Tamanho do texto

"O Amante Duplo" integra a programação do Festival Varilux e estreia comercialmente no Brasil na próxima quinta-feira (21); leia a crítica

O cinema de François Ozon habitualmente ostenta grande carga psicológica. Seu cinema costuma trafegar por gêneros diversos com desenvoltura narrativa, rigor cênico e reverência aos mestres do passado. Esse pastiche volta com força em “O Amante Duplo”, seu mais recente filme.

Leia também: Entre o hype e o luxo, “Oito Mulheres e um Segredo” faz valer o ingresso

Cena de O Amante Duplo, excelente filme de François Ozon que integra a programação do Festival Varilux e estreia comercialmente em breve
Divulgação
Cena de O Amante Duplo, excelente filme de François Ozon que integra a programação do Festival Varilux e estreia comercialmente em breve

O longa abre com uma mulher cortando o cabelo de uma maneira essencialmente asséptica. Na sequência um plano detalhe que custa a revelar sua verdade. A câmera flui do útero de uma mulher até sua vulva. De repente, um corte para a fenda palpebral da protagonista Chlóe ( Marina Vacht ). Os minutos iniciais de “O amante Duplo” são memoráveis tanto por seu minimalismo, como pela eloquência que interrelaciona os principais aspectos do que veremos a seguir.

Este é um filme em que o sexo, o desejo e a mente se alinham de maneira decidida e perigosa e Ozon despela sua protagonista com requinte, sofisticação e generosa elaboração psicanalítica. Os encontros sexuais aqui ganham ares diabólicos e as cenas de sexo são plásticas e belas. Fisgado, o público segue atento ao desenrolar da trama salivando por seu desfecho.

Leia também: François Ozon volta a expor fragilidades humanas com delicadeza em "Frantz"

Chloé sente dores terríveis na barriga. Não há nada de errado clinicamente com ela, além de uma imperiosa anorexia por conta de sua resistência à alimentação, e sua ginecologista recomenda que ela inicie uma terapia. “Prefere homem ou mulher”? , ela pergunta.

Cena do filme O Amante Duplo: enquadramentos belíssimos e eficientes narrativamente
Divulgação
Cena do filme O Amante Duplo: enquadramentos belíssimos e eficientes narrativamente

O início de “O Amante Duplo” é fulminante. Quando nos damos conta, Chloé já está se consultando com Paul (Jéréme Renier) e quando mal nos acostumamos com a ideia, eles estão apaixonados.

Paul deixa de tratar Chloé, que o enxerga como “sua cura”, e eles vão morar juntos. As dores na barriga cessam e o idílio só é interrompido porque Chloé está certa que seu namorado está mentindo para ela. Que ele leva algum tipo de vida dupla. Engajada em domar essa ansiedade, ela descobre que Paul tem um irmão, que também é terapeuta.

Estabelece-se então um arriscado jogo de sedução e erotismo com Chlóe como eixo central. Fetiches e signos se embaralham nessa manipulação que se ressignifica à medida que Ozon avança com a trama.

A protagonista delirante lembra as heroínas de Polanski e Brian de Palma, bem como a gramática visual adotada por Ozon aqui, mas essa deferência não incomoda ou atropela os objetivos narrativos do filme.

Leia também: "Los Territorios" tateia geografia emocional do protagonista em volta ao mundo

Jogo de duplos em O Amante Duplo
Divulgação
Jogo de duplos em O Amante Duplo

A maneira mais salutar de olhar para “O Amante Duplo” , o tipo de filme que não acaba quando termina, é vê-lo como um filme sobre o processo terapêutico e, nesse sentido, a personagem de Jacqueline Bisset, que surge no ato final é um catalisador importante. Ozon se mantém como um dos cineastas mais interessantes da atualidade e entrega um filme de trama labiríntica e inflexões cativantes. Sem descuidar da sedução.