Foto de Michael Jackson morto é apresentada no julgamento

A imagem foi apresentada pela promotoria

iG Gente |

Reuters
Michael Jackson em uma maca
A promotoria apresentou uma série de indícios contra o médico Conrad Murray no julgamento que acontece nesta terça-feira (27), na Corte Superior do condado de Los Angeles. O processo irá esclarecer as circunstâncias da morte de Michael Jackson . Enquanto Ed Chernoff , advogado de defesa do Dr. Conrad Murray, culpa Michael Jackson pela própria morte,  o promotor David Walgren iniciou sua apresentação com uma imagem do cantor morto.

Siga o iG Gente no Twitter e receba as notícias das celebridades em tempo real

O promotor também apresentou áudios extraídos – com autorização judicial – do iPhone de Dr. Conrad. As conversas são entre Michael Jackson e seu médico.

Confira os trechos extraídos do celular do médico:

"Nós precisamos ser fenomenais. Quando as pessoas deixarem o show, quero que digam: 'Nunca vi nada assim na minha vida. Vai. Vai. Nunca vi nada como isso. É incrível. Ele é o melhor artista de entretenimento do mundo'. Estou levando esse dinheiro, milhares de crianças, crianças no hospital, o maior do mundo. Hospital de Crianças Michael Jackson", disse o cantor em uma das ligações ao médico, com voz aparentemente sonolenta e bastante confuso.

 Ouça a gravação:

video platform video management video solutions video player

Michael se referia ao show que apresentaria em Londres em alguns dias. Obsessivo, o cantor queria dormir para ensaiar mais e mais.

“Eu disse: ‘Se você tomar propofol agora’, o que ele se referia como leite, ‘em quanto tempo você espera começar a dormir?’. Você sabe, você vai precisar de mim depois que a lua chegar’. E ele disse: ‘Só me faça dormir, não importa que horas eu vou levantar’. Eu disse: ‘O que vai acontecer com você? Você já ensaiou o suficiente por hoje”. Ele disse: “Eu não consigo trabalhar mais se não dormir. Eles não podem cancelar isso. E eu não quero que eles cancelem, mas terão que cancelar”. Então eu concordei naquela hora que poderia aumentar a dose de propofol”, disse o médico em uma entrevista.

LEIA MAIS: Advogado de defesa culpa Michael Jackson pela própria morte


Leia também trechos ditos pela acusação no julgamento:

- A causa da morte de Michael Jackson foi overdose de Propofol, remédio administrado pelo Dr. Murray.

- Nós vamos provar que Conrad Murray agiu repetidamente com negligência e incompetência.

- Murray fez fez um esquema com uma farmácia para comprar grandes quantidades de Propofol em uma base regular. Mas ele mentiu para o farmacêutico, dizendo que tinha uma clínica em Santa Monica, e ele não tem.

- Em 10 de maio de 2009, Murray fez uma gravação de voz em seu iPhone que revela que Michael Jackson estava sob a influência de "substâncias desconhecidos" com o médico sentado ao seu lado. Isso mostra que Murray tinha consciência do estado de Michael.

- A polícia foi avisada às 12h20. Quando os paramédicos chegaram, Michael estava morto.

- Murray nunca disse aos paramédicos que ele deu Propofol ao músico, mesmo quando eles o questionaram sobre drogas administradas por ele.

- Os paramédicos afirmaram que Michael Jackson estava morto, mas Murray insistiu para que o transportassem para o hospital.

- Dois dias depois da morte do músico, Murray encontrou-se com detetives da polícia de Los Angeles e divulgou que estava dando doses diárias de Propofol ao astro por mais de dois meses, com o intuito de colocá-lo para dormir. Esta é a primeira vez que Murray revelou isso.

- Murray disse à polícia que ele foi ao banheiro para urinar e quando voltou, dois minutos mais tarde, descobriu que Michael não estava respirando. O Ministério Público diz que deixar um paciente sozinho é considerado abandono médico.

- O promotor encerrou afirmando que Conrad Murray agiu com negligência e não estava pensando no interesse de Michael Jackson, mas sim trabalhando por US$ 150 mil (R$ 276 mil) por mês.


    Leia tudo sobre: Michael Jackson

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG