Episódio aconteceu após fotógrafos se negaram a entregar imagens tiradas do casamento de Gisele com Tom Brady

Gisele e Tom Brady
AgNews
Gisele e Tom Brady

Casamento de Gisele Bündchen, na Costa Rica, em 2009
SplashNews
Casamento de Gisele Bündchen, na Costa Rica, em 2009

Um juiz da Costa Rica convocou uma audiência para 29 de abril para investigar o caso em que um segurança atirou contra dois fotógrafos durante o casamento da modelo Gisele Bündchen em abril de 2009.

O segurança teria atirado depois que os fotógrafos se negaram a entregar imagens tiradas do casamento da modelo com o jogador de futebol americano Tom Brady .

O fotógrafo da agência de notícias francesa "AFP" Yuri Cortez declarou neste sábado à Agência Efe que "o início desta etapa é de alguma maneira satisfatório" e manifestou seu desejo de que se faça justiça.

"Sinto-me um pouco contente que no fim, após dois anos, haja pelo menos demonstrações de que o caso resultará em algo, pois durante muito tempo estava decepcionado que o processo e o sistema judiciário sejam tão lentos", disse Cortez, que é diretor de fotografia da "AFP" para a América Central.

Os fatos ocorreram em abril de 2009 na praia Santa Teresa, província de Puntarenas (no Pacífico costarriquenho), quando Cortez e outro fotógrafo da agência foram interceptados por seguranças de Gisele e Brady, que pediram aos dois que entregassem as fotografias que tinham tirado do casamento de uma propriedade próxima à mansão da top model.

Os fotógrafos, que não entregaram o material, entraram em um veículo e um dos seguranças disparou contra o carro.

A bala quebrou o vidro traseiro do veículo e quase feriu Cortez, segundo o relato do fotógrafo.

O fotógrafo Yuri Cortez em frente ao carro baleado
SplashNews
O fotógrafo Yuri Cortez em frente ao carro baleado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.