Vice-presidente do conselho do Crea-RJ, Jaques Sherique, constatou que não havia responsável técnico e cabo guia para as manobras em Xanadu

Sidney Magal, Danielle Winits e Thiago Fragoso no musical
Photo Rio News
Sidney Magal, Danielle Winits e Thiago Fragoso no musical "Xanadu" no teatro Oi Casa Grande, zona sul do Rio
Na tarde desta segunda-feira (30), fiscais do Conselho Regional de Agronomia e Engenharia do Rio de Janeiro (Crea-RJ) fizeram uma vistoria no Teatro Oi Casa Grande, na zona sul do Rio de Janeiro, onde estava sendo encenado o musical Xanadu.

Na noite de sábado (28), os protagonistas Danielle Winits e Thiago Fragoso sofreram uma queda de uma altura de 5 metros quando os quatro cabos de segurança que sustentavam os atores num número que simulava um voo arrebentaram. Três pessoas ficaram feridas além da dupla.

Leia mais: “A Dani não lembrava do que tinha acontecido", diz Falabella

De acordo com o vice-presidente do conselho, Jaques Sherique, não há um profissional legalmente habilitado responsável pelo número. “Verificamos junto ao conselho que não tinha um profissional habilitado nem na empresa responsável pelo empreendimento e nem na empresa que o espetáculo contratou para coordenar o deslocamento dos atores pela plateia”, afirmou o vice-presidente do Crea-RJ.

A Chain Empreendimentos, produtora responsável pelo musical, teria contratado a empresa Sete Cavaleiro para montar a máquina que movimentava os atores. A delegada que investiga o caso recolheu o equipamento que será submetido a perícia no Instituto Carlos Éboli. O Instituto deve apresentar um relatório entre 15 e 30 dias.

Veja também: “Ela ficou bastante assustada”, diz avó de Danielle Winits após acidente

“Poderia ter mais uns dispositivos de segurança para o caso de uma falha como a que ocorreu no sábado (28). Verificamos que faltava um cabo guia, que seria um cabo de vida adicional, o que permitiria que os atores ficassem suspensos no caso de uma fatalidade”, disse Sherique, antes de afirmar que a responsabilidade do acidente é da empresa que montou o equipamento.

“A delegacia que está cuidando do caso vai apurar de quem é a responsabilidade civil pelas lesões ocorridas nos artistas e no público. Enquanto isso nós iremos avaliar que tipo de penalidade vamos atribuir para as empresas”, afirmou ele.

Danielle Winits teve alta nesta segunda-feira (30) e Thiago Fragoso segue internado no CTI da Casa de Saúde São José, zona sul do Rio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.