Nem só de conquistas vive a Bibi de "Insensato Coração". Maria Clara Gueiros é uma das estrelas da TV que se aventuram no teatro

Eduardo Galvão e Maria Clara Gueiros em
Divulgação
Eduardo Galvão e Maria Clara Gueiros em "As Bruxas de Eastwick"


Você já viu esse filme. No próximo dia 14 de agosto, quando estrear em São Paulo o espetáculo "As Bruxas de Eastwick", versão nacional do musical londrino, você vai se lembrar do longa homônimo de 1987 - não musical - que foi a inspiração de tudo. Estrelado por Jack Nicholson, Cher, Susan Sarandon e Michelle Pfeiffer , era uma comédia sobre as relações humanas e as armas que as mulheres usam contra os homens. No elenco da versão brasileira, o público vai encontrar duas surpresas: Maria Clara Gueiros e Eduardo Galvão , ambos no ar em "Insensato Coração" .

Aos 46 anos, a intérprete da Bibi da novela das 21h fará sua estreia em um musical. Ela encarna Alexandra, a líder das "bruxas", papel de Cher no cinema. Para o público, a atriz mostra mais uma faceta inesperada: depois de se consagrar como comediante no "Zorra Total", ela migrou para as novelas, e agora surgirá cantando nos palcos.

Seu partner em cena, Eduardo Galvão, não chega a ser uma surpresa total no universo musical. Em 2010, ele atuou em "Gypsy", onde cantava ao lado da protagonista Totia Meirelles - outra atriz que se reveza entre a TV e os espetáculos musicais; e em 2009, o ator participou de outro musical, "Gloriosa", ao lado de Marília Pêra .

Transitando entre a TV e os musicais

Edson Celulari, Simone Gutierrez, Jonatas Faro, Danielle Winits e Arlete Salles em
Divulgação
Edson Celulari, Simone Gutierrez, Jonatas Faro, Danielle Winits e Arlete Salles em "Hairspray"

Lá fora é bem comum a participação de atores do cinema e da TV em produções musicais. Até Daniel Radclif f, o protagonista de série "Harry Potter", está em cartaz em um musical da Broadway. Agora também  no Brasil é cada vez maior a adesão dos atores de TV aos musicais -- muitos deles acabam aderindo de vez ao gênero, e produzindo diversas peças no estilo. A dupla Danielle Winits e Jonatas Faro é um exemplo. Os dois, que se conheceram e se apaixonaram em 2009 durante a temporada de "Hairspray", adquiriram recentemente os direitos do musical "Xanadu" - originalmente um filme musical, de 1980, que depois migrou para o teatro. A produção deve estrear em 2012, com Winits no papel que Olivia Newton-John interpretou no cinema. A dupla deles no teatro parece mais sólida do que na vida real, já que o casamento dos atores terminou em março passado , três meses depois de celebrado.

A versão brasileira de "Hairspray" tinha, além de Danielle e Jonatas, um time de atores globais: Edson Celulari - travestido, cantando e dançando, no papel que John Travolta fez no cinema -, Arlete Salles - cantando pela primeira vez, no papel que Michelle Pfeiffer desempenhou nas telonas - e, orquestrando tudo, Miguel Falabella , responsável pela direção. Danielle Winits atuou também no musical "Chicago", em 2004, no papel de Velma Kelly - personagem que deu um Oscar a Catherine Zeta-Jones no cinema.



Diogo Vilela e Miguel Falabella em
Divulgação
Diogo Vilela e Miguel Falabella em "A Gaiola das Loucas"

Íntimos do gênero

Miguel Falabella faz parte de outro time ligado ao gênero. São os atores que, desde o início da carreira - inclusive antes de desembarcarem na TV -, já tinham algum envolvimento com o universo musical, ainda que esse não fosse o foco de suas carreiras.

Falabella trazia essa bagagem desde a adolescência. No início da década de 80, realizou uma montagem do musical "Rocky Horror Show". Anos depois, já consagrado na TV, passou a produzir, dirigir e estrelar musicais, como "Os Produtores", "South American Way" (2001), "Godspell" (2002), "A Gaiola das Loucas" e "O Beijo da Mulher Aranha". Em muitos deles, tinha como colegas outros atores familiarizados com o gênero.

Em "A Gaiola das Loucas" (2010), Falabella estava em cena ao lado de Diogo Vilela . Diogo é especialista em encarnar figuras musicais reais. Ele foi Nelson Gonçalves no musical "Metralha" (1996), e Cauby Peixoto em "Cauby! Cauby!" (2006).

Em "O Beijo da Mulher Aranha" (2001), Falabella compunha o elenco com Claudia Raia e Tuca Andrada . Tuca estrelou o musical "O Rei e Eu", com direção de Jorge Takla , em 2010. E atualmente está em cartaz com a peça "Seis Aulas de Dança em Seis Semanas" - onde não canta, mas dança, como o título já sugere.

Claudia Raia, por sua vez, praticamente nasceu no mundo musical. Bailarina desde a infância, em 1983 ela participou de "A Chorus Line" - uma das primeiras tentativas de realizar versões brasileiras de sucessos da Broadway. Ao longo de sua carreira, Claudia voltou várias vezes ao gênero, inclusive estrelando musicais escritos especialmente para ela: "Não Fuja da Raia" (1991), "Nas Raias da Loucura" (1993), "Caia na Raia" (1996) e "Pernas pro Ar" (2010). E ainda estrelou montagens de musicais clássicos, como "Sweet Charity" (2006).

Claudia Raia em
Divulgação
Claudia Raia em "Sweet Charity"

Bilheteria

Com a popularização dos musicais no eixo Rio-São Paulo nos últimos dez anos, muitas produções passaram a apostar no poder de fogo dos astros globais, sempre grandes chamarizes de bilheteria. E, assim, atores que em princípio não tinham identificação com o gênero começaram a ser convidados para cantar e dançar no teatro.

Vladimir Brichta, Juliana Paes e Miguel Falabella em
Divulgação
Vladimir Brichta, Juliana Paes e Miguel Falabella em "Os Produtores"

"Os Produtores" (2007) foi a estreia de Juliana Paes nos palcos, interpretando a sueca Ulla - papel de U ma Thurman no cinema. A peça também trazia no elenco, além de Juliana e Falabella, o ator Vladimir Brichta . Leonardo Miggiorin estrelou "Peter Pan - Todos Podemos Voar" (2007). E no último mês de maio, no Rio, iniciou-se a temporada de "Um Violinista no Telhado" (2011), estreia de José Mayer no gênero musical.

José Mayer com Soraya Ravenle em
Divulgação
José Mayer com Soraya Ravenle em "Um Violinista no Telhado"

Especialistas

Se muitos atores de TV resolvem se arriscar no mundo musical, outros fazem o caminho inverso: se especializam no ramo antes de surgir na TV. Daniel Boaventura é o principal exemplo. Quando começou a ser notado na Globo, na novela "Laços de Família" (2000), ele já tinha feito os musicais "Os Cafajestes" (1993) e "Company" (2000). E continuou atuando em musicais: "Vítor ou Vitória" (2001, estrelada por Marília Pêra e que tinha no elenco Drica Moraes ), "O Grande Dia" (2001), "A Bela e a Fera" (2002), "Chicago" (2004), "My Fair Lady" (2006), e o mais recente: "Evita" (2011), que termina temporada neste domingo (31), em São Paulo, onde encarna Juan Perón .



Daniel Boaventura em
Divulgação
Daniel Boaventura em "Evita"

A versão feminina de Boaventura talvez seja Simone Gutierrez . Depois de atuar nos musicais "Les Miserables" (2001) e "Hairspray" (2009, onde foi a protagonista Tracy Turnblad), ela migrou para a TV: "Zorra Total", "Malhação" e "Passione" (2009). E depois voltou aos musicais: "New York, New York" (2011).

O intercâmbio TV-musicais continua. A versão nacional do musical "A Família Addams" estreia em 2012, e deve contar com mais um nome de peso. Uma atriz consagrada por papéis cômicos na TV, e que tem também vasta experiência como cantora: Marisa Orth pode ser a famosa Mortícia Addams. Resta aguardar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.