A atriz faz sucesso com seu primeiro papel de destaque em “Cordel Encantado” e conta como concilia a carreira com o papel de mãe, esposa e empresária

Luiza Valdetaro:
Isabela Kassow
Luiza Valdetaro: "Homem amadurece mais tarde"
Luiza Valdetaro , 25 anos, mostra logo de cara as diferenças entre a atriz e a personagem, a sofredora Antônia da novela das 18h, “Cordel Encantado” . Enquanto Antônia passou boa parte da trama sofrendo nas mãos do irmão, interpretado por Bruno Gagliasso, e só nos capítulos mais recentes começou a se rebelar, Luiza desde cedo primou pela independência. Antes do papel de destaque na novela de Thelma Guedes e Duca Rachid, ela tinha feito pequenas participações em outras tramas e protagonizou o seriado Malhação, em 2006.

Casada há cinco anos com o empresário Alberto Blanco, 23 anos mais velho, e mãe de Maria Luiza, de 3, a atriz começou a carreira artística aos 13 fazendo comerciais para ganhar o próprio dinheiro. “Não que eu fosse pobre, mas a minha família nunca teve muito dinheiro. Morava na Tijuca (zona norte do Rio de Janeiro) e era um dinheirinho que me permitia comprar uma calça, algumas vaidades”, lembra Luiza.

Ela garante gostar da diferença de idade com o marido, que tem duas filhas – Alícia, de 12 anos, e Isabela, de 10 – e diz que não costuma se deparar com preconceito por causa disso. “Lembro só da minha sogra que ficou um pouco assustada no começo por causa das netas. Mas o tempo deu conta disso. Ele também parece ser muito jovem e brinco que eu sou a velha porque tenho preguiça de ir a festas. E a verdade é que é assim mesmo. Homem amadurece mais tarde”.

Luiza cuida das duas enteadas: Alícia, de 12 anos, e Isabela, de 10
Isabela Kassow
Luiza cuida das duas enteadas: Alícia, de 12 anos, e Isabela, de 10
A atriz enxerga a escolha de constituir família tão cedo como uma reviravolta em seus planos. “Achava que iria casar depois dos 30, ter filho depois dos 35 e morar em apartamento separado porque sou uma pessoa que gosta de ficar sozinha. Até encontrar o Alberto”, lembra Luiza, que já tinha namorado, mas afirma nunca ter se apaixonado antes. “Nunca tinha admirado de verdade alguém, então acho que foi a primeira pessoa que amei. Me tirou o chão. Sabia que era ele. Foi uma paixão muito forte”.

“Quase depressão”

Luiza concilia os papéis de mãe, esposa, dona de casa, atriz e produtora - ela é dona de uma empresa que, atualmente, está produzindo o conteúdo do site do Rock in Rio. Além disso, cuida das enteadas, que passam uma semana com o pai e outra com a mãe. “A gente não nasce sabendo tudo. Temos que aprender e ao mesmo tempo você se apavora. Então ou você paralisa ou enfrenta”, diz ela, deixando de lado por alguns minutos a imagem de supermulher.

“Hoje eu estava quase em depressão porque fui deixar a Maria Luiza na escola e ela estava desesperada. Não queria ficar e era um sofrimento real, uma angústia. Eu saí chorando, liguei para o meu marido e disse que queria ajuda profissional”, conta Luiza, deixando claro que a preocupação é genuína. “Não quero que ela jogue nada para debaixo do tapete dela. Hoje em dia tenho o maior trabalho para tirar as minhas coisas debaixo do tapete. Ainda sofro com o medo dela sofrer como eu também já sofri”.

O “sofrimento” da atriz remete a sua infância. “A infância não é uma memória absolutamente prazerosa. Lembro de muita angústia, de muita insegurança, talvez por isso eu tenha virado essa figura aparentemente completamente segura”, pondera Luiza. Para manter a cabeça no lugar enquanto se divide entre tantas funções além de educar a filha, ela confessa que às vezes se coloca de “castigo”. “Tem dia que tudo é difícil e você não aguenta mais. Eu vejo que vou perder a paciência e falo que vou ficar no banheiro. Depois de cinco minutos minha filha me chama na porta: ‘Sai, pode sair’”.

A atriz começou a carreira artística aos 13 anos fazendo comerciais
Isabela Kassow
A atriz começou a carreira artística aos 13 anos fazendo comerciais

Sobre a relação com as enteadas, Luiza explica que recebe muita ajuda das duas. “Eu conheci o Alberto por causa delas. Estava em Angra e mergulhei no mar para brincar com as meninas que, depois, me apresentaram para o pai. Hoje é muito bacana porque é mais fácil sair com as três do que só com a Maria Luiza”, conta ela. Foram as duas que fizeram questão que eles se casassem. “Elas viam o pai de uma amiga terminar com a namorada e tinham medo que acontecesse a mesma coisa com a gente”.

Luiza já está se preparando para ter duas adolescentes em casa. “Já me preparo para um dia ouvir ‘você não é minha mãe’ na hora de colocar de castigo e não tenho problema em ouvir isso porque sei que não sou, obviamente. Mas sei também que isso seria simplesmente para ferir porque o amor e admiração são nítidos”.

“Responsável demais”

Filha de um médico e de uma fonoaudióloga, Luiza tem um irmão mais velho, o engenheiro Daniel. Na hora de prestar vestibular passou em duas carreiras distintas: fonoaudiologia na UFRJ e artes cênicas na Uni Rio. Na dúvida começou a cursar as duas faculdades, mas logo se viu obrigada a abrir mão de uma delas. “Quando comecei a fazer novela precisei trancar a UFRJ. Aí as coisas começaram a andar para o lado do teatro e nunca mais voltei”, conta Luiza.

Luiza Valdetaro:
Isabela Kassow
Luiza Valdetaro: "A infância não é uma memória absolutamente prazerosa"

Quando o assunto é a opinião da família sobre a escolha da profissão, explica que a postura independente fez diferença. “Não teve resistência, mas também não ovacionaram. Desde nova tive muita autonomia. Acho que fui responsável demais”, afirma ela. “Não quero que a minha filha seja madura. Lembro das pessoas falando para mim: ‘Você é muito precoce’. Eu acho isso péssimo. O processo todo tem que acontecer porque a conta vai chegar alguma hora“, diz. Luiza, porém, não condena os pais pela criação que teve. “Eles foram o que podiam e o que achavam que estava certo”, diz a atriz, que não pretende ser tão liberal com a própria filha. “Eu posso explicar o porquê, mas eventualmente não vou e ela vai ter que aceitar simplesmente pelo fato de eu ser a mãe e ela a filha. Vai me obedecer e ponto”, afirma a atriz, bem-humorada.

Ela também afirma que não gostaria que Maria Luiza seguisse os mesmos passos que os seus nas artes cênicas. “Sei que tem muita gente boa, mas não tem espaço para todo mundo. Se quiser ser atriz que seja, mas será o plano B. Primeiro vou querer que faça alguma outra coisa para calçá-la”.

Choro fácil

Aparentemente a única semelhança entre Luiza e sua personagem de “Cordel Encantado” é a facilidade para ir às lágrimas. “Chega a ser engraçado. Semana passada tinha uma cena em que precisava chorar e ficamos esperando o ‘gravando’ um tempão. Fiquei batendo papo enquanto chorava. Às vezes sacaneio o meu marido e digo ‘Olha que eu choro’”, conta Luiza que, em alguns segundos fica com os olhos cheios d´água. “Está vendo?”, pergunta à repórter, com os olhos cheios dágua.

A atriz enxerga em seu momento de vida outra proximidade com a Antônia da novela das 6. Para ela, a personagem não é fraca e está enfrentando os próprios medos. “Eu também estou numa fase da vida em que estou enfrentando muito os meus medos pessoais. Claro que as circunstâncias são completamente outras, mas o propósito é mais ou menos o mesmo de comprar o barulho e ir se fortalecendo por dentro”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.