A apresentadora falou com exclusividade ao iG antes da festa de lançamento de sua Playboy no Rio de Janeiro

Adriane Galisteu é recepcionada por uma legião de fotógrafos na festa de lançamento de sua Playboy
George Magaraia
Adriane Galisteu é recepcionada por uma legião de fotógrafos na festa de lançamento de sua Playboy
Adriane Galisteu , 38 anos, promoveu o lançamento de seu segundo ensaio para a revista Playboy , desta vez a capa de aniversário de 36 anos da revista, durante festa na noite de terça-feira (8), no Espaço Lagoon, na Lagoa, zona sul do Rio. O iG acompanhou com exclusividade a preparação da apresentadora, que se arrumou duas horas antes na cobertura que mantém no Leblon, mesma região da cidade.

Com os cabelos presos em formato de cachos e usando uma chemise, Galisteu conversou com a reportagem rodeada pelos mesmos profissionais responsáveis pelo visual da loura no editorial. O cabeleireiro Thiago Fortes, o maquiador Cacá Morais e o figurinista Thidy Alvis se revezaram nos cuidados. “Ela não usa maquiagem nos olhos. Só cílios postiços e um pouco de máscara”, explica Cacá. Durante a entrevista, a apresentadora interrompe o papo diversas vezes para conversar com os amigos que vieram prestigiá-la em sua casa e só demostra irritação ao pedir silêncio. “Pede para falarem baixo senão vão acordar o Vittório ”, diz ela, se referindo ao filho de 1 ano do casamento com Alexandre Iódice .

Sem melindres, ela falou sobre a polêmica entrevista de Sandy a mesma edição da publicação em que é capa, garantiu que não se chateou com a atenção dada ao assunto e ainda topou responder a parte da lista de perguntas picantes feitas pela Playboy para a cantora. “Li a entrevista inteira. A Sandy me surpreendeu muito porque estava na hora dela dar uma entrevista se posicionando como mulher. Que bom saber que ela é uma mulher normal”, diz Galisteu.

E completa: “Olho para a Sandy hoje e consigo olhar de igual para igual. Antes eu tinha uma imagem dela, ainda que casada, meio imaculada”, afirma a apresentadora que já a entrevistou três vezes, mas nunca conseguiu “tirar nada dela”.

Entre um cigarro e outro, Galisteu também comentou sua saída da escola de samba carioca Unidos da Tijuca. “Saíram comigo. Infelizmente. Para eles foi melhor negócio colocar a Gracyanne Barbosa de quem eu gosto muito. Acho que é uma mulher que tem predicados que eu não tenho de verdade. Ela é uma mulher exuberante”, declarou a loura, descartando a possibilidade de ter perdido o cargo por não querer pagar pelo posto de rainha de bateria. “Até onde eu sei não existe isso”. Galisteu afirma ter recebido duas propostas para estar na Avenida em 2012, mas ainda não decidiu se ficará apenas cuidando do filho.

A apresentadora posa com a capa de seu ensaio atual e a da revista de 1995
George Magaraia
A apresentadora posa com a capa de seu ensaio atual e a da revista de 1995

Sobre sua Playboy, disse que optou pela mesma depilação que usa no dia a dia e que não se preocupou se iria mostrar demais pois escolheu cuidadosamente as posições nas fotos. Questionada sobre a repetição da foto em que se depila – sucesso no primeiro ensaio da apresentadora em 1995 – comentou que a decisão foi de toda a equipe e até hoje não sabe definir o porquê da imagem ter tido tanta repercussão. “Talvez por ser algo inusitado”, pondera.

A seguir Galisteu responde a parte da entrevista feita pela Playboy com Sandy. Entre as revelações, a apresentadora afirma que a primeira vez foi “traumatizante”, diz não ligar para lingerie “para homem é melhor sem nada e rápido” e conta que gostaria de ver filmes pornôs mais bem feitos.

Com quantos anos perdeu a virgindade?
Adriane Galisteu:
16 para 17 e foi bem ruim. Traumatizante praticamente. Depois demorou mais dois anos para rolar a segunda porque eu odiei.

Entre quatro paredes vale tudo?
Adriane Galisteu:
Vale. No meu caso sou casada, super feliz e acho que entre um casal vale tudo.

Já foi em um clube de swing?
Adriane Galisteu:
Não. Em lugar nenhum do mundo.

Galisteu sobre primeira vez:
George Magaraia
Galisteu sobre primeira vez: "Demorou mais de dois anos para rolar a segunda porque odiei"

Participaria de um swing?
Adriane Galisteu:
Não. Vou falar o porquê. Acho que tem que ser muito bem resolvida e bem administrada essa sensação do seu marido (fazer swing). Talvez num sexo causal, mas com o marido eu não encaro. Não é nem pelo ciúme, é pelo dia seguinte mesmo. Fica aquela rebordosa, aquela coisa... Eu imagino que fique porque tenho conhecidos que vivem de sexo casual. Mas marido e mulher não tenho nenhum casal de amigos que pratique. Já falamos em rodas sobre isso e nenhuma das minhas amigas administra isso bem. Entrar mais um parceiro numa relação de um casal, diferentemente de um sexo casual, isso tem que estar bem claro e aceito pelos dois. Ninguém pode fazer pelo outro. Porque senão a casa cai.

Frequenta sex shop?
Adriane Galisteu:
Eu adoro, acho divertidíssimo. Quem não comprou algum brinquedinho tem que experimentar. Mas não sei os nomes do que já comprei. Vai num sex shop e olha lá.

Que tipo de lingerie você gosta?
Adriane Galisteu:
Não dou a mínima para lingerie. Minha calcinha é aquela bem simplesinha branca de algodão. Uso uma vez e também não uso mais, já compro outra. Às vezes nem uso. Homem não gosta de lingerie. Ele não vê a hora de tirar da pessoa. Você acha que ele está reparando? Isso a gente faz para a gente. Lingerie é coisa de mulher para mulher. Mulher para homem é melhor sem nada e rápido.

Qual a sua playlist de músicas para transar?
Adriane Galisteu:
Não precisa... Peraí, coloca que é Sandy & Júnior (risos)

Qual a melhor música para um striptease?
Adriane Galisteu:
Eu nunca fiz. Acho que cairia na risada. Não tenho essa coisa de me fantasiar ou fazer um strip. Acho essas coisas tão engraçadas. Faço isso de brincadeira, mas falando sério não. A minha vida é uma coisa meio diferente. Eu já me monto para o dia a dia. Meio que não vejo a hora de desmontar. Não vou me montar para transar.

Galisteu:
George Magaraia
Galisteu: "Minha calcinha é aquela bem simplesinha branca de algodão. Uso uma vez e também não uso mais, já compro outra. Às vezes nem uso".

Dizem que mulher gosta mais de filme pornô com historinha...
Adriane Galisteu:
Ai não gosto de falatório. Não gosto de nada de historinha. Filme pornô é filme pornô. Para historinha a gente vai assistir romance. Vamos para os finalmentes. Que coisa chata, ninguém suporta. Aliás, quero levantar uma questão: por que é que os diretores dos filmes pornográficos brasileiros, e afinal isso é uma indústria que cresce a cada dia e dá dinheiro, não colocam uma luz decente, não buscam mulheres mais legais? É tão brutal a diferença da realidade para o que é produzido que não dá para acreditar naquilo que você está vendo. Vira até piada. Não rola um clima com espinha na bunda e celulite... Não questiono a beleza da mulher porque isso não se discute. Tem mulheres que não são bonitas e são muito sensuais. Estou falando do cuidado. Maquiagem feia, cabelo horroroso, por que é assim? Gostaria de poder ver um filme com uma luz legal.

Existe o mito recorrente de que as mulheres não se masturbam. Não mesmo?
Adriane Galisteu:
Não entendo também. A gente está em 2011. Não é possível. Talvez na época da minha mãe isso não era nem mito, era uma verdade. Não se fazia nem sexo direito, mal se falava disso e a mulher era absolutamente submissa. Muitas delas faziam só para agradar o marido. Hoje em dia acho que não é mais assim.

Uma frase famosa de Woody Allen defende que sexo bom é sexo sujo. Você concorda com ele?
Adriane Galisteu:
Sujo, limpo, pesado, leve, amoroso, romântico, spanking, melado, fetiches, fantasias, sadomasô, seja o que for. A gente tem que estar a fim e feliz. Tem gente que gosta de uma coisa, tem gente que gosta de outra. Cada um encontra seu caminho para ser feliz. O que não vale é ter algum tipo de recalque ou trauma. Nos dias de hoje as pessoas não precisam ficar numa angústia porque têm algum problema. É tudo absolutamente resolvível.

Galisteu sobre perdoar uma traição:
George Magaraia
Galisteu sobre perdoar uma traição: "Não existe nenhuma possibilidade"

Luana Piovani disse que milhares de homens já broxaram com ela. E você?
Adriane Galisteu:
Como disse a Sandy, aí acho que é uma questão de sexo casual. Milhares está um pouco amplo. Faço das palavras da Sandy as minhas.

Seu marido já te fotografou nua?
Adriane Galisteu:
Estou pensando... Você já me fotografou nua meu amor (pergunta para Alexandre)? Já, já... Inclusive gravidíssima.

Do que mais gosta no seu corpo?
Adriane Galisteu:
Eu gosto e desgosto. Tem dias que eu gosto das minhas pernas, tem dia que não. Tem dias que gosto da minha barriga e tem dias que eu detesto. Eu sou assim. Tem dias que acordo e me acho ótima, tem dias que acordo e queria mudar tudo. Eu sou uma mulher que vive nos altos e baixos dos hormônios. Tem dias que me olho e me acho linda com qualquer trapo. Tem dias que nem a minha melhor roupa é o suficiente.

Você perdoaria uma traição do seu marido?
Adriane Galisteu:
Não existe nenhuma possibilidade. Nem ele perdoaria e nem eu. Porque acho que nos dias de hoje e depois de uma determinada idade, tem a ver com decisões. Você ter alguém do seu lado é uma decisão. Você pode simplesmente não tomar essa decisão e tocar a sua vida sozinha. Então a partir do momento em que você toma essa decisão não significa que tem uma arma apontada para a sua cabeça te obrigando a ficar. Você pode mudar de ideia, mas acho que nada como lealdade e honestidade para você tomar uma outra decisão de se separar e aí sim fazer o que você quiser da sua vida.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.