Robert Russel ressaltou que o médico também salvou sua vida

Conrad Murray na prévia do julgamento, em janeiro deste ano
Getty Images
Conrad Murray na prévia do julgamento, em janeiro deste ano
Nesta sexta-feira (30) a Corte Superior do condado de Los Angeles encerra a primeira semana do julgamento de Dr. Conrad Murray , acusado de homicídio culposo – quando a pessoa não tem intenção - pela morte de Michael Jackson no dia 25 de junho de 2009.

Siga o iG Gente no Twitter e receba as notícias das celebridades em tempo real

Este quarto dia começou com o depoimento do médico Robert Johnson , especialista em aparelhos médicos, que apenas explicou sobre o funcionamento dos equipamentos utilizados nos pacientes.

LEIA MAIS: Foto de Michael Jackson morto é apresentada no julgamento

A segunda pessoa a depor foi Robert Russell , gerente de vendas e paciente de Conrad Murray. À promotoria ele disse que Dr. Conrad salvou sua vida, porém se sentiu deixado de lado quando o médico passou a atender o Michael Jackson. “Sofri um ataque cardíaco e precisei de uma cirurgia e Dr. Conrad salvou a minha vida na emergência do Hospital Spring Valley”, revelou ele. “Mas me senti abandonado quando Dr. Conrad Murray largou a clínica para cuidar exclusivamente de Michael Jackson”, contou.

Michael Jackson em uma maca
Reuters
Michael Jackson em uma maca

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.