é mal visto pela sociedade no geral. Por isso, “Aline” também é uma série original, não só por mostrar esse tipo de relacionamento, mas por mostra-lo por meio de uma mulher envolvida com dois homens. Mesmo com as críticas que enfrenta, Aline (Maria Flor) faz de tudo para viver seu desejo sexual e amoroso em paz.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.