“We Found Love”, novo vídeo da cantora foi considerado impróprio para exibição antes das 22h na França

Cenas do clipe proibido de Rihanna
Reprodução
Cenas do clipe proibido de Rihanna

Lady Gaga não é a única que está seguindo os passos de Madonna quando o assunto é polêmica. Segundo o jornal britânico “Daily Mail”, as autoridades francesas proibiram a exibição do novo clipe de Rihanna , “We Found Love”, para antes das 10 horas da noite, por "promover comportamentos auto-destrutivos aos jovens".

VÍDEO: ASSISTA AO CLIPE CENSURADO

O Supremo Conselho Audiovisual da França considerou as imagens de sexo muito sugestivas e alertaram sobre as referências à violência, uso de drogas e cigarro.

Siga o iG Gente no Twitter e receba as notícias das celebridades em tempo real

Não é a primeira vez que um vídeo da intérprete de "Umbrella" é censurado. Em fevereiro deste ano, “S&M”,que continha imagens de sadomasoquismo, foi proibido nos Estados Unidos, na Inglaterra e em mais 11 países.
Alguns meses depois, com o lançamento de “Man Down”, em que a cantora aparece disparando um tiro na cabeça de um homem, Rihanna entrou na mira do Parents Television Council, que afirmou que ela “perdeu uma oportunidade de ouro para mandar uma mensagem importante para as vítimas de estupro e violência doméstica”.

No entanto, Rihanna parece não se importar muito com a censura. Na ocasião, ela comentou as críticas à "Man Down" no Twitter e mandou um recado aos fãs. "Eu amo vocês! Amo que vocês entenderam a minha mensagem. É isso que importa." A cantora ainda não se manifestou sobre a nova proibição.

 A popstar não se abala com as críticas e continua chamando a atenção. Nesta terça-feira (22), foram divulgadas fotos do ensaio que devem estampar seu novo álbum "Talk that talk". Nas imagens, mãos femininas cobrem os seios de Rihanna. 

 VÍDEO: ASSISTA AO CLIPE CENSURADO

Gravadora divulga fotos do ensaio oficial do novo álbum de Rihanna
Divulgação
Gravadora divulga fotos do ensaio oficial do novo álbum de Rihanna

    Leia tudo sobre: rihanna
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.