De camelô à primeira-dama, confira a trajetória de Daniela Albuquerque

*Publicada no dia 30/08/2010

Daniela Albuquerque: dedicada ao trabalho
Beto Tchernobilsky
Daniela Albuquerque: dedicada ao trabalho

Não fosse o helicóptero pousando pouco depois das 8h na sede da RedeTV!, na Grande São Paulo, e seria apenas mais uma funcionária chegando ao trabalho. Quem desce da aeronave é Daniela Albuquerque, mulher de Amilcare Dallevo , presidente da RedeTV!. Ela está acompanhada de Smart, um yorkshire espevitado de um ano e meio. “Não posso chegar atrasada só porque sou mulher do dono”, diz logo a apresentadora em entrevista ao iG Gente.

Do heliponto, Daniela segue direto para seu camarim exclusivo, a poucos metros do estúdio onde apresenta ao vivo o programa diário “Manhã Maior”. No espaço de cerca de 25m2, decorado por ela mesma com móveis brancos, espelhos, uma foto do dia do casamento no porta-retrato e muitos cristais enfeitando cada detalhe – da caixa de maquiagem à moldura da enorme TV de LCD pendurada na parede –, a apresentadora prepara-se para entrar no ar. Sua equipe faz a maquiagem, cabelo, figurino... e ela parte para o trabalho. Impecável.

Daniela Albuquerque no restaurante da Rede Tv!
Beto Tchernobilsky
Daniela Albuquerque no restaurante da Rede Tv!
Dona da segunda maior audiência da emissora com o dominical “Dr. Hollywood”, um reality show sobre cirurgia plástica que apresenta há mais de dois anos, Daniela prova que o curso de teatro e as sessões de fonoaudiologia têm surtido efeito. Ela se mostra bem desenvolta na frente das câmeras e leva com tranquilidade as duas horas e 15 minutos do programa matinal ao vivo ao lado dos jornalistas Arthur Veríssimo e Keila Lima . "No começo, fiquei com a Daniela para ensinar e corrigir. Ela só ia embora quando estava tudo perfeito", conta Keila. “Ela é o Neymar da TV. Bate um bolão, tem que convocar, não tem jeito”, elogia Arthur, que além de parceiro de estúdio é o grande incentivador da prática da ioga na rotina de Daniela. “Ela está no caminho certo para se tornar uma grande apresentadora popular”, garante o diretor da atração, Vagner Matrone.

Pelos corredores da emissora, a “primeira-dama” prova que é querida. Fala bom dia a todos que cruzam seu caminho e não faltam comentários sobre sua gentileza e simplicidade. Apesar das especulações, Daniela garante que não há atritos entre ela e outra apresentadora da casa, Luciana Gimenez , mulher do vice-presidente da Rede TV!, Marcelo de Carvalho.

Daniela Albuquerque: vaidosa assumida
Daniela Albuquerque
Daniela Albuquerque: vaidosa assumida

Uma foi madrinha de casamento da outra e seus camarins ficam lado a lado, mas, por conta dos diferentes horários de gravação, elas não se encontram. “Eu sou solar e ela lunar”, compara Daniela. Se a relação com Luciana é mais social, é com outra apresentadora que mantém um laço mais estreito. É amiga de Hebe Camargo, em quem se espelha e de quem ganha muito conselhos. Elas adoram viajar juntas para os Estados Unidos, fazer compras e falar bobagens. “(Conhecer a Hebe) não passava pela minha cabeça, era uma possibilidade distante, não existia nem em sonho”, conta.

Estar casada há quatro anos com Amilcare e frequentar a alta sociedade não mudaram seu jeito interiorano, de Dourados, no Mato Grosso do Sul. “Adoro comer banana com arroz”, ela conta. Também não deixou para trás seu passado humilde, de infância simples e lembranças que conta sem acanhamento. “Já fui babá e até camelô. A gente tinha uma barraca e eu ia para o Paraguai comprar muamba”, se diverte a filha do meio de três irmãos, criados pela mãe viúva - seu pai morreu quando tinha 5 anos de idade.

Aos 28 anos, Daniela gosta de manter uma rotina atarefada com dois programas, curso de teatro, ginástica, ioga e fono. Ela também divide suas atenções com a residência nova do casal, que está sendo construída em Alphaville, em Barueri, na Grande São Paulo. “Tem que ser tudo do nosso jeito”, diz. Também tem um projeto pessoal de que não vai abrir mão de jeito nenhum: “Quero ter filho antes dos 30”, afirma.

A entrevista com Daniela aconteceu no jardim de inverno da emissora e foi interrompida rapidamente pelo marido, 25 anos mais velho, a quem ela se refere como “My Love”. Depois do beijo em Amilcare, a ex-modelo volta a falar de sua vida de Cinderela moderna...

iG : Você percebe comentários por ser mulher do Amilcare?
Daniela Albuquerque : Não sei por que tem isso. Tem gente que tem um mercadinho, uma farmácia, e a mulher trabalha junto. Aqui é a mesma coisa, é um comércio como qualquer outro. No começo eu era insegura, mas hoje não me importo. Não sou mais ‘a mulher do dono’, hoje aqui eu sou a Daniela.

iG: Acha que tem que provar mais que os outros?
Daniela Albuquerque: Sempre. Sou muito profissional, não posso atrasar ou desistir de fazer uma pauta porque sou mulher do dono. E com o tempo mostrei serviço e as pessoas perceberam isso. Meu marido não tem o poder de fazer com que o público me assista.

Tudo brilha na vida de Daniela: nas imagens acima, detalhes do camarim da apresentadora, que tem cerca de 25m2
Beto Tchernobilsky
Tudo brilha na vida de Daniela: nas imagens acima, detalhes do camarim da apresentadora, que tem cerca de 25m2

iG: Com quem negocia salário?
Daniela Albuquerque: Com a Mônica Pimentel (diretora artística), minha chefe. Ela que me contratou para o “Dr. Hollywood”. Eu respondo a ela, assim como respondo a meu diretor nas pautas e matérias. Não preciso falar com meu marido sobre isso.

iG: Estuda teatro por que pretende virar atriz?
Daniela Albuquerque: Tenho vontade de participar de um filme, não estou estudando dramaturgia por estudar. Mas, se não rolar, não vou ficar chateada, pois meu foco são os programas. Não tenho pressa. Estudo porque gosto muito de arte, sou apaixonada por algumas matérias, é importante fazer cursos, nunca ficar parada.

iG: Como foi estudar Jornalismo na mesma sala que seu marido?
Daniela Albuquerque: Muita gente dizia que ele ia porque tinha ciúmes de mim, mas não. Começou como uma brincadeira e ele acabou gostando de verdade. Ele é superocupado, não ia ficar lá tomando conta de mim. Se fosse ciúmes, ele também faria teatro, porque eu estou lá o dia todo tendo contato com um monte de gente...

Antes de ir ao ar, Daniela é maquiada por Marcos Diniz e lê as notícias do dia. Depois do programa com Keila Lima e Arthur Veríssimo, bate-papo com a produção
Beto Tchernobilsky
Antes de ir ao ar, Daniela é maquiada por Marcos Diniz e lê as notícias do dia. Depois do programa com Keila Lima e Arthur Veríssimo, bate-papo com a produção
iG: Como começou essa brincadeira?

Daniela Albuquerque: A gente ainda namorava, fiz a inscrição no vestibular e sugeri que ele fizesse também. Ele acabou entrando. No começo, foi só ver qual era a do curso e gostou. A gente era CDF, estudava junto, fazia os trabalhos, reunião de grupo. No final do curso fizemos um documentário sobre o Theatro Municipal (de São Paulo). Tivemos formatura, com direito a baile e tudo.

iG: Ele tem vontade de apresentar um programa como o Marcelo de Carvalho?
Daniela Albuquerque: Nenhuma! Ele não gosta, é supertímido. O Marcelo é despachado, comunicativo. O Amilcare tem muito carisma, mas não é a praia dele. Ele gosta de tecnologia, inventar as coisas. Eu chamo ele de MacGyver. É muito inteligente, sagitariano que enxerga longe.

iG: Quem você admira na TV?
Daniela Albuquerque : Hebe Camargo. Ela é um ser humano fantástico. A vida da gente é louca, né? Quando eu era pequena, assistia ao programa dela e pensava: “Como essa mulher é chique! Essas pessoas que vão sentar no sofá dela...” Nem sonhava (em conhecê-la) porque sabia que nunca ia acontecer. Não passava na minha cabeça, era distante, não existia nem em sonho.

iG: Como é a amizade de vocês?

Daniela Albuquerque : Ela é muito especial, a gente se gosta bastante. Ela é generosa, carinhosa. O que eu via na tevê, é igual. Hoje em dia, eu convivo com muitos artistas e pensei que ela poderia ser uma diva chata, mas não. Ela tem uma simplicidade fora do normal, foi isso que me conquistou nela e vice-versa. Ela sabe que eu sou pé no chão, não sou deslumbrada. Por isso que a gente combina, até na hora de fazer compras. A gente entra na loja e ela fala “Dani, isso é sua cara!”. Foi ela que sugeriu que eu fizesse meu aniversário em Miami. Na hora mandou reservar as passagens, não tinha nem como falar não. Ela chegou lá e disse “só vim por sua causa!”. A gente sai e fala muita bobagem, dá risada, sempre estamos juntas.

Daniela Albuquerque
Beto Tchernobilsky
Daniela Albuquerque
iG: Ela te dá conselhos?
Daniela Albuquerque: Muitos. Quando comecei com o “Dr. Hollywood”, eu tinha o sotaque caipira muito acentuado, até hoje o meu “R” dá uma escorregada, tem gente que acha que sou mineira. Ela falava: “Para de falar Albuquerrrrque!”. E eu brinquei com ela: “Vou treinar bastante falar ‘Boa noite, sou a Daniela Albuquerque e sou amiga da Hebe Camarrrrrgo’”. (risos)

iG: Você acompanhou de perto o drama da vida dela? (Recentemente, Hebe passou por um câncer no peritônio)
Daniela Albuquerque: Tudo. Mas ela é muito forte, cheia de energia boa. Ela me dizia “não tenho medo de morrer, tenho medo de perder essas coisas gostosinhas, de estar aqui, essas besteiras.”

iG: Você começou trabalhando como modelo?
Daniela Albuquerque: Antes disso já fiz de tudo que você pode imaginar. Comecei a trabalhar com 13 anos como babá, em troca de roupas. Eu cuidava da neta de uma dona de boutique e ela me dava blusas, vestidos como pagamento, e às vezes até esquecia. Trabalhei em seguradora, escritório de advocacia, já fui até camelô. Quando eu tinha 14 anos, a gente tinha uma barraca e eu ia pro Paraguai comprar muamba. Fui modelo quando vim para São Paulo.

iG: O que o dinheiro já te comprou de importante?

Daniela Albuquerque: Uma Barbie. Era meu sonho, porque antes eu só tinha Barbie falsa do Paraguai. Comprei uma original quando tinha 19 anos e morava em São Paulo. Também lembro quando ganhei um par de patins aos 12 anos, eu dormi com ele no pé. Era meu sonho. Ganhei ele à noite e não tinha como andar no escuro, fiquei com ele no pé esperando amanhecer o dia para poder andar. Foi bom eu ter vivido isso, porque se eu tivesse as coisas mais fáceis, não daria valor ao que tenho hoje, saber o valor de tudo. Não tive farturas, mas nunca faltou nada em casa.

iG: E depois que sua carreira deslanchou?
Daniela Albuquerque : Foi um carro. Eu tinha dinheiro pra comprar, mas continuava andando de trem e metrô. Eu andava de carona com uma menina que trabalha de modelo em showroom comigo e um dia ela me deixou na mão. Aí pensei: “Ah, por que não compro um carro?”. Então comprei uma Mercedinha (Classe A) zero, parcela

Amilcare e Daniela com Luciana Gimenez e Marcelo de Carvalho; abaixo, com a
Beto Tchernobilsky/ Arquivo Pessoal
Amilcare e Daniela com Luciana Gimenez e Marcelo de Carvalho; abaixo, com a
iG: Hoje em dia você é gastona?
Daniela Albuquerque: Nada. Sou a maior mão de vaca. Mas sou muito generosa, gosto de dar presentaços. Não sou egoísta daquelas que compra presente no R$ 1,99 e faz um embrulho bonito. Adoro dar presentes, para o marido inclusive. Para a minha mãe compro muitas joias, para a minha irmã, vestido. Mas pra mim nem tanto, faz anos que não vou ao shopping. Só quando estou viajando, porque é quando tenho tempo.

iG: Que tipo de presente você dá para o Amilcare?
Daniela Albuquerque : Gosto de dar relógios, ele ama. Mas no aniversário de dois anos de casamento, dei um casal de pastores alemães, de surpresa. Ele sempre conta que quando era pequeno, assistia a uma série que tinha um pastor e ele morria de vontade de ter um casal. Eu fui até um canil e comprei, coloquei lacinho e escrevi um cartão dizendo: “Agora só falta dar os nomes”.

iG: E ele acerta nos presentes?
Daniela Albuquerque: Ele sempre me leva para viagens incríveis, lugares que eu nunca pensei que ia conhecer. Mas, na verdade, eu gosto muito mais dos cartões que ele escreve que dos presentes.

iG: Você tem vontade de investir em algo?
Daniela Albuquerque : Sim, claro! Tenho meu pé de meia. Mas não agora... Sou uma pessoa do comercial, tenho isso na veia. Agora tenho meus produtos do “Dr. Hollywood”, participei de tudo e as pessoas estão gostando. Dei palpite nas embalagens, nas pesquisas. Mas agora o foco é a TV, não penso em dinheiro.

iG: Você tem um lado B ?
Daniela Albuquerque: Eu adoro fazer faxina! Sempre faço no meu camarim, em casa, vivo organizando meus armários, meu banheiro. Fazer limpeza me relaxa.

iG: É difícil te encontrar na noite, você gosta de baladas?

Daniela Albuquerque: Não, sou bem caseira. Meu marido gosta mais de sair. Eu tenho que me esforçar. Já fui da balada, adoro dançar, mas hoje em dia gosto mais de sentar, conversar, tomar um bom vinho, conhecer restaurantes.

iG: Você pensa em ter filhos?
Daniela Albuquerque: Morro de vontade. Mas estou sempre empurrando com a barriga. Queria ter logo depois de terminar a faculdade, mas não tive até agora. Quero ter filho antes dos 30, então ainda tenho dois anos.

iG: Como é sua relação com os filhos do Amilcare?

Daniela Albuquerque: Ele tem três, a Andréa, de 23 anos, Neto, de 20, e Alê, de 19. Eles são umas graças. O Neto coordena meus produtos, ele é a cara do pai. A menina é jornalista e o Alê estuda Direito.

iG: Você tem uma relação de mãe ou de amiga com eles?
Daniela Albuquerque: A gente se gosta muito. Eles me acolheram bem desde sempre, não é que eu fui pivô da separação dos pais deles, eles já eram separados há alguns anos.

iG: Você já fez cirgurgia plástica?

Daniela Albuquerque : Já coloquei silicone.

iG: Mudaria algo mais em seu corpo?
Daniela Albuquerque: Agora não. Mas mudaria se tivesse um bebê.


Daniela Albuquerque
Beto Tchernobilsky
Daniela Albuquerque
RAPIDINHAS:

Se fosse personagem de um filme ou livro...

Julieta, de “Romeu e Julieta”, de William Shakespeare.

Uma coisa que ninguém sabe sobre você...
Só consigo dormir no escuro total.

Dia ou noite?
Ambos.

O que queria fazer quando criança?
Ser modelo.

O que faz de melhor?

Organizar minhas coisas.

Prato que não dispensa?

Rabada com mandioca da minha mãe.

Último item de consumo...
Anel e brinco que me dei de aniversário.

Tem algum vício?
Leite condensado na panela de pressão.

Um gadget...

Meu iPhone.

O que não sai do seu guarda-roupa?

Um bom salto alto.

E o que não entra?

Blusa-morcego.

Um item essencial da sua bolsa...

Um blush.

O que é agridoce para você?

Andar de avião.

Uma paisagem inesquecível...
Bora Bora.

Último livro que leu...
O texto da peça “Casa de Bonecas”, de Henrik Ibsen.

Uma lembrança da infância...
Meu pai chupando melancia.

Última vez que chorou...

Ontem! Por conta de uma matéria que fiz. Levei uma senhora para conhecer o mar.

Amor ou sexo?
Amor.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.