Ator falou ainda sobre o casamento em casa separada, da postura mais gentil com a imprensa e do sonho de interpretar Cássia Eller

“Tem uma porrada de fatores que determinam o momento de se ter um filho, mas o maior deles é o momento da mulher
Claudio Augusto
“Tem uma porrada de fatores que determinam o momento de se ter um filho, mas o maior deles é o momento da mulher", diz Paulo Vilhena

Paulinho Vilhena amadureceu na frente de seu público. Aos 33 anos, casado, ator bem-sucedido e homem de negócios, Vilhena  assume ainda, numa conversa franca com o iG Gente , que tem uma nova postura, principalmente com a mídia, com quem teve uma relação conturbada no passado. “Hoje a imprensa é mais clara para mim. Vejo qual é o papel dela nessa ponte entre público e artista. "

O marido da atriz Thaila Ayla , que optou por viver em casas separadas após a troca de alianças, divide a função de atuar com a de empresário: toca pessoalmente sua grife de roupas, The Candy Shop Flavor, e a produtora Doors. “Com a própria visibilidade que você tem te aparecem outras vertentes. Acompanho tudo de perto quando estou em São Paulo e cumpro com minhas obrigações”, disse ele na noite dessa quinta-feira (15), durante o lançamento de coleção da 7 For All Mankind, no Shopping Iguatemi, em São Paulo. Além disso, acalenta dois sonhos: ter um filho para ensinar a pegar onda e interpretar a cantora Cássia Eller no cinema.

Casados, mas em casa separadas

O ator ainda é dono de um estilo de vida peculiar e encontrou na mulher uma parceira de afinidades. Avesso aos holofotes, mas nem tanto como no passado, o casal optou por continuar a morar em casas separadas mesmo depois do casamento, que aconteceu em segredo. “É uma coisa genuína. Cada um tem uma vida e a gente tem a nossa. Quando tudo se mistura, perde-se o charme, perdem-se algumas coisas que na vida individual é primordial para você manter a sua integridade, personalidade e valores. Você ter isso próprio é muito importante para relação”, explicou ele.

“Já tive muito ciúme e nunca foi bom porque atrasa a relação e cria um monte de arestas”
Claudio Augusto
“Já tive muito ciúme e nunca foi bom porque atrasa a relação e cria um monte de arestas”
“Nós juntos temos as nossas qualidades, nosso potencial, mas também é muito legal você olhar pra sua mulher e ver o que é dela e isso não é falta de nada, é excesso de admiração. Não quero que ela perca isso e acho que ela também não quer que eu perca o que a gente sempre teve desde a época em que a gente se conheceu”, completou. “A Thaila só é a pessoa mais importante da minha vida”, acrescentou ele, que em seguida descontraiu: “Fora minha mãe, né?”

Filhos e ciúmes

Vilhena prefere não apressar a hora certa para ser pai. “Tem uma porrada de fatores que determinam o momento de se ter um filho, mas o maior deles é o momento da mulher. Posso eu querer muito, mas ela pode achar que não é o momento. E aí? Tem que ser respeitado o 'timing' dela”, disse ele, que treina a paternidade com o sobrinho e a afilhada. “Se de repente acontecer, estou preparado. Vamos nessa.”

Sobre o sexo do futuro bebê, o ator se empolga por ser pai de menino, a princípio. “É aquela história, com saúde o que vier está bom”, disse. “Mas eu queria ter um moleque pra estar comigo na praia, pegar onda junto. Um menino é mais uma companhia. Também rola ser uma menina, mas acho que serei um pai ciumento”, disse, aos risos.

Questionado se sente ciúmes de Thaila, Paulinho admite que o sentimento ficou no passado. “Já tive muito e nunca foi bom porque atrasa a relação e cria um monte de arestas”, disse. "Ela nunca me deu um motivo e confio nela”, completou.

“Hoje a imprensa é mais clara para mim. Vejo qual é o papel dela nessa ponte entre público e artista. Às vezes, um sorriso, um olhar,  pode ser a minha contribuição
Claudio Augusto
“Hoje a imprensa é mais clara para mim. Vejo qual é o papel dela nessa ponte entre público e artista. Às vezes, um sorriso, um olhar, pode ser a minha contribuição"

Queria ter um moleque pra estar comigo na praia, pegar onda junto. Se for menina, acho que vou ser um pai ciumento", sobre filhos

Gentileza gera gentileza

Outra mudança de Paulinho é a sua relação - de altos e baixos - com a imprensa. Ele já cuspiu em um dos integrantes do "CQC", da Band, e brigou com alguns fotógrafos que o clicaram em momentos de intimidade com a mulher na praia. “Hoje a imprensa é mais clara para mim. Vejo qual é o papel dela nessa ponte entre público e artista. Às vezes, um sorriso, um olhar ou uma palavra pode ser a minha contribuição ao próximo. Pela função que eu tenho dentro de uma sociedade, independente de ser ator ou não, a tal gentileza gera gentileza, é uma máxima que funciona pra sociedade em geral. Como ator, se eu posso propagar isso de alguma maneira, é assim que eu penso hoje. Me coloco hoje assim.”

Quando tudo se mistura, perde-se o charme, perdem-se algumas coisas primordiais da vida individual, a integridade", diz, sobre viver em casas separadas

Críticas e Cássia Eller

Já sobre as críticas sobre sua performance como ator, ele jura sempre tirar proveito da situação. “Acho que tem críticos e críticos de determinados níveis. Se é simplesmente uma coisa gratuita, não me atinge. Agora, se tem fundamento, um embasamento, vou renovar, estudar e tentar entender e olhar para o meu trabalho para perceber onde eu deixei alguma coisa faltando.”

Este ano Paulinho prepara-se para atuar no teatro e no cinema. Ele será um "romântico criminal" na comédia “Meet Summer”, previsto para entrar em cartaz em meados de julho em São Paulo. Já no drama “A Pele do Cordeiro”, longa de Paulo Morelli e Pedro Morelli , viverá um chef de cozinha frustrado.

Cássia Eller é minha ídola maior", diz ele, que sonha em interpretá-la no cinema

Antes de seguir a carreira artística, Paulinho quase se enveredou para a área da medicina, mas a vida o levou para as Artes Cênicas. "Assistia a tudo na TV, mas nunca havia pensado em me tornar ator", contou. Certo de sua escolha profissional, seu maior desafio - que espera enfrentar algum dia - será realizar um sonho: interpretar Cássia Eller no cinema. “Ela é minha ídola maior, uma artista de primeira grandeza, mulher de personalidade extrema, genuína e que foi uma referência pra mim de personalidade”, disse. “No fundo, tenho uma coisa muito parecida com ela na intimidade. A coisa de ser um pouco bicho do mato e que ama passionalmente”, comparou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.