¿Pode me chamar de vovó, é isso que vou ser mesmo. Uma puta avó bem conservada, de aparência jovial e estilo de vida jovial."

Alguns anos atrás, Marília Gabriela estava em Heidelberg e saiu para jantar. Sem falar uma palavra de alemão, apontou para a garçonete o desenho de uma cegonha estampada no cardápio. “É isso que eu quero”. A mulher se indignou. “Nós não servimos cegonhas!” A cegonha era o símbolo, e o nome, do restaurante. “Eu teria comido se tivesse no cardápio. Gosto de experimentar”, diz Gabi.

Esse é o seu estilo como viajante. A novidade é que agora, prestes a ser avó, ela está aprendendo a viajar sozinha. Nasce em maio Valentina , filha de seu filho mais velho, Christiano Cochrane – o caçula é Theodoro, qua acaba de ganhar o Prêmio Shell de teatro pelo figurino da peça "Escuro". A mãe é a atriz Dani Valente . E Gabi acaba de voltar de uma volta solo pela Turquia, Israel e Dinamarca. “Achei libertador, mas não é fácil. Requer o dobro de cuidado, de atenção consigo mesma. O segredo é viajar sempre com a perspectiva de encontrar alguém, um amigo, o amigo de um amigo. Faço o possível para esbarrar com pessoas conhecidas, porque senão pode ficar difícil.” Mas claro que tem compensações. “Quando você viaja com alguém tem que ter uma certa negociação, um certo planejamento. Indo sozinha você fica à sua sorte, ao deus-dará, você se permite arriscar mais.”

Não se trata de viajar para onde tem conhecidos. Os roteiros são escolhidos com o critério principal de levá-la para lugares que ela ainda não conhece. “Escolho os lugares, depois vou pensar onde estão os amigos”, diz. “Não tenho problema em fazer passeios turísticos sozinha, pegar um guia, entrar em museus e galerias. Estar desacompanhada é difícil na hora da refeição, de ir a um lugar divertido para dançar.”

Na beira da água do Rio Jordão, onde São João batizou Jesus Cristo. ¿Não mergulhei, mas arrisquei jogar uma aguinha na cabeça¿
Divulgação
Na beira da água do Rio Jordão, onde São João batizou Jesus Cristo. ¿Não mergulhei, mas arrisquei jogar uma aguinha na cabeça¿

Com companhia, porém, Gabi se aventura. “Em Copenhagen saí com o Marcelo Bosschard , o amigo que me recebe na Dinamarca. Fui a um bar de solteiros, já sabendo que ali era um lugar onde as pessoas vão para se conhecer. Nos aproximamos de um pessoal, de lá fomos juntos para um bar secreto e me enturmei bastante”, conta ela. “Os dinamarqueses bebem muito. Eles chegam ao bar muito sérios, olhando em volta, mas vão bebendo e começam a socializar, juntam as mesas, fazem amizades instantâneas.” Gabi conta de outros programas que fez na companhia do amigo: um mergulho no mar congelado em Mälmo, na Suécia, e um jantar no Noma, considerado o melhor restaurante do mundo no momento. “Meu amigo se virou para conseguir uma dificílima reserva.”

Essa viagem a levou ainda para dois países que estava ansiosa para conhecer, Israel e Turquia. “Israel foi um susto, um choque de modernidade, história e religiosidade impressionantes. E a Turquia é lindíssima, Istambul é deslumbrante, que maravilha de cidade, que cores, que mistérios; e na Capadócia fiz um inesquecível voo de balão, o segundo da minha vida. Um tesão. Aliás, não fossem os aeroportos e malas, haveria coisa mais inteligente que passar o resto da vida ficando em lugares distantes e necessários?"”

LONGE DE CASA E DOS BRASILEIROS

Outro fator “aventureiro” é que fora do país a apresentadora dos programas “Marília Gabriela Entrevista”, no GNT, “De Frente com Gabi”, no SBT, e “Roda Viva”, na Cultura, pode ter uma vida mais anônima. “Na Dinamarca, por exemplo, não tinha nenhum brasileiro”, diz ela. “Gosto de dizer sim, ok, por que não? para as situações que se apresentam. Gosto de programação surpresa.”

Em Istabul, Gabi escolheu o hotel Pera Palace, mesmo endereço que hospedava Ernest Hemingway e Greta Garbo em suas viagens à Turquia – ficou inclusive no mesmo quarto de Garbo, que recebeu o nome da atriz e ainda guarda a banheira usada pela estrela. Na Capadócia, hospedada no hotel Museum, Gabi ficou amiga do dono, Homer Tosum. “Ele inventou um esporte novo, chamado cross-golf, que está no quarto ou quinto campeonato. É uma espécie de golfe ecológico, politicamente correto, que não demanda desmatamento. É jogado com os acidentes geográficos naturais.” Enquanto desfrutava do maravilhoso hotel, a apresentadora jantou com o novo amigo e marcou um próximo encontro, dessa vez no Brasil. “Ele vem para um evento de turismo com o filho e eu vou ajudá-lo a divulgar o golfe-cross. Pessoas que você conhece em viagens enriquecem a sua vida, com novos conhecimentos, novas atividades. Quando você viaja em turma está menos aberta a encontros casuais.”

Marília Gabriela minutos antes do balão subir, na Capadócia, Turquia
Divulgação
Marília Gabriela minutos antes do balão subir, na Capadócia, Turquia

Fora isso, diz ela, viajar sozinha tem a vantagem de você definir o ritmo da programação. “Eu gosto de ir para a rua, fazer coisas, visitar o possível, ver as exposições, experimentar comidas, mas também quero ficar aproveitando o hotel que eu paguei, assistir a programação local, fazer o que der vontade sem um agendamento que te obriga a fazer coisas, isso me perturba um pouco.”

VOVOZONA

Mãe de dois homens, Gabi vai ser avó em maio. E vem aí uma menina. “Já estou entrando em lojas de nenê, trouxe coisinhas dessa viagem, como bonequinhos-marionetes de dedo para contar histórias. O primeiro brinquedo da Valentina fui eu que comprei, um bichinho com uma música de ninar lindíssima, super relaxante. Eu quase peguei para mim.”

Ela está excitada com o fato de ser avó, e ainda mais de uma menina. “Depois de anos de rapazes vou ter o prazer pela primeira vez na vida de colocar lacinhos, brinquinhos, sapato de pulseirinha. Vamos ver se eu sei”, brincou. “Ser avó é o `creme de la creme´ da relação. Agora vai ser o afeto sem obrigação, sem a irritação, sem os aborrecimentos. Não tem `vai escovar os dentes`, `vai tomar banho`, olha que maravilha. A avó fica com a hora só da diversão.”

Não tem crise nem na hora de ser chamada de vovó. “Ué, eu vou ser mesmo! Tem uma hora que é um point of no return (caminho sem volta). Eu sou uma puta avó bem conservada, de aparência jovial, de estilo de vida jovial.”

E uma avó atriz de talento, que pretende voltar para o palco ainda este ano. “Estou com o processo encaminhado de novo espetáculo de teatro, acho que vai ser muito legal.” 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.