Há seis meses morando em Nova York com o marido americano, Carlos Keynes, ela falou sobre os frequentes vídeos postados no YouTube

Nana Gouvêa
Facebook/Reprodução
Nana Gouvêa
Feliz com sua nova rotina em Nova York, Nana Govêa tem se dedicado ao inglês, à família e também aos frequentes vídeos postados no Youtube gravados por seu marido, o agente artístico americano Carlos Keynes , que sempre repercutem nas redes sociais. A atriz de 36 anos conversou com o iG sobre as gravações e ainda conta um pouco de sua rotina fora do país.

Siga o iG Gente no Twitter e acompanhe todas as notícias sobre sua estrela favorita

Há seis meses na cidade americana, Nana disse que não sente saudade do assédio dos paparazzi que sofria no Brasil e ainda não faz questão de ser reconhecida por lá. Segundo ela, o importante é ser feliz e continuar vivendo ao lado de seu marido, independentemente de assinatura de papel para oficializar a união. Keynes tem três filhos do casamento anterior e convivem com Nana.

LEIA MAIS: Nana Gouvêa em NY: “É uma experiência nova ter marido”

Sobre os vídeos polêmicos e com várias caracterizações e atuações diferentes, Nana assegura que eles não passam de um hobby de seu marido. Confira o bate-papo:

iG: Você tem postados diversos vídeos no YouTube, sempre com temáticas diferentes. Qual é o seu objetivo com essas gravações?
Nana Gouvêa: Esses vídeos são um hobby, não tenho nenhuma intenção profissional com eles. E nem é um sonho meu, é um hobby do meu marido. Ele adora gravar, não tem uma coisa muito programada. É para ser engraçado mesmo, pra ser divertido. Não sou daquele jeito, vestida de diabinha, aquilo tudo é um personagem. Tem texto, tem diálogo, não é uma bailarina do Teatro Municipal, é uma coisa ridícula, estou passando uma mensagem com essas gravações. Eu não ligo para o que falam de mim e em todos os vídeos você encontra uma mensagem.

Nana Gouvêa com o marido, Carlos Keynes
Reprodução/ Facebook
Nana Gouvêa com o marido, Carlos Keynes
iG: Já que você diz que tudo não passa de um personagem, você tem intenção de ser atriz?
Nana Gouvêa: Não tenho a intenção de ser atriz. Eu sou atriz. Sou formada desde 1996. Fiz uma faculdade, não só um curso. Me formei na antiga Faculdade da Cidade no Rio de Janeiro, eu não brinco de ser atriz. Mas aqui eu vivo outro momento, só estudo inglês. Faço quatro horas de aula por dia.

iG: Você fica inibida na hora de gravar os vídeos?
Nana Gouvêa: Não tenho nenhuma vergonha porque é um momento muito íntimo, sou só eu e o meu marido. Sem contar que a câmera fica quieta, não fala nada. Depois que nós dois gravamos, ele vai para o estúdio dele e edita tudo, é um barato dele mesmo. Ele que bola as roupinhas, os lugares. Isso é muito legal, ele é empolgado de verdade. E a gente se diverte fazendo isso.

iG: Como vê a repercussão dos vídeos?
Nana Gouvêa: Estou longe do Brasil, então não vejo essa repercussão toda. Aqui tenho uma vida normal. Vou para as minhas aulas de inglês, pouco acesso a internet e não fico por dentro de tudo o que acontece, não tenho como medir nas ruas, pois estou longe. O pouco tempo livre que tenho, a gente grava os vídeos e edita. Tenho me envolvido muito com isso. Também tenho que cuidar das crianças (filhos do Keynes) e do meu marido, é bem corrido por aqui, mas vamos fazer outros vídeos.

Esses vídeos são um hobby do meu marido. Ele adora gravar"

iG: E então o que você mais gosta de fazer na carreira de atriz?
Nana Gouvêa: Sou uma atriz atuante. Nunca passei um só ano da minha vida sem fazer um trabalho na televisão. Sempre participei de alguma novela, de uma minissérie, de participação em algum especial. E mesmo nos vídeos em que eu não falo, você encontra uma interpretação. Apareço caracterizada, dançando.

iG: Te incomoda ser rotulada como dançarina ou modelo em vez de ser chamada de atriz?
Nana Gouvêa: O que me diferencia é esse rótulo de mulher bonita, sensual, que colocaram. Muitos dizem: “Ela é bonita, sensual, então vamos chamar de modelo”. Mas a mulher bonita também pode ser médica, advogada, engenheira, escritora. Acho que isso tudo é um preconceito. Até porque não sou modelo. Definitivamente não desfilo, não faço fotos para revistas de moda, você não me encontra em casting de agência de modelo. De certa forma, isso tudo é um elogio, uma massageada no ego, mas não é a realidade.

Assista: Nana Gouvêa deseja "feliz Natal" em inglês

iG: Você gostaria de ser reconhecida como atriz?
Nana Gouvêa: Não faço questão nenhuma. É tudo rótulo: de ser atriz séria ou então ser aquela pessoa que posa nua. É tudo muita bobagem, acho que não precisamos disso. As pessoas querem se mostrar demais. É muita vaidade nesse meio.

Nana Gouvêa:
Reprodução
Nana Gouvêa: "Sou sapeca", diz ela em um de seus vídeos
iG: Tem planos de fazer carreira internacional já que mora em Nova York?
Nana Gouvêa: Sempre fui muito feliz, muito alegre, não importa o local em que eu estivesse. Mas hoje posso dizer que sou uma pessoa completa porque antes não tinha uma família. Sou responsável pelos meus filhos, continuo trabalhando muito, cuido do meu marido. E ainda tenho ido ao Brasil frequentemente para fazer trabalhos.

iG: Você sente falta de sair nas ruas e ser reconhecida?
Nana Gouvêa: Não sinto nenhuma falta das pessoas me tietando nas ruas, nem dos fotógrafos me seguindo. Aqui tenho liberdade.

iG: Sente saudades do carnaval?
Nana Gouvêa: Não gosto muito mais de carnaval, não tenho mais paciência para isso. Sem contar que dá muito trabalho. Definitivamente, não quero mais carnaval. Deixo isso pra quem quiser. Até porque eu tenho tanta coisa pra fazer por aqui... Tenho que cuidar de casa, do bebê, das crianças, tenho que fazer minha ginástica, tenho que falar com a minha família no Brasil.

A Sarah (Jessica Parker) é de uma humildade extrema, de uma simpatia sem tamanho"

iG: Você posta no Twitter fotos com artistas internacionalmente conhecidos. Continua frequentando grandes eventos?
Nana Gouvêa: A gente continua indo aos eventos. Eu, particularmente, vou apenas para acompanhar o Carlos, porque ele é um empresário que leva os artistas aos eventos. Não vamos só pra curtir. Ele vai trabalhando de verdade, envolvido pessoalmente. E muitos dos artistas que aparecem são da agência dele. Por isso eu fico no meio deles e tenho esse contato.

iG: Desses artistas que você encontrou, qual a deixou mais emocionada?
Nana Gouvêa: Acho que foi a Sigourney Weaver . Ela é fantástica. Adorei. Ela é muito educada, atenciosa, uma pessoa muito pra cima. Adorei falar com ela. A Sarah ( Jessica Parker ) é de uma humildade extrema, de uma simpatia sem tamanho. E o Danny Aiello , então? Ele é de chorar de tanto rir, faz piada de tudo, o tempo inteiro, conversa de igual para igual.

Nana Gouvêa atua no novo vídeo
Reprodução/Youtube
Nana Gouvêa atua no novo vídeo

iG: Você já está fluente no inglês?
Nana Gouvêa: Ainda estou aprendendo, estou estudando bastante. Aqui eu não falo nenhuma outra língua. Estou bem na gramática, sei escrever. Mas vou fazer aula pra tirar o sotaque de brasileira. Já entendo tudo o que as pessoas falam, mas ainda tenho a pronúncia errada em algumas coisas.

Ser chamada de modelo é um elogio, uma massageada no ego, mas não é a realidade"

iG: Você já conseguiu o green card (visto permanente para morar nos Estados Unidos)?
Nana Gouvêa: Tenho que renovar meu visto em breve, mas se não for pra ficar aqui, não faço questão de tirar green card. Tudo depende do emprego do meu marido. Só faço questão de ficar com ele, não faço questão de documentação. Que diferença faz? O papel pra mim não tem importância, o meu interesse é ficar aqui e estar com ele para o que for preciso.

MAIS VÍDEO: Nana Gouvêa comemora Dia dos Namorados americano

iG: E o que você faz para manter a boa forma aí em Nova York?
Nana Gouvêa: No fim de semana vem um personal aqui. Eu fazia mais aulas de ginástica no Brasil. As mulheres da minha idade começam a malhar o dobro pra manter o corpo, mas eu estou malhando um terço do que malhava antigamente pra manter o corpo. Não estou preocupada com isso no momento. Graças a Deus tenho a sorte da boa genética.

iG: Tem alguma coisa de ruim em morar em Nova York?
Nana Gouvêa: Só a saudade da minha família. Minhas filhas ( Daphynie , 19 e Angel , 18 anos) estão ótimas, graças a Deus. A Daphynie está ansiosa para terminar a faculdade e ficar comigo. Minha filha mais velha ficou com a minha mãe até os 15 anos. Temos uma história muito sofrida, mas a gente se fala toda hora. Ela vem pra fazer MBA.

Assista ao mais recente vídeo de Nana Gouvêa, "Walking on the streets...": 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.